ASSINE

Médicos pedem cautela sobre abertura de salões de beleza

Em publicação nas redes sociais, o governo do Estado mostrou que os setores de serviços e da indústria não possuem restrições, o que gerou dúvidas sobre funcionamento desse tipo de estabelecimento

Publicado em 04/04/2020 às 21h22
Atualizado em 05/04/2020 às 12h45
Escova é um dos serviços oferecidos pelos salões
Escova é um dos serviços oferecidos pelos salões. Crédito: Arquivo

Uma publicação feita pelas redes sociais do governo do Estado explicando que as atividades industriais e de serviços não estão proibidas de funcionar no Espírito Santo, por conta do coronavírus, gerou diversos questionamentos e debates na internet neste sábado (4).  A  postagem deixou claro que "fábricas, barbearias, salões de beleza, entre outros tipos de negócio que se enquadram como indústria ou serviços podem funcionar, observando sempre os protocolos de distanciamento social e higiene".

A orientação geral do governo do Estado nas últimas semanas tem sido para que as pessoas fiquem em casa, com a abertura somente dos estabelecimentos que prestam serviços essenciais. O foco da publicação, na verdade, foi  explicar que não há uma proibição formal para o funcionamento de atividades de serviço ou industriais.

No entanto, como a própria natureza de algumas dessas atividades exige o contato físico, médicos infectologistas ressaltam que há riscos para o seu funcionamento, e que os empresários devem fazer uma avaliação criteriosa antes de abrir os estabelecimentos.

De acordo com a própria portaria da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), desta sexta-feira (3), que estabeleceu medidas sanitárias de prevenção ao coronavírus, há ponderações sobre o funcionamento de algumas atividades.

Portaria da Secretaria Estadual de Saúde,

publicada nesta sexta-feira.

"Os serviços que exigem proximidade com o cliente devem ser evitados e só executados juntamente com medidas específicas para minimizar o risco de transmissão do novo Coronavírus (COVID-19)"

Na avaliação do infectologista e professor da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Crispim Cerutti, é inadequado o funcionamento de locais como salões de beleza e barbearias, por exemplo.

"Temos que partir do ponto básico que é a transmissão fundamentalmente por contato. Serviços que lidam com contato o tempo todo, como salão, barbearia, que tem instrumentos que entram em contato com as pessoas, tem a manipulação da região de cabeça e pescoço, que são áreas próximas da região de mucosa, são tipos de atividades que trazem muito risco, sim", disse.

"Se você adota o princípio de isolamento social, para uma doença que a principal forma de transmissão é por contato e abre a livre frequência para um local em que o contato se dá entre várias pessoas o tempo todo, há uma contradição", acrescentou o médico.

O infectologista Paulo Peçanha frisou que ainda que o governo não faça a proibição, do ponto de vista de risco de transmissão, há risco de contaminação. "À medida que as pessoas ficam próximas, o risco é real, e não só do coronavírus. As pessoas ficam próximas, em ambientes fechados. Vamos estar diante de duas possibilidades, da transmissão respiratória, pela proximidade, e pelo toque, por contato manual interpessoal, além do contato com as superfícies, instrumentos", avalia.

Cerutti também pontua que mesmo que alguns profissionais utilizem máscaras, o risco não deixa de estar presente. "O uso da máscara é de menor impacto neste processo, porque a questão toda é o contato físico e pelos objetos. Para a liberação de serviços que não têm contato, como foi feito para as lojas de materiais de construção, deve-se impedir a existência da aglomeração. E isso deve partir do posicionamento do empresariado também, privilegiando formas de atendimento que não dependam da relação presencial".

ENTENDA A PROIBIÇÃO

O setor que está com o funcionamento proibido e regulamentado pelo governo do Estado é somente o comércio, medida que contou com a edição de decretos. De acordo com o mais recente, o comércio e shoppings devem ficar fechados até o dia 12 de abril. Há algumas exceções, como restaurantes, farmácias, supermercados, lojas de serviços automotivos, de material de construção e de chocolates.

