ASSINE

Do Val pede saída de Renan da relatoria da CPI da Covid, mas Aziz nega

Senador capixaba disse que atuação do relator tem deixado os depoentes desconfortáveis na comissão, que apura possíveis falhas e omissões do governo federal na pandemia

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 18/05/2021 às 11h55
Senador Marcos do Val (Podemos) é suplente na CPI da Covid no Senado
Senador Marcos do Val (Podemos) é suplente na CPI da Covid no Senado. Crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Na sessão da CPI da Covid, no Senado, nesta terça-feira (18), minutos antes do início do depoimento do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, o senador capixaba Marcos do Val (Podemos) propôs a troca do relator da comissão, o senador Renan Calheiros (MDB-AL). O pedido foi negado pelo presidente do colegiado, senador Omar Aziz (PSD-AM), que elogiou o trabalho do emedebista.

A proposta de Do Val, que é membro suplente na CPI, coincide com o movimento de outros parlamentares da ala governista, pró-Bolsonaro, que preparam uma ação judicial pedindo a saída de Renan, por considerar que o senador está "pré-julgando" o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na atuação como relator na comissão. Próximo ao governo, o parlamentar capixaba prefere se identificar como independente. 

O argumento de Do Val é que a forma como Renan questiona os depoentes deixa os convidados desconfortáveis e, segundo ele, os coíbe de dar mais informações sobre as ações na pandemia de Covid-19. Para o senador, o pedido de prisão feito pelo relator contra o ex-secretário de Comunicação Fabio Wajngarten, na semana passada, provocou preocupação nos próximos convocados para testemunhar na CPI, como o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello – que estará na comissão nesta quarta-feira (19).

"Nossos convidados estão extremamente intimidados depois do que aconteceu [pedido de prisão]. Eu queria propor que, de repente, o senador Randolfe (Rodrigues) assuma a relatoria e o relator (Renan Calheiros) vá para o lugar do Randolfe, como vice-presidente, ou o próprio (senador Eduardo) Girão seja o vice. (A ideia de) Trocar o relator não é pela pessoa, mas os movimentos que os convidados estão fazendo no STF estão e estarão atrapalhando os trabalhos da CPI", disse Do Val, no início da sessão.

Opositor ao governo Bolsonaro, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) é vice-presidente da CPI da Covid, e Eduardo Girão (Podemos-CE), membro titular da comissão, é próximo ao governo, mas prefere ser chamado de independente.

O presidente da CPI, Omar Aziz, contemporizou as críticas a Renan e elogiou o trabalho do relator. O senador do Amazonas também alfinetou os ex-membros do governo que procuraram o Supremo Tribunal Federal (STF) para garantir o direito de ficar em silêncio na comissão e lembrou que muitos apoiadores de Bolsonaro defendem o fechamento da Corte.

"Renan Calheiros tem o meu respeito e tem tido uma conduta aqui de inquirir pensando no Brasil, não é pensando em eleição, até porque ele não é candidato no ano que vem", disse Aziz. "É bom que a gente veja algumas pessoas irem ao Supremo, pedir auxílio ao Supremo, até porque outro dia estavam querendo queimar o Supremo. Acho que não é o momento de ficar aqui discutindo essas mudanças. O senador Renan tem o meu respeito e tem o respeito da grande maioria dos senadores aqui", completou.

Em entrevista para A Gazeta, Do Val disse que o pedido não chegou a ser colocado em votação e que estuda formalizar uma solicitação para a troca da relatoria. O senador acredita, contudo, que mudança é algo improvável, já que a maior parte dos membros da comissão é favorável à permanência de Renan Calheiros na função. Mesmo assim, ele avalia que o pedido já surtiu efeito no comportamento do relator na CPI.

