ASSINE

Aplicativo já registrou 61 tiroteios no Espírito Santo em 2020

Ocorrências foram registradas por moradores de diversos bairros do Estado. Vila Velha foi o município com maior número de notificações de tiroteio segundo o aplicativo Onde Tem Tiroteio

Publicado em 10/02/2020 às 19h37
Atualizado em 11/02/2020 às 16h07
Moradores registram tiroteios em aplicativo OTT. Crédito: Iara Diniz
Moradores registram tiroteios em aplicativo OTT. Crédito: Iara Diniz

De 1º de janeiro até a noite deste domingo (09), 61 tiroteios foram registrados em oito municípios do Estado. Os números foram contabilizados pelo Onde Tem Tiroteio (OTT), um aplicativo que é abastecido com informações enviadas por moradores de todo o Brasil.

Vila Velha é o município capixaba com maior número de notificações. Foram 27 tiroteios só este ano. O último aconteceu na noite deste domingo (09), quando uma criança de 3 anos morreu vítima de bala perdida dentro de casa, no bairro Dom João Batista. A ocorrência foi registrada no aplicativo por volta das 20h40.

As outras sete cidades onde houve registros de tiroteio são: Serra, Vitória, Cariacica, Viana, Cachoeiro de Itapemirim, Aracruz e São Gabriel da Palha. Confira os bairros e as datas na tabela abaixo:

É Vila Velha também que registra o maior número de tiroteios em um único dia. Sete conflitos foram notificados só no dia 5 de janeiro por moradores de seis bairros diferentes. Os tiroteios aconteceram em um intervalo de 2 horas e meia em Alecrim, Chácara do Conde, Pedra dos Búzios, Primeiro de Maio, Santa Rita e Terra Vermelha. 

O município da Serra assume a segunda posição no ranking. Neste ano, 12 tiroteios foram notificados por moradores no aplicativo. Metade dos conflitos aconteceram no mês de fevereiro. No último domingo (09), dois homens foram mortos a tiros em Central Carapina.  A violência ocasionou um toque de recolher no bairro na manhã desta segunda-feira (10). 

Após noite de violência, moradores de Central Carapina convivem com toque de recolher no bairro . Crédito: Leandro Tedesco
Após noite de violência, moradores de Central Carapina convivem com toque de recolher no bairro . Crédito: Leandro Tedesco

O OTT foi criado no Rio de Janeiro, mas atualmente é usado por moradores de todo o país para notificação de tiroteios. O Espírito Santo é o terceiro Estado com maior número de colaboradores, segundo Benito Quintanilha, um dos criadores do aplicativo. 

Quintanilha explica que a ferramenta funciona com a colaboração da população. Cada informação é verificada antes de ser confirmada no aplicativo.

Benito Quintanilha 

Criador do aplicativo

"A pessoa escuta o tiro e relata no aplicativo. Os administradores, que sou eu e outros três, verificam a informação junto a grupos de WhatsApp de moradores da região. Com a confirmação, o registro de tiroteio é confirmado. Com isso, por meio da geolocalização, outras pessoas no bairro são alertadas para não passarem por determinados locais. É muito útil para evitar balas perdidas e salvar vidas"

A Secretaria de Segurança Pública do Espírito Santo (Sesp) informou que não reconhece os dados registrados no aplicativo como oficiais e que "trabalha com o monitoramento periódico dos números da criminalidade, dentro das diretrizes do programa Estado Presente".

Ao ser solicitado o número de tiroteios registrados neste ano, o órgão disse que não há estatística separada sobre a quantidade de tiroteios. As ocorrências, segundo a Sesp, são tipificadas de acordo com o crime, como disparo de arma de fogo, tentativa de homicídio, homicídio ou confronto com a polícia.

O delegado titular do Departamento Especializado de Narcóticos (Denarc), Diego Bermond, disse que o número de tiroteios no Estado é menor que o registrado pelo aplicativo, mas que, no geral, o tráfico de drogas é o principal responsável por este tipo de ação criminosa.

Diego Bermond

Delegado

"Não acontece com tanta frequência, mas existe, e geralmente está relacionado ao tráfico. A gente pede que a população acione a polícia pelo 190 sempre que escutar um tiroteio, para que a gente possa agir e conseguir até mesmo realizar um flagrante. É importante tirar armas de circulação e responsabilizar as pessoas que promovem os tiroteios para coibir este tipo de ação"

Em 2019 o Denarc apreendeu 42 armas e 1.216 munições. Qualquer denúncia pode ser feita pelo 181, de forma anônima. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.