ASSINE

Erick Musso usa rede social para "ventilar" candidatura ao governo do ES

No Instagram, presidente da Assembleia Legislativa tem respondido perguntas de seguidores. Quando questionado sobre possível candidatura ao governo do Estado, diz que "o futuro a Deus pertence"

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 09/07/2021 às 16h58
Erick Musso durante sessão de prestação de contas do governador Renato Casagrande
Erick Musso durante sessão de prestação de contas do governador Renato Casagrande. Crédito: Ellen Campagnaro/Ales

O presidente da Assembleia Legislativa do Espírito Santo, deputado estadual Erick Musso (Republicanos), tem deixado em aberto a possibilidade de se candidatar ao governo do Estado em 2022. Pelo menos nas redes sociais. O parlamentar, que já cravou que não vai tentar a reeleição como deputado estadual no ano que vem, abriu a caixa de perguntas de sua página no Instagram para os seguidores. Quando questionado sobre possível candidatura ao governo, respondeu que "o futuro a Deus pertence".

No mecanismo da rede social, não há como outros usuários saberem quem enviou as mensagens. A informação fica disponível apenas para o dono da página, que pode escolher, inclusive, quais perguntas compartilhar.

Além dos questionamentos que envolvem o pleito de 2022, o presidente da Assembleia exibiu elogios feitos à gestão do Legislativo,  mensagens de eleitores que o parabenizavam pelo mandato e de membros da própria equipe, que disseram "ter orgulho" de trabalhar com ele.

O parlamentar também usou o espaço para "brincar" sobre a dieta que vem fazendo,  admitindo alguns deslizes na luta por uma alimentação mais saudável.

No meio político, Erick Musso é considerado no xadrez eleitoral como candidato a deputado federal, embora ele não tenha afirmado, categoricamente, isso ainda. O parlamentar está no terceiro mandato à frente da Casa, reeleito em fevereiro com o apoio do governador Renato Casagrande (PSB).

Em uma relação de idas e vindas, recentemente marcada por divergências em relação à adoção de medidas na pandemia, os chefes do Executivo e do Legislativo mantêm a cordialidade. Mas isso não significa que vão estar no mesmo palanque nas próximas eleições.

Na série de stories em que respondeu perguntas de seguidores, Erick Musso não fala sobre alianças no ano que vem e nem mesmo qual cargo pretende disputar. 

"O futuro a Deus pertence, nesse momento estamos focados no nosso mandato na Assembleia e ajudando os capixabas a superar os desafios, sobretudo os colocados pela pandemia. Independentemente do (cargo) que serei candidato e até se serei, sempre estarei ajudando de alguma forma o nosso povo e a nossa gente", escreveu Erick, ao responder uma seguidora que o questionou se seria governador.

Presidente do Republicanos no Espírito Santo e secretário de governo e comunicação da Prefeitura de Vitória, Roberto Carneiro disse que o partido ainda trata com cautela a eleição para governo e Senado em 2022. A decisão, segundo ele, vai passar pelo aval do diretório nacional do partido.

Uma reunião marcada para outubro, com presidentes dos diretórios estaduais do Republicanos,  vai começar a traçar a estratégia do partido para as eleições majoritárias – governos estaduais, Senado e presidência da República – em 2022.

"Meu trabalho, enquanto dirigente partidário, é montar chapa de deputados estaduais e federais. As decisões referentes a candidaturas majoritárias serão decididas em conjunto com a Executiva Nacional", afirma Carneiro.

Internamente, o grupo de Erick vê como remota a possibilidade de ele disputar o governo em 2022. O esperado é que ele dispute mesmo uma vaga na Câmara dos Deputados.

"Estamos em um momento que todo mundo tem cuidado para se posicionar, aguardando quem dará os primeiros passos, para traçar sua melhor estratégia. Então, tem muitos que vão se colocar em algumas disputas, mas que na verdade estão mirando em outros alvos", comenta, reservadamente, um deputado com trânsito com Erick e o governo estadual.

Procurado pela reportagem de A Gazeta, Erick Musso disse, via assessoria de imprensa, que não está discutindo o processo eleitoral neste momento.

Presidente da Assembleia, Erick Musso, e governador Renato Casagrande durante prestação de contas do governador na Assembleia Legislativa
Presidente da Assembleia, Erick Musso, e governador Renato Casagrande durante prestação de contas do governador na Assembleia Legislativa. Crédito: Leonardo Duarte/Ales

RELAÇÃO COM O GOVERNO

A relação entre Erick Musso e o governador Renato Casagrande tem passado por altos e baixos na atual legislatura. O momento de maior crise entre os grupos políticos dos dois chefes de Poder foi em novembro de 2019, quando a eleição para o biênio 2021-2022 foi antecipada, em uma manobra de Erick.

O episódio pegou a base governista de surpresa e, em uma eleição-relâmpago sem agendamento prévio na Assembleia, Erick Musso conseguiu se reeleger. A base casagrandista foi à Justiça pedindo a anulação do pleito e, pressionado, o próprio presidente da Assembleia cancelou a eleição.

Mas em fevereiro de 2021, na nova eleição para o atual biênio, Erick e Casagrande estavam em maior sintonia, fazendo discursos elogiosos um ao outro. Depois de sinalizar que poderia montar uma chapa contrária, o governador entrou em acordo com Erick e o apoiou.

Em contrapartida, o parlamentar reduziu seu poder na Mesa Diretora, revogando um ato que o autorizava a tomar decisões administrativas na Casa monocraticamente. Na nova composição, os atos do presidente precisam ter o aval do 1º ou do 2º secretário – cargos ocupados pelos governistas Dary Pagung (PSB) e Coronel Quintino (PSL).

No entanto, meses depois de dizer que 'carregaria o piano' com Casagrande e fazer um pacto com o governador e outros chefes de Poderes para um trabalho conjunto no enfrentamento da pandemia no Estado, Erick Musso manifestou posicionamentos contrários ao governo do Estado.

Alinhado ao discurso do correligionário e prefeito de Vitória, Lorenzo Pazolini (Republicanos), o presidente da Assembleia defendeu a retomada de aulas e atividades comerciais em um momento em que a matriz de risco do governo do Estado ainda fazia restrições ao funcionamento.

O tom contra o governo voltou a subir após a realização de uma operação da PF para investigar uma compra de álcool em gel pelo governo estadual. Nas redes sociais e na tribuna da Assembleia, Erick Musso defendeu a investigação do caso, destoando da base do governador, que pregava que a operação teve como alvo a empresa que fornecia o produto e não o Estado. Com o movimento, a oposição chegou a ensaiar a criação de uma CPI na Casa, mas, com pouca adesão, a proposta ainda não obteve as assinaturas necessárias.

Na última terça-feira (6), Casagrande foi à Assembleia para a prestação de contas anual do governo. No discurso, ele parabenizou Erick Musso pela gestão na presidência e ressaltou que deseja manter “harmonia no relacionamento, com total independência”. Os dois mantiveram uma relação cordial e posaram para fotos juntos. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.