ASSINE

Coronavírus: Casagrande diz como governo do ES vai ajudar pessoas e empresas

Criação de crédito e fundo para equalizar juros vão ajudar empregados e empregadores no Espírito Santo

Publicado em 25/03/2020 às 09h13
Atualizado em 25/03/2020 às 12h18
O governador Renato Casagrande e intérprete de libras durante entrevista coletiva remota
O governador Renato Casagrande e intérprete de libras durante entrevista coletiva remota. Crédito: Reprodução/Facebook

Ainda repercutindo o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro na noite desta terça-feira (24), o governador Renato Casagrande destacou medidas econômicas que serão tomadas pelo governo estadual para ajudar quem terá prejuízos com a pandemia do coronavírus. Sem entrar em detalhes, o governador afirmou que o Estado vai disponibilizar crédito e adotar medidas de redução de juros para empresas e consumidores.

Renato Casagrande 

Governador do Espírito Santo

"O Estado vai disponibilizar crédito e tomará medidas de desburocratização, que posterguem validades de certidões, que posterguem e ampliem validades de licença ambiental. Que a gente possa ter um fundo que permita equalizar os juros, para serem mais baratos para micro e pequenas empresas. Na área social do mesmo jeito. Então, o governo do Estado fará tudo que estiver ao alcance para que possa minorar o sofrimento das pessoas que estão tendo redução da atividade econômica, perdendo suas atividades"

Ao mesmo tempo, o governador reforçou a importância da continuidade das atividades econômicas que ainda conseguem se manter, mesmo em meio à pandemia. Segundo ele, isso é necessário para que as dificuldades não sejam maiores no momento da recuperação.

“Nós estamos buscando manter, com todos os cuidados do mundo, na conversa com a federação das indústrias capixabas e outras entidades, manter a atividade industrial. Que alivie o ambiente para ter menos trabalhadores, para que não haja aglomeração e a gente consiga manter a atividade industrial funcionando, os serviços essenciais funcionando, para que a gente não jogue a economia lá embaixo, no zero. É importante que algumas atividades permaneçam ativas, porque isso dará mais base para a gente retomar a economia, assim que passar a fase aguda da crise”, explicou.

CRISE DO PETRÓLEO PODE ATRAPALHAR

Sobre o Fundo Soberano, abastecido com royalties do petróleo e que poderiam dar suporte a essa recuperação econômica, o governador fez ressalvas e citou a crise internacional do petróleo. Além disso, destacou a importância de medidas envolvendo o governo federal, que serão mais efetivas no combate à crise econômica.

“Não posso usar o Fundo Soberano, o fundo do petróleo, pois não está capitalizado ainda. E agora o ES enfrenta duas crises: a do coronavírus e a do petróleo, que caiu para 30 dólares o barril. Então, temos uma estimativa de queda de receita muito grande. Mas o governo federal tem instrumentos que podem fazer frente a uma crise econômica, porque lá ele emite título, pode até emitir moeda, pode aumentar o deficit para fazer um enfrentamento a essa crise, que a gente está enfrentando e pode enfrentar daqui a um tempo”, disse.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.