ASSINE

Medidas adotadas no ES estão surtindo efeito, diz professora da Ufes

Pós-doutora em Epidemiologia, Ethel Maciel aponta que a realização do isolamento social  de forma precoce no Estado contribuiu para conter o ritmo de disseminação da Covid-19

Publicado em 06/04/2020 às 15h53
Atualizado em 06/04/2020 às 16h23
Ethel Maciel, vice-reitora da Ufes
Ethel Maciel é pós-doutora em Epidemiologia e defende medidas de isolamento social para conter disseminação do coronavírus. Crédito: Divulgação

As decisões do governo relacionadas à prevenção e controle do novo coronavírus (Covid-19) no Espírito Santo têm sido baseadas em orientações técnicas, não apenas da Secretaria de Estado da  Saúde (Sesa), mas também de pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Pós-doutora em Epidemiologia e professora da instituição, Ethel Maciel compõe a equipe de assessoramento e assegura que as medidas adotadas por aqui estão surtindo efeito. 

Referência na área de doenças infecciosas, Ethel aponta que o Espírito Santo, ao iniciar de maneira precoce o isolamento social, ao contrário de outros Estados e países, conseguiu se antecipar a problemas enfrentados nesses  locais. 

"O Espírito Santo tomou a medida no momento anterior à curva ficar ascendente e, por isso, está numa situação melhor do que outros Estados. Se antecipou ao pico da curva fazendo o isolamento e isso foi mundo bom porque, do ponto de vista da epidemia, nos colocou em vantagem. Podemos olhar o que acontece nos outros Estados e monitorar o nosso. Ganhamos tempo e esse é um fator muito importante porque, quanto mais tempo temos, melhor para os serviços de saúde se organizarem", argumenta. 

Mesmo de olho nos dados do Espírito Santo e no que acontece em outros locais, Ethel Maciel reconhece que não é possível fazer projeções a longo prazo. A professora observa que países como a Itália e a Espanha, por exemplo, que estão imersos na pandemia há mais tempo, ainda não têm previsão de como e quando vão ter controle sobre a doença.  Por aqui, reforça, estamos apenas no começo. 

"Toda semana a gente olha os números e projeta a próxima semana. Essa é uma situação que não vai se resolver rápido. O crescimento da curva pode ir até julho, agosto. Se tudo vai ficar parado até lá, não dá para dizer hoje. Vamos fazendo o monitoramento diário para que as decisões sejam tomadas. Mas qualquer medida de afrouxamento agora seria temerário", ressalta. 

As orientações, portanto, permanecem: distanciamento social, higienizar bem as mãos, proteger as pessoas de grupos de risco, sobretudo idosos, segundo Ethel Maciel. 

"É importante frisar que a vida vai ser diferente daqui para frente. Precisamos mudar nossos hábitos. Isso é definitivo. Estamos sofrendo um impacto, pessoas estão morrendo. Mas nosso trabalho é para prevenir mortes que podem ser evitadas; é salvar o maior número de vidas. Manter o isolamento é permitir que o sistema de saúde se prepare para fazer o atendimento de maneira adequada a todos que precisarem", destaca.

Questionada sobre as críticas de empresários ao isolamento devido aos efeitos na área econômica, Ethel Maciel é enfática sobre a necessidade de se mudar a narrativa. Ela ressalta que é a pandemia que afeta economia, e o distanciamento social é o remédio para que a crise na saúde pública dure o menor tempo possível para a retomada das atividades.

Por fim, a professora também exalta o trabalho científico. "A sociedade precisa entender que só a ciência  tem condições de modificar o quadro que estamos vivendo. Investir na ciência é garantir pesquisas para vacinas, para medicamentos, para cura de doenças."

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.