ASSINE

Mãe e filha morrem vítimas da Covid-19 na Grande Vitória

Dilzete Machado Bitti, de 64 anos, e a mãe dela, Arlete Rangel, de 87 anos, esperaram dias por um leito de UTI; elas chegaram a ser transferidas, mas sofreram com as complicações da doença

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 14/04/2021 às 20h56
Pronto Atendimento de São Pedro, em Vitória
Pronto Atendimento de São Pedro, em Vitória. Crédito: Divulgação/Prefeitura de Vitória

Mãe e filha morreram após dias de luta contra a Covid-19. As duas pacientes deram entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de São Pedro, em Vitória, no dia 2 de abril.

Em nota, a Prefeitura Municipal de Vitória (PMV) informou que no mesmo dia, o PA solicitou ao Estado a transferência das duas.  Dilzete Machado Bitti, de 64 anos, teria esperado por sete dias um leito de UTI. Já a mãe dela, Arlete Rangel, de 87 anos, teria ficado 11 dias no PA aguardando transferência.

A PMV disse ainda que Dilzete chegou a ser transferida para o Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, via Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Já Arlete foi transferida para o Hospital Santa Mônica, em Vila Velha, no dia 12 de abril. A PMV diz que o PA prestou toda assistência médica necessária enquanto mãe e filha aguardavam a liberação de leitos pelo Estado.

A Secretaria de Saúde de Vitória (Semus) ressaltou que, quando há necessidade de transferência de pacientes para hospital, é feito o cadastro na Central de Regulação do Estado e que, por isso, o tempo de transferência para leito tem variação. "Esse tempo de resposta do Estado tem aumentado nos últimos dias. A Semus lamenta os óbitos", finalizou em nota.

O QUE DIZ A SESA

Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) disse, em nota, que lamenta profundamente os falecimentos e que em nenhum momento as pacientes ficaram desassistidas.

"No caso da senhora Dilzete, na primeira solicitação de leito feita pelo Pronto Atendimento, em 2 de abril, o quadro clínico descrito no Sistema de Regulação não apresentava critérios para internação em UTI. Após piora clínica, o Samu fez a transferência da paciente, em 7 de abril, de acordo com a disponibilidade de leito", detalhou.

A Sesa disse ainda que na unidade hospitalar a paciente recebeu toda a assistência necessária, mas infelizmente foi a óbito em 8 de abril.

"Já no caso da senhora Arlete, a paciente foi transferida na última segunda-feira (12) para um leito de UTI do Hospital Santa Mônica, em Vila Velha, de acordo com o seu quadro clínico e disponibilidade de vaga, e na unidade hospitalar a paciente também recebeu toda a assistência que necessitava", afirmou a secretaria.

A Sesa reiterou que é importante frisar que não está sendo utilizado o critério de idade como norteador de leito, mas sim a gravidade clínica dos pacientes que estão sem recurso de assistência. A secretaria afirma que todos os pacientes são transferidos de acordo com a prioridade clínica relatada pelo serviço de saúde.

Em relação a pacientes aguardando disponibilidade de leito hospitalar na Central de Regulação, a Sesa informa que o registro total de pacientes Covid-19 em PAs/UPAs nesta quarta-feira (14), até às 17h, é de: 10 pacientes aguardando disponibilidade de enfermaria, sendo 9 há menos de 24h. Em relação à espera de UTI, a Central de Regulação registra 1 paciente.

A Central de Regulação de Urgência e Emergência do Samu registra um total de 23 chamados para pacientes, que podem ser levados para UPAs, PAs ou hospitais. Nas duas centrais de regulação há, no total, 34 pacientes aguardando a disponibilidade de leitos.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.