ASSINE

Covid-19: indígenas recebem segunda dose de vacina em Aracruz

Segundo a prefeitura, serão vacinados os indígenas das etnias Guarani e Tupiniquim. A primeira indígena vacinada foi Marilza da Silva, de 72 anos

Rede Gazeta
Publicado em 02/03/2021 às 13h19
Indígenas começam a receber a segunda dose da vacina Coronavac, em Aracruz. Crédito: Prefeitura de Aracruz
Indígenas começam a receber a segunda dose da vacina Coronavac, em Aracruz. Crédito: Prefeitura de Aracruz

Os indígenas aldeados começaram a receber a segunda dose da Coronavac, vacina contra a Covid-19, em Aracruz, no Norte do Espírito Santo. Segundo a Prefeitura de Aracruz, serão vacinados os indígenas das etnias Guarani e Tupiniquim, nas 12 aldeias existentes no município. 

A vacinação dos indígenas começou na aldeia Piraque-Açu, em Aracruz, no dia 19 de janeiro. A primeira indígena vacinada foi Marilza da Silva, uma idosa de 72 anos, pertencente à etnia Guarani. Passado pouco mais de um mês, o município inicia a aplicação da segunda dose para completar a imunização do grupo. 

Primeira indígena vacinada no ES
Primeira indígena vacinada no ES. Crédito: Eduardo Dias | TV Gazeta Norte

Aracruz tem cerca de 3.180 indígenas. Todos já foram contemplados com a primeira dose da vacina e 1.752  já receberam a aplicação da segunda. Estão sendo vacinados todos os indígenas acima de 18 anos, com exceção de mulheres grávidas.

Segundo Bernadete Coelho Xavier, secretária de Saúde de Aracruz, a expectativa é vacinar todos os indígenas até o fim da semana: "Provavelmente até o final da semana teremos 100% dos indígenas vacinados. Os funcionários da saúde estão indo nas aldeias, visitando cerca de duas aldeias por dia", contou à reportagem da TV Gazeta Norte.

Os indígenas, assim como os profissionais da saúde, idosos acima de 60 anos e pessoas com deficiência, fazem parte dos grupos prioritários definidos pela Prefeitura de Aracruz, a partir das diretrizes do Plano Nacional de Imunizações (PNI), definido pelo Ministério da Saúde.

Segundo Bernadete, as comunidades indígenas são vulneráveis porque têm um estilo de vida diferente das populações dos núcleos urbanos. "Eles vivem em aldeias mais isoladas da população em geral e, pelos costumes, formato de vivência, ficam mais vulneráveis. É muito perigoso que um indígena contraia o coronavírus, porque ele pode espalhar para a comunidade toda", explica.

CORONAVÍRUS EM ARACRUZ

Até o último boletim, divulgado nesta segunda-feira (1º), Aracruz possuía 10.732 casos de Covid-19 confirmados, 9.885 curados e 138 óbitos. O município está no risco moderado no Mapa de Gestão de Risco do governo do ES, que monitora o avanço da Covid-19 e estabelece medidas para o controle da doença. 

VACINAÇÃO DE OUTROS GRUPOS

A vacinação dos idosos de 80 a 84 anos começou nesta segunda-feira (1º). Já a aplicação das doses nos que estão na faixa de 85 a 89 anos segue sendo realizada em domicílio pelas equipes da Secretaria Municipal de Saúde. Até o momento, o município vacinou 7.349 pessoas, entre profissionais de saúde, indígenas e idosos.

Para receber as doses das vacinas é necessário levar cartão de vacinação e CPF. Os idosos acamados e domiciliados acompanhados pela Estratégia de Saúde da Família receberão as doses em casa.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.