ASSINE

ES prevê todas as microrregiões em baixíssimo risco até novembro

Estado já estuda regras para novo cenário, que terá medidas mais flexíveis contra a Covid-19, permitindo eventos maiores, desde que haja uso de máscaras. A Região Serrana deverá ser a primeira a ser classificada em risco baixíssimo

Publicado em 21/10/2021 às 12h39
Festa evento show
Risco baixíssimo, ou cenário azul, tem regras mais suaves para eventos com público. Crédito: Pixabay

Todas as microrregiões podem estar em risco baixíssimo para Covid-19 até novembro. Essa é a expectativa da Secretaria de Estado da Saúde, que informou em coletiva de imprensa realizada na manhã desta quinta-feira (21), que a Região Serrana pode ser a primeira a alcançar a cor azul no mapa de risco, já nos próximos dias.

“Precisamos reconhecer que a ampla maioria da população decidiu optar pela ciência e pela vida. O negacionismo foi praticamente derrotado, pois 95% da população adulta já foi vacinada pelo menos com a primeira dose ou dose única. Estamos entre os Estados com maior adesão à vacina. Reafirmamos a possibilidade concreta de ainda em novembro termos todas as microrregiões classificadas com risco muito baixo. É pouco provável que cheguemos em dezembro com risco baixo ou moderado”, disse o secretário de Saúde, Nésio Fernandes.

Pedra Azul uma das belezas das montanhas capixabas
Região Serrana pode entrar em risco baixíssimo para Covid já nos próximos dias. Crédito: Yuri Barichivich

Segundo o subsecretário de Saúde, Luiz Carlos Reblin, as regras para o cenário azul estão sendo preparadas. “Estamos aqui terminando as regras gerais, que têm tudo a ver com a vacinação. O risco baixíssimo será alcançado nas microrregiões quando a população acima de 18 anos tiver 80% vacinada com duas doses e 90% dos idosos com a dose de reforço”, diz.

Segundo Reblin, o uso da máscara é regra “sine qua non”, ou seja, indispensável, e será mantida até que a Organização Mundial da Saúde (OMS) faça orientação para o contrário. No entanto, o próprio secretário Nésio Fernandes admite a dificuldade no uso da máscara em ambientes de dança ou de consumo de bebida alcoólica. Por isso, será essencial a exigência do passaporte da vacina, reduzindo os riscos de contágio.

“Também é necessário que todas as cidades tenham ao menos um ponto de testagem de livre demanda, a pessoa deve ir ao local e ter acesso independentemente de ter alguma recomendação de serviço de saúde. A gente está avançando e três coisas são fundamentais: máscara, testagem e vacina”, completa Reblin.

300 MIL ESTÃO COM DOSES ATRASADAS

Na coletiva da Secretaria de Estado da Saúde, foi informado ainda que cerca de 300 mil pessoas estão com as vacinas em atraso, isto é, não retornaram para tomar a segunda dose. O número de pessoas que não compareceram aos pontos de vacinação no momento adequado já reduziu, pois chegou a ser de 360 mil.

“Também temos 46 mil pessoas que têm acima de 60 anos que já estão aptas no intervalo que o próprio Ministério da Saúde propôs, de seis meses, e que não foram vacinar. Se esse conjunto de pessoas comparecer, nós vamos elevar de quase 70% de cobertura vacina para acima de 80% de cobertura com a D2. Isso é importante tanto para quem tem menos de 60 anos quanto para quem tem mais de 60 anos para a dose de reforço”, disse Reblin.

Nésio Fernandes e Luiz Carlos Reblin em coletiva de imprensa virtual nesta quinta (21)
Nésio Fernandes e Luiz Carlos Reblin em coletiva de imprensa virtual nesta quinta (21). Crédito: Divulgação/Sesa

Luiz Carlos Reblin

Subsecretário de Saúde do Estado

"Tomar sua vacina é um gesto de proteção não só individual, mas também no sentido coletivo e até de cristianismo, para quem segue qualquer religião. Vacina é a bola da vez."

Segundo Reblin, é importante tomar vacina e pedir para que parentes, amigos, comunidade, colegas de trabalho e pessoas que frequentam a mesma igreja tenham o compromisso de se vacinar. 

Ele lembra que muitas cidades vêm adotando o modelo de livre demanda para vacinação, não sendo necessário fazer o agendamento on-line. Basta procurar o local de vacinação, levar documentos e tomar a dose.

MEDO DE AGULHA

Outra ação importante para reduzir o número de não vacinados é voltada para quem tem a chamada aicmofobia, que é o medo extremo de agulhas. A pessoa quer vacinar, mas não consegue por ter transtornos de ansiedade e fobia de injeção.

Nésio Fernandes

Secretário de Saúde do Es

"Na plataforma Vacina e Confia, será possível autodeclarar medo extremo de agulhas, que impeça de tomar a vacina. Vamos avaliar todas as condições para apoio psicológico para poder garantir as doses a essa população que deseja ser vacinada mas tem um medo da agulha que a impeça. Cada caso será avaliado e pode ser estudada até uso de sedação, se for necessário, para garantir que todos tenham acesso"

A Secretaria fará um censo para que as pessoas com esse tipo de fobia se cadastrem no Vacina e Confia. Ainda não se sabe quantas são, mas, inicialmente, mais de 300 pessoas já foram cadastradas no site. Veja os detalhes aqui.

ESTADO TEM 70% DOS ADOLESCENTES VACINADOS

Para Reblin, a vacina é de fato a arma mais eficiente nesta pandemia. “Mais de 68% da população adulta já tomou a segunda dose, estamos chegando próximo a 70%. Então com a medida de permitir a segunda dose Pfizer, mesmo para quem fez uso da AstraZeneca, nós rapidamente vamos alcançar uma cobertura para público acima de 18 anos muito próxima do desejado”, afirma.

Luiz Carlos Reblin

Subsecretário de Saúde do Estado

"Já temos 70% dos adolescentes que já tomaram a primeira dose, isso mostra resposta desse grupo, que achavam que não iria se preocupar em se imunizar. Precisamos agora, com toda disponibilidade de doses, com as regras que a Secretaria maneja, concluir a segunda dose e a dose de reforço para encaminhar para o cenário azul, que vai nos permitir atividades mais flexíveis por microrregião"

Na coletiva, foi recomendado ainda que a população não subestime sintomas respiratórios e faça testagem nos locais disponibilizados pelos municípios, sem que seja necessário encaminhamento médico. Os locais de testagem serão ampliados nos próximos dias.

Este vídeo pode te interessar

“Estamos discutindo expansão para os campi de Alegre e São Mateus, discutindo a adoção de unidade móvel que vai percorrer locais de Grande Vitória em locais de grande volume de pessoas, entre outras alternativas para que qualquer pessoa possa fazer a testagem”, diz o secretário Nésio.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.