ASSINE

Covid-19: Espírito Santo continua só com Ecoporanga em risco moderado

Todos os outros municípios permaneceram no nível baixo de transmissão do coronavírus. O novo mapa de risco foi divulgado nesta sexta-feira (30) e a classificação valerá entre os dias 2 e 8 de novembro

Publicado em 30/10/2020 às 19h10
Atualizado em 30/10/2020 às 21h34
29º Mapa de Risco traz apenas o município de Ecoporanga como fora do risco baixo para a transmissão do novo coronavírus
29º Mapa de Risco traz apenas o município de Ecoporanga como fora do risco baixo para a transmissão do novo coronavírus. Crédito: Divulgação | Governo do Estado

Divulgado no final da tarde desta sexta-feira (30), o novo mapa de risco do Espírito Santo não traz nenhuma mudança em relação ao anterior: o município de Ecoporanga, no Noroeste do Estado, continua sendo o único classificado como de risco moderado para a transmissão do novo coronavírus. As demais cidades estão todas no risco baixo.

Embora não acarrete mudanças nas regras que estão em vigor para as atividades sociais e econômicas no Estado, a 29ª classificação elaborada pelo governo do Estado começa a valer a partir da próxima segunda-feira (2), no Dia de Finados, e perdura até o domingo seguinte, dia 8 de novembro.

Na chamada Matriz de Convivência, a classificação das cidades capixabas é consequência da combinação de dois eixos: "ameaça" e "vulnerabilidade". Juntos, eles consideram quatro fatores relativos à pandemia da Covid-19 e definem quatro níveis de risco: baixo, moderado, alto e extremo.

  • Eixo ameaça: composto pelo coeficiente de casos ativos nos últimos 28 dias, pela quantidade de testes realizada a cada mil habitantes e pela média móvel de mortes dos últimos 14 dias. Todos são indicadores particulares a cada município.
  • Eixo vulnerabilidade: formado pela taxa de ocupação dos leitos de unidade de terapia intensiva (UTI), considerando o total de vagas ocupadas atualmente diante de todas as disponibilizadas durante o período de maior expansão da rede do Estado.

Comparada com a do mapa anterior, a taxa geral de ocupação dos leitos de UTI apresentou um ligeiro aumento, passando de 39% para 40,4%. Ainda assim, ela está dentro do padrão considerado como adequado pela atual matriz. Somente se ela ultrapassar os 50% é que entraria no nível de alerta, que prevê a possibilidade de municípios em risco alto.

Comparativo mostra como os municípios foram classificados, de acordo com o risco de transmissão do coronavírus
Comparativo mostra como os municípios foram classificados, de acordo com o risco de transmissão do coronavírus. Crédito: Divulgação | Governo do Estado

A última vez em que o mapa de risco do Espírito Santo apresentou cidades pintadas de vermelho foi no início de setembro, com Ibatiba e São Mateus, que ficam nas Regiões Sul e Norte, respectivamente. Já a partir do dia 21 daquele mês, quase todo o Estado passou a ficar sob o tom do verde, que indica o risco baixo de transmissão da Covid-19.

Iniciada em 30 de abril, a estratégia de mapeamento segue orientações do Ministério da Saúde e da equipe de especialistas do Centro de Comando e Controle Covid-19 no Espírito Santo, que é composto por: Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Secretaria de Saúde (Sesa), Instituto Jones dos Santos Neves, Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes).

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.