ASSINE

Polícia investiga morte de casal após suposto uso de óleo de semente de abóbora no ES

O cozinheiro Willis Pena, de 50 anos, morreu nesta terça-feira (16), um mês após perder a esposa. Segundo familiares, os dois passaram mal após  consumirem produto que compraram pela internet

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 17/03/2021 às 11h09
Atualizado em 17/03/2021 às 11h09
Os dois, que eram casados há quase 30 anos, morreram com uma diferença de apenas um mês. A Polícia Civil investiga a denúncia de familiares, que contaram que o casal passou mal após ingerir um óleo de semente de abóbora, que foi comprado pela internet.
Rosineide Dorneles Mendes e o cozinheiro Willis Pena de Oliveira, que morreram na Serra. Crédito: Reprodução/ Facebook

A família da artesã Rosineide Dorneles Mendes e do cozinheiro Willis Pena de Oliveira, ambos com 50 anos, vive um drama muito grande. Os dois, que eram casados há quase 30 anos, morreram com uma diferença de apenas um mês: após a morte de Rosineide em 15 de fevereiro, Willis também faleceu nesta terça-feia (16). A Polícia Civil investiga a denúncia de familiares, que contaram que o casal passou mal após ingerir um óleo de semente de abóbora, que foi comprado pela internet.

Os dois moravam na Serra e deixaram um filho de 20 anos, que registrou um boletim de ocorrência sobre o caso no dia 25 de janeiro, na 11ª Delegacia de Polícia, em Jacaraípe. Willis morreu nesta terça-feira (16), por volta das 17h.

O anúncio no site diz que o óleo "ajuda na formação de hormônios", "combate problemas degenerativos, melhora a saúde cardiovascular e ajuda a controlar o colesterol". O produto passou a ser ingerido diariamente pelo casal.

Cerca de uma a duas semanas após o início do consumo, os dois começaram a sentir sintomas como dores abdominais, vômitos e mal-estar. Após procurarem ajuda na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Willis e Rosineide foram encaminhados ao Hospital Dório Silva em estado grave no dia 25 de janeiro. No dia 15 fevereiro, Rosineide morreu no hospital.

Após ficar mais de um mês na UTI do Hospital Dório Silva, na Serra, o cozinheiro chegou a apresentar uma melhora na última semana e foi transferido para um leito intermediário. No entanto, segundo uma familiar que pediu para não ser identificada, Willis teve uma parada cardiorrespiratória nesta terça-feira e morreu no hospital.

"Embora ele ainda continuasse inconsciente, essa melhora deu um fio de esperança para a família. Mas infelizmente, não deu para ele. A situação era muito delicada: os dois tiveram os órgãos destruídos. Estamos muito abalados, um baque atrás do outro", lamentou a familiar.

O filho do casal está em choque com a perda da mãe e do pai com tão pouco tempo de diferença. "Ele quase nem está conversando. O abalo é enorme porque com a melhora ele chegou a acreditar que fosse conseguir levar o pai para casa", contou a parente.

OUTRO LADO

Segundo a Polícia Civil, o caso está sendo investigado por meio da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Mulher (DHPM), que aguarda o resultado do laudo pericial. De acordo com a Polícia, outras informações não serão passadas, por enquanto, para não interferir na apuração do fato e todas as medidas legais foram adotadas e estão tramitando no prazo estabelecido por lei.

A empresa responsável pelo produto também foi acionada, mas não se posicionou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.