O procurador-geral do Estado, Rodrigo de Paula, afirmou que não há uma proibição aos serviços, exceto academias e eventos, por exemplo, que foram especificamente vedados. Mas informou que o governo tem contado com a conscientização e o bom senso da população.

Atividades que podem funcionar no Espírito Santo
Atividades que podem funcionar no Espírito Santo. Crédito: Reprodução/Facebook Governo do ES

O entendimento é que esses locais, prestadores de serviços, não geram aglomerações e deverão seguir o protocolo da Sesa, com as práticas de segurança no enfrentamento do coronavírus.

"Para as empresas que exercem atividade econômica, o recomendado é que, tanto quanto possível,  pratiquem o isolamento social. Há várias atividades que não estavam proibidas de funcionar, mas por uma questão de consciência, e das orientações, estão se esforçando para fazer o isolamento. O governo está agindo como autoridade sanitária, e os decretos não são para todos os setores, pois aqui não houve uma determinação para fechamento de tudo", explicou.

Ele explicou que hoje a maioria dos prestadores de serviços, como salões de beleza e clínicas, por exemplo, decidiram fechar por conta própria.

"Mesmo para aqueles autorizados a funcionar, foram fixados protocolos a serem seguidos, na portaria da Saúde, editada ontem. Só o governo não dá conta de obrigar as pessoas a cumprir as recomendações. Há a determinação específica para alguns setores, e a orientação geral para cumprir o isolamento. Mas temos visto uma conscientização, de modo geral, e por mais que algumas atividades ainda estejam permitidas, as próprias pessoas têm consciência de que não dá para fazer", acrescentou.

COMPETÊNCIA

Assim como o Estado, a maioria dos municípios também estabeleceu restrições para a abertura de algumas atividades econômicas. A Gazeta procurou as prefeituras da Grande Vitória para saber se há alguma norma ou fiscalização específica com o setor de serviços. Veja o que dizem os municípios:

VITÓRIA

A Prefeitura de Vitória informou que o decreto número 18.047/2020, publicado no dia 20 de março, com medidas que estabeleciam a suspensão do funcionamento de estabelecimentos comerciais, venceu neste sábado (4) e será reavaliado pela Procuradoria Geral do Município (PGM) e pela Secretaria Municipal de Saúde (Semus) na próxima segunda-feira (6).

SERRA

O município possui o Decreto número 5.926/2020 e vem realizando fiscalizações desde o início da situação de emergência pública. Inicialmente orientativa e posteriormente notificando para o comércio fechar. Para os estabelecimentos que podem se manter abertos, há a Portaria número 012/2020, com orientação aos comerciantes. A portaria estabelece procedimentos e normas para operacionalização de comércios que realizem atendimento ao público durante o estado de emergência em saúde pública.

VILA VELHA

A Prefeitura de Vila Velha, por meio da Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito (Semdest), informa que as ações fiscais ordinárias tanto por parte da Guarda Municipal quanto das equipes de fiscalização seguem rigorosamente o que determina os decretos do Governo do Estado, com a restrição de funcionamento de atividades não essenciais; e as recomendações acerca da pandemia de coronavírus emanadas pela Situação de Emergência de Saúde Pública declarada pelo município. As ações fiscalizatórias são realizadas para a orientação e conscientização dos proprietários de estabelecimentos comerciais não essenciais acerca dos riscos da disseminação da Covid -19, apontadas pela Organização Mundial de Saúde, principalmente em locais com grande aglomerações.

CARIACICA

O município respalda suas ações de fiscalização e combate à propagação do coronavírus por meio do Decreto Municipal 060 (que permite funcionamento do comércio e serviços de atividades consideradas essenciais). Também segue as determinações do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado da Saúde no contexto da pandemia.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Governo do ES Coronavírus no ES guia de serviços

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.