ASSINE

Covid-19: pessoas com deficiência podem ter atendimento prioritário no ES

Se o projeto de lei aprovado na Assembleia Legislativa for sancionado, essa população passará a ser parte do grupo prioritário de atendimento em casos relacionados ao novo coronavírus no Estado

Publicado em 28/04/2020 às 15h36
Atualizado em 29/04/2020 às 18h53
Projeto de lei do governo pode tirar auxílio para pessoa com deficiência do papel
Pessoas com deficiência poderão se tornar grupo prioritário. Crédito: Pixabay

Foi aprovado nesta terça-feira (28) na Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales) o Projeto de Lei que inclui as pessoas com deficiência (PDC) no grupo prioritário de atendimento em casos relacionados ao novo coronavírus no Estado. A matéria, que é de autoria da deputada Raquel Lessa (Pros), foi votada durante sessão por videoconferência.

Todos os  28 deputados presentes no momento da votação foram favoráveis. O presidente da Assembleia se absteve. 

Para a deputada Raquel Lessa, o PL 200/2020 ajusta os protocolos de atendimento às necessidades dessa população. “Temos que levar em consideração que muitas deficiências têm como característica fragilidades no sistema respiratório, por isso, elas são mais vulneráveis nesse contexto da pandemia”, destacou.

Ela justificou o projeto com base na  Lei Brasileira de Inclusão, de 2015, que determina que a pessoa com deficiência tem direito a receber atendimento prioritário, sobretudo com a finalidade de "proteção e socorro". O PL ainda precisa ser sancionado pelo governador e publicado para começar a valer. 

FALTAM ESPECIFICAÇÕES

O advogado especialista em Direito Constitucional Julio Pompeu afirma que o projeto de lei tem base legal, mas é importante que sejam feitas maiores especificações para aplicação na prática. Pompeu explica que o texto da Convenção Internacional Sobre o Direito de Pessoas com Deficiência, que tem valor equivalente às emendas constitucionais, possui um artigo genérico que determina a necessidade de se tomar medidas para assegurar a proteção e a segurança dessas pessoas em situações de risco e emergências humanitárias, o que é uma base legal para tornar o projeto constitucional. É necessário, no entanto, que Estados e municípios proponham leis mais específicas, o que, para o especialista, o texto aprovado não faz.

“O problema é que o projeto de lei é extremamente genérico e deixa mais dúvidas do que soluções. Prioridade em que sentido? Em quais serviços? Em quais situações? Do jeito que está, abre precedente para qualquer interpretação. No caso de atendimento preferencial em hospitais, por exemplo, se a lei inclui dar prioridade para pessoas deficientes, sem considerar gravidade de caso clínico, se torna inconstitucional, porque o direito à vida é de todos”, aponta.

Pompeu não descarta que exista a necessidade de criação de protocolos de atendimentos especiais e outras medidas de atenção focadas nesse público. “Eles sofrem, sim, desvantagens. Para sacar o auxílio emergencial, por exemplo, muitas pessoas precisam ir até os bancos e estão em filas. Ou mesmo para ir ao hospital ser atendido, trabalhar para garantir a comida na mesa. Mas, essas ações precisam ser pontuadas”, defende.

Caso seja sancionado, uma alternativa, segundo o advogado, seria o Poder Executivo, por meio de decreto, especificar as aplicações da legislação. “No decreto pode constar uma nota técnica feita pela Secretaria da Saúde, por exemplo, detalhando as ações”, finalizou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.