ASSINE

Casagrande fala em colapso se não cortar despesas e renegociar contratos

Governador diz que impacto da crise do coronavírus será conhecido nos próximos dias e afirma que, caso ajuda federal não chegue, Estado pode ter de "atrasar compromissos"

Publicado em 17/04/2020 às 20h30
Atualizado em 18/04/2020 às 10h41
Governador do Estado, Renato Casagrande, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (17)
Governador do Estado, Renato Casagrande, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (17). Crédito: Reprodução

O governador Renato Casagrande afirmou temer que o Espírito Santo entre em colapso fiscal, caso a crise econômica provocada pela pandemia do coronavírus se agrave e perdure por muito tempo. Segundo ele, os gastos extras que a doença tem ensejado têm se somado à queda de receita proveniente do petróleo e da arrecadação dos impostos. O socorro federal, que está em votação no Congresso, poderia minimizar impactos e permitir a manutenção dos compromissos financeiros do Estado, afirma.

As medidas de combate à Covid-19 já custaram aos cofres do Estado quase R$ 100 milhões em algumas semanas. Além disso, o fechamento do comércio e o isolamento social devem se traduzir em uma baixa na arrecadação. Casagrande afirmou, em coletiva na noite desta sexta-feira (17), que saberá nos próximos dias a dimensão desse impacto.

"O impacto da crise sobre nós é muito forte. Eu já disse que terei esse esse balanço depois do dia 20. Teremos uma ideia do mês de abril, da redução de receita para nós. O impacto é grande pela Covid e pelo petróleo", ressaltou.

Renato Casagrande

Governador do Estado

"Só no petróleo vamos perder R$ 1,3 bilhão (royalties e participação especial). Vai haver impacto muito grande com ICMS, IPVA, que já está exigindo tomada de decisões"

Entre as medidas, o governador citou a renegociação de contratos e cortes de despesas correntes. Na última semana, ele chegou a afirmar que não descarta reduzir o salário dos servidores, mas o secretário de Planejamento, Álvaro Duboc, ressaltou que essa seria "uma das últimas opções".

"Vamos renegociar contratos, tomar diversas medidas a partir desse momento para reduzir despesas, sim. É uma decisão importante que estamos tomando para que a gente não entre em colapso com as nossas contas. Não sabemos quanto tempo teremos esse efeito da crise, é uma angústia para nós", salientou o governador. 

AUXÍLIO FEDERAL VAI PERMITIR MANTER COMPROMISSOS

Casagrande também reforçou a importância do auxílio federal para os Estados e municípios, que ainda está em discussão no Congresso, na manutenção dos pagamentos que o Estado precisa cumprir. O texto-base do projeto já foi aprovado na Câmara dos Deputados, mas ainda precisa passar pelo Senado em um momento de forte crise entre o Legislativo e o presidente Jair Bolsonaro.

"Estamos trabalhando para que Congresso vote medidas de ajuda aos Estados e municípios. Se acabar o dinheiro que temos de poupança, vamos acabar tendo que atrasar os nossos compromissos", disse.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.