ASSINE

Governo decide se ES terá hospital de campanha na próxima semana

Governo analisa a construção de hospital provisório no município de Colatina, e prefeitura já sugeriu espaços públicos que podem receber a estrutura

Publicado em 22/05/2020 às 13h44
Atualizado em 22/05/2020 às 16h57
Prefeito afirmou que a Praça Sol Poente foi sugerida para receber um hospital de campanha
Prefeito afirmou que a Praça Sol Poente foi sugerida para receber um hospital de campanha. Crédito: TV Gazeta Noroeste

Considerado uma alternativa importante para garantir atendimento aos pacientes diagnosticados com o novo coronavírus (Covid-19), a construção de um hospital de campanha em Colatina, região Noroeste do Estado, será decidida na próxima semana pelo governo do Estado. A afirmação foi feita pelo secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, durante entrevista coletiva concedida na manhã desta sexta-feira (22).

Na última quarta-feira (20), o prefeito de Colatina Sérgio Meneguelli (Republicanos) revelou em primeira mão ao jornal A Gazeta que mantém o diálogo com o governo  do Estado sobre o assunto tendo sugerido, inclusive, espaços públicos aptos a receberem a instalação do equipamento público. Dentre os locais,  o prefeito de Colatina apontou a Praça do Sol Poente, o estádio municipal e o ginásio do município.

Nésio Fernandes

Secretário de Estado da Saúde

"Desde o início da pandemia, apontamos que esse recurso poderia ser uma alternativa a partir do momento que não fosse possível expandir a rede própria, expandir a contratualização com os (hospitais) filantrópicos e a compra de leitos da rede privada. Na próxima semana devemos informar a decisão final sobre a construção ou não desse hospital em Colatina"
O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, e o subsecretário estadual de Vigilândia em Saúde, Luiz Carlos Reblin, em coletiva nesta sexta-feira (22)
O secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, e o subsecretário estadual de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, em coletiva nesta sexta-feira (22). Crédito: Divulgação / SESA

Além da discussão acerca do hospital de campanha, Nésio destacou que a população capixaba não registra o índice ideal de isolamento social, que é de 55%. Na quarta (20), último dado divulgado pelo Painel Covid-19, o Estado alcançou a marca de 47,33% de distanciamento social. Na avaliação do secretário, a média capixaba é insuficiente.

“Conclamo que a sociedade se envolva de maneira mais aguerrida e disciplinada nos próximos dias. Nós não queremos perder a vida de mais capixabas. As próximas semanas serão muito intensas como nós temos alertado. Em junho, teremos um mês muito intenso e podemos ter que tomar medidas extremas no Estado”, alertou.

Acompanhado do subsecretário estadual de Saúde, Luiz Carlos Reblin, Nésio informou que o governo estadual está ampliando a oferta de leitos nos hospitais particulares e anunciou o fim das obras no Hospital Estadual Vila Velha. A unidade é considerada um hospital de terceira linha no enfrentamento à Covid-19 e pode servir como ponto de apoio e receber pacientes diagnosticados com a doença, assim que hospitais como Dr. Jayme Santos Neves e o Dório Silva, ambos na Serra, não tiverem mais capacidade.

“Esse hospital passará a ter 127 leitos. Era um hospital de baixa complexidade. Agora, teremos leitos de terapia semi-intensiva que poderão ser transformados em um grande hospital de retaguarda e poderá ser recrutado para a Covid-19 em junho. Nós desenhamos os hospitais de terceira linha que seriam recrutados caso os hospitais de primeira linha tivessem esgotados”, explicou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.