ASSINE

ES teve caso de menina de 10 anos que deu à luz após ser estuprada

Caso envolvendo criança – que é deficiente mental e cadeirante – foi descoberto em março de 2019, em Santa Maria de Jetibá. Delegado responsável pela investigação falou sobre esta triste história e traçou um paralelo com o caso ocorrido em São Mateus

Publicado em 17/08/2020 às 14h53
Atualizado em 19/08/2020 às 11h57
Santa Maria
Em março de 2019, a cidade de Santa Maria de Jetibá registrou um caso de uma criança de 10 anos que foi estuprada e engravidou. Crédito: Divulgação/Idaf

Há mais de uma semana o país acompanha com perplexidade os desdobramentos do repugnante caso de estupro de uma criança de apenas 10 anos, ocorrido na cidade de São Mateus, no Norte do Espírito Santo. Por consequência dos abusos sofridos e praticados por um tio, que está foragido, a menina acabou grávida. O agravante desta triste história é que a menor era abusada desde os seis anos pelo familiar.

O caso por si só já é absurdo, porém o Espírito Santo já foi palco de situações semelhantes. Em março de 2019, na cidade de Santa Maria de Jetibá, na Região Serrana do Estado, o delegado Fabrício Lucindo, que atualmente atua em Linhares, no Norte, passou a investigar um caso de estupro de uma menina também com 10 anos na ocasião, após a polícia ser procurada pelos pais da própria criança, que é deficiente mental e cadeirante.

Os acontecimentos seguintes dessa história, entretanto, são diferentes do caso da menor de São Mateus, que neste domingo (16) realizou um procedimento para abortar o feto, o que ocorreu na manhã desta segunda-feira (17) em um hospital de Recife (PE), já que a equipe médica do Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes (Hucam) se recusou fazer o procedimento alegando que "a idade gestacional não está amparada na legislação vigente".

"Nesta ocorrência de Santa Maria, quando fomos procurados pela família a gestação já estava no sexto mês, então não seria possível interromper a gestação. A menina seguiu em acompanhamento e o parto foi realizado em Vitória, meses depois. A criança nasceu saudável e sem sequelas, porém foi um caso emblemático na cidade, por ter ocorrido dentro da própria família", ressaltou o delegado.

INVESTIGAÇÃO

Após tomar ciência da história, o delegado iniciou a investigação. Após ouvir os envolvidos, Lucindo explicou que a menina havia sido abusada por um parente.

Polícia
O delegado Fabrício Lucindo, atualmente em Linhares, foi o responsável por investigar o caso em Santa Maria de Jetibá. Crédito: Amabily Caliman

Fabrício Lucindo

Delegado responsável pela investigação

"Trata-se de um caso familiar. A investigação foi concluída e o caso entregue ao Ministério Público"

ALERTA

Este caso e o da menina de São mateus têm uma característica em comum: aconteceram no ambiente familiar. Segundo o delegado, este tipo de crime é praticado principalmente por pessoas próximas às crianças, muitas vezes de quem não se suspeita. Por isso é necessário ficar alerta com relação ao comportamento da criança.

"São casos chocantes e que assustam até mesmo nós que somos da área policial. Muitas vezes o perigo está dentro da própria casa. Pais, irmãos, enteados, primos ou pessoas muito próximas são quem mais cometem estes tipos de abusos. Ocorre que por desconhecimento, medo ou até mesmo receio do término do casamento, as mães ou outros familiares não denunciam. Mas é preciso denunciar e principalmente observar se a criança apresenta alguma mudança comportamental repentina, trauma, queixa e outras características de um abuso", explicou.

Fabrício Lucindo permaneceu à frente da delegacia até o mês de novembro do mesmo ano, quando acabou transferido para Linhares. Por fim, o delegado salientou que o acusado, que não teve o nome divulgado para não identificar a vítima, responderá por estupro de vulnerável.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Polícia Civil Santa Maria de Jetibá Abuso em São Mateus espírito santo estupro estupro de vulnerável

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.