"Hoje, a gente viu outro Renan Calheiros, mais comedido, ponderado, totalmente diferente do Renan que a gente viu na semana passada. Eu fiz questão de fazer a solicitação logo no início, antes da sabatina, exatamente para freá-lo. Para ele ir com a racionalidade e não ser tão passional."

BOLSONARISTAS PREPARAM AÇÃO CONTRA RENAN

De acordo com o jornal O Globo, apoiadores do presidente, encabeçados pela deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), têm coletado declarações de Renan e preparam um documento para questionar na Justiça a parcialidade do senador. Para eles, o relator faz um pré-julgamento para atingir Bolsonaro.

Senadores da base governista também estudam apresentar um relatório alternativo ao que será construído por Renan, caso ele manifeste-se com ataques ao governo federal no documento. 

CPI DA COVID NO SENADO

Instalada em abril deste ano, após determinação do STF, a CPI da Covid tem como objetivo apurar possíveis falhas e omissões na atuação do governo federal na pandemia de Covid-19 e eventuais desvios nos repasses de recursos da União a Estados e municípios.

O prazo de trabalho da comissão é de 90 dias, prorrogáveis por mais 90. Ao final do processo, será produzido um relatório, a ser aprovado pelos senadores, que pode encaminhar recomendações ao governo ou solicitações ao Ministério Público Federal (MPF) para indiciar responsáveis, caso irregularidades sejam identificadas.

VEJA A ENTREVISTA COM MARCOS DO VAL

Em entrevista para A Gazeta, o senador explicou a movimentação para "frear Renan" na CPI da Covid, a posição no cabo de guerra entre bolsonaristas e opositores e os próximos passos de atuação na comissão.

Apesar da negativa do presidente da CPI de discutir sobre a saída de Renan Calheiros da relatoria, há uma movimentação para tentar uma troca por outros caminhos?

Falei com os senadores, tanto os que apoiam o governo quanto os que são oposição. Do Marcos Rogério (PDT-RO) [da base] ao Rogério Carvalho (PT-SE) [oposição]. Os que apoiam o presidente (Jair Bolsonaro) disseram que iam apoiar (a saída de Renan), e os contrários disseram que não concordavam e que iria permanecer o Renan. O presidente [Omar Aziz] não botou o pedido em votação hoje [terça-feira], e eu não tive tempo ainda de conversar com ele, em particular, para ver se colocaria em votação. Mas eu senti que seria algo muito improvável.

Mas, mesmo sabendo que são poucas as chances, acredita ser importante fazer esse pedido?

Hoje, a gente viu outro Renan Calheiros, mais comedido, ponderado, totalmente diferente do Renan que a gente viu na semana passada. Eu fiz questão de fazer a solicitação logo no início da sessão, antes da sabatina, exatamente para freá-lo. Para ele ir com a racionalidade e não ser tão passional.

O pedido para a troca da relatoria foi uma ação em conjunto com a ala bolsonarista ou foi uma iniciativa do senhor?

Foi uma iniciativa minha, fazendo uma análise do que estava acontecendo, com os convidados entrando com ações no STF. Eu entendi que era um movimento para a preservação das oitivas. Uma coisa é estar numa sala de uma delegacia, outra coisa é estar no Senado, sendo transmitido para o mundo inteiro. Tem famílias assistindo, famílias dos convidados. Se meu pedido não trocasse (a relatoria), o que eu acho difícil trocar, pelo menos frearia o Renan.

Houve uma movimentação de exigir essa troca de relatoria via Judiciário. O senhor é a favor dessa medida?

Não fiquei sabendo desse movimento. Só soube depois. Não estou no grupo nem dos aliados, nem da oposição.

O senhor pretende fazer novos requerimentos de convocação para a CPI?

Sim. Estamos aqui puxando a linha. Muitos perguntam: "ah, quando vão investigar os Estados?". Sobre o Espírito Santo, até agora não tive nenhuma denúncia concreta para convocar alguém do Estado. Se tiver denúncia concreta, eu farei o requerimento.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.