ASSINE

"Como tive coragem?": atirador chora e pede perdão por matar Milena Gottardi

Em lágrimas, Dionathas Alves fez um desabafo durante seu interrogatório no Tribunal do Júri nesta sexta-feira (27): "Que Deus dê força para a mãe, para o irmão da Milena e para as duas princesinhas"

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 27/08/2021 às 16h03
Caso Milena Gottardi
Dionathas Alves Vieira, executor da médica Milena Gottardi. Crédito: Carlos Alberto Silva/Arte Geraldo Neto

Executor confesso de Milena Gottardi, Dionathas Alves fez um desabafo durante seu interrogatório no Tribunal do Júri nesta sexta-feira (27), quinto dia do julgamento dos seis réus pelo assassinato da médica. Após os questionamentos iniciais do juiz, ele pediu ao magistrado para poder falar e, chorando, fez um desabafo pedindo perdão para a família de Milena.

"Que Deus dê força para a mãe, para o irmão da Milena e para as duas princesinhas", declarou. Com desespero, Dionathas ainda se questionou: "Fico pensando, como tive coragem? Como Hilário (Frasson, ex-marido da vítima) teve coragem?". Acompanhe o júri em tempo real aqui.

"Hoje sei como estão sentindo falta da mãe. Tinha um bom tempo que não via meu filho lá no CDP. Quando pedi a minha mãe para levá-lo falei que estava com saudade, não aguentava ficar longe dele. Quando ele me viu, era branquinho, ficou todo vermelho e começou a chorar, e logo imaginei as filhas da Milena, o que elas estão passando, como estão vivendo, dormindo, peço muito perdão, pelo amor de Deus, não sei como falar", disse chorando. 

Dionathas Alves

Executor confesso de Milena, em depoimento

"Falo para a família que Deus dê força, que toda vez que deito, levanto de madrugada, acordo de manhã para oração, recordo das meninas, de tudo, fico pensando como tive a coragem de cometer este ato, olho e não consigo imaginar como tive esta coragem"

Durante o relato, Dionathas estava desesperado e chorando muito. O juiz, então, pediu para ele tomar água e se acalmar. Após a fala, foi iniciado o interrogatório do réu pelos representantes do Ministério Público Estadual (MPES).

Em entrevista para A Gazeta em setembro de 2019, Dionathas já havia demonstrado arrependimento e pedido perdão por ter matado Milena. Reveja o vídeo:

ENTENDA O CASO

A médica Milena Gottardi, 38 anos, foi baleada no dia 14 de setembro de 2017, quando encerrava um plantão no Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes (Hucam), em Maruípe, Vitória. Ela havia parado no estacionamento para conversar com uma amiga, quando foi atingida na cabeça.

Socorrida em estado gravíssimo, a médica teve a morte cerebral confirmada às 16h50 de 15 de setembro.

Milena Gottardi: do crime ao julgamento dos réus

As investigações da Polícia Civil descartaram, já nos primeiros dias, o que aparentava ser um assalto seguido de morte da médica (latrocínio). Naquele momento as suspeitas já eram de um homicídio, com participação de familiares.

Ao liberar o corpo de Milena no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, o ex-policial civil Hilário Frasson teve a arma e o celular apreendidos pela polícia. Ele não foi ao velório e enterro, que aconteceram em Fundão, onde Milena nasceu.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.