ASSINE

Vila Velha envia para análise 547 doses de vacina contra a Covid-19

Lote da Coronavac estava em câmara que apresentou falha e será submetido à avaliação de eficácia; resultado vai apontar se imunizante ainda pode ser usado

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 17/02/2021 às 10h34
Atualizado em 17/02/2021 às 17h01
Vacina de Oxford
Prefeitura de Vila Velha afirma que não houve perda de doses, mas somente a análise de eficácia poderá indicar ou não o uso da vacina. Crédito: Carlos Alberto Silva

Correção

17 de Fevereiro de 2021 às 17:00

Uma versão anterior deste texto afirmava erroneamente, no título, que doses de vacina contra a Covid-19 não foram perdidas em Vila Velha, segundo nota da prefeitura. No entanto, somente após a análise de eficácia a que foram submetidas as doses, será possível afirmar se a vacina foi ou não perdida. O  título foi corrigido. 

A Prefeitura de Vila Velha informou que não houve perda de doses da vacina Coronavac, utilizada na campanha de imunização contra a Covid-19. Segundo o órgão, um lote de 547 doses foi encaminhado para análise de eficácia no Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS), no Rio de Janeiro, por conta de uma falha em uma câmara de refrigeração de uma unidade de saúde do município.

A falha que, como explicou o órgão, se tratou de uma oscilação de temperatura, foi observada na câmara de frio da Unidade de Saúde de Vila Batista, na última sexta-feira (12). Segundo a prefeitura, as 547 doses que estavam no local foram separadas e enviadas para a análise de eficácia.

Demandada pela reportagem de A Gazeta, a Prefeitura de Vila Velha afirmou que o descarte das doses, caso seja confirmada a perda de eficácia, é responsabilidade do governo federal e pelo INCQS. 

Este vídeo pode te interessar

O município  garantiu também que não haverá prejuízo na campanha de vacinação e que as unidades serão repostas pelo governo do Estado, mas que isso será feito somento após a conclusão das investigações e caso haja necessidade.

COMPRAS

As vacinas são termolábeis, ou seja, podem alterar sua capacidade de imunização quando expostas a temperaturas inadequadas. As doses recebidas pelo Espírito Santo, produzidas pela Oxford/Astrazeneca e a Coronavac, possuem melhor eficácia se mantidas em temperatura entre 2°C e 8°C, que são compatíveis com geladeiras comuns.

A prefeitura comunicou também que identificou, nesta terça-feira (16), uma ordem de serviço de outubro de 2020 que apontava uma falha na mesma câmera de refrigeração, a qual, segundo o órgão, funcionava na Unidade de Saúde de Ponta da Fruta e foi transferida para Vila Batista. 

Por fim, a prefeitura destacou que abriu um processo de compra de novas câmaras de refrigeração e que geradores foram locados e serão instalados nesta quarta-feira (17) para manter a central de refrigeração em funcionamento 24 horas por dia.

De acordo com o painel de vacinação da Secretaria do Estado de Saúde (Sesa), Vila Velha já recebeu 20.386 doses da vacina. Destas, 6.454 já foram disponibilizadas para a segunda aplicação. Todos os idosos em Instituições de Longa Permanência (ILPI) já foram vacinados. Entre os trabalhadores da Saúde, 84% receberam a primeira dose e 32% receberam a segunda dosagem. No total, o Espírito Santo recebeu 207.420 vacinas contra a Covid-19 do governo federal.

Atualização

17 de Fevereiro de 2021 às 11:28

Após a publicação desta reportagem, a Prefeitura de Vila Velha respondeu aos questionamento sobre o descarte e reposição das doses. As informações foram incluídas e o texto foi atualizado.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.