ASSINE

Preço do óleo de soja fica 70% mais caro no ES durante a pandemia

Outros produtos da cesta básica, como o arroz e o feijão, também registraram uma expressiva alta nos preços entre março e outubro, segundo relatório da Sefaz

Publicado em 30/11/2020 às 16h18
Atualizado em 30/11/2020 às 16h18
Supermercados continuam limitando venda de alimentos
Óleo de soja: supermercados chegaram a restringir compras diante da falta do produto. Crédito: Fernando Madeira

O produto da cesta básica que ficou mais caro durante os meses da pandemia do novo coronavírus foi o óleo de soja. Entre março e outubro, o preço do óleo subiu, em média, 70,1% em todo o Espírito Santo, segundo dados do 7º Boletim da Receita Estadual - Impactos econômicos da Covid-19.

Na sequência aparecem o arroz (62,6%), o feijão (38,4%) e a batata (25,4%), ainda segundo a publicação divulgada pela Secretaria da Fazenda (Sefaz) nesta segunda-feira (30). Vale lembrar que arroz e óleo de soja chegaram, inclusive, a ter a venda limitada em meio à pandemia, devido a escassez.

“Esses dados mostram, nitidamente, o impacto da pandemia para a população capixaba – sobretudo para a população de menor renda”, avalia o auditor fiscal e gerente de Arrecadação e Cadastro da Sefaz, Leandro Kuster.

O relatório chama ainda a atenção para a manutenção do aumento do número de empresas em setembro e outubro: 26,9% e 19,8%, respectivamente, na comparação com os mesmos meses de 2019. No entanto, ao se analisar todo o período da pandemia, percebe-se que os números de 2020 estão no mesmo patamar do que o registrado em 2019.

Situação semelhante é observada na análise de faturamento do setor varejista. Em setembro e outubro o crescimento foi, respectivamente, de 13,2% e 14%. Porém, ao comparar os dados de março a outubro de 2020 com o período correspondente em 2019, observa-se que o crescimento foi de apenas 0,65%.

“Ainda que os últimos meses tenham apresentado bons resultados, quando avaliamos todo o período da pandemia observamos que os números de 2020 encontram-se estáveis na comparação com 2019, comenta o secretário de Estado da Fazenda, Rogelio Pegoretti.

Ele destaca que, para que a recuperação seja cada vez mais progressiva, o governo estadual anunciou na última semana um plano  para estimular a recuperação econômica, com investimentos que ultrapassam R$ 32 bilhões e podem criar 100 mil empregos.

“São investimentos importantes em diversas áreas e que, certamente, vão apresentar um resultado positivo para a economia e para a população capixaba.”

Com informações da Secretaria da Fazenda (Sefaz).

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo espírito santo Alimentos Sefaz Inflação Pandemia

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.