ASSINE

Cientistas do ES criam esterilizador de ar e pulseira anti-Covid

Universidades, institutos de ensino e empresas do ES desenvolvem projetos para combater o vírus e facilitar a adaptação das pessoas ao novo normal

Publicado em 01/08/2020 às 06h00
Atualizado em 01/08/2020 às 06h01
A ciência e a tecnologia capixabas contra a Covid-19
A ciência e a tecnologia capixabas contra a Covid-19. Crédito: Ilustração/Amarildo

Dedicação e respeito à educação aliados a uma boa dose de química, física, matemática, biologia e investimentos pessoal e financeiro. Essa combinação tem sido a principal receita de sucesso ou de perspectivas favoráveis aos pesquisadores e cientistas que trabalham no enfrentamento do novo coronavírus no Espírito Santo.

Afinal, desde a descoberta do SARS-Cov-2, vírus que provoca a Covid-19, a ciência representa uma fonte de esperança. Responsável pelo desenvolvimento de tecnologias em múltiplos setores, é por meio dela que a humanidade espera vencer a guerra contra a doença.

E, no Estado, dezenas de iniciativas demonstram a capacidade técnica de profissionais das mais diversas áreas. Membros de universidades, institutos e empresas privadas concentram esforços em análises e no desenvolvimento de dispositivos que permitam que a sociedade encare o chamado “novo normal”.

Esterilizador de ar, câmara de luz que elimina o vírus, pulseira anti-Covid, estudo do sequenciamento do genoma do SARS-CoV-2, teste sorológico que pode custar R$ 17, pesquisas de compostos para tratar e curar a doença são algumas das propostas criadas em solo capixaba.

UNIÃO DE EMPRESAS

Há ações que foram capitaneadas pelos atores que compõem a Mobilização Capixaba pela Inovação (MCI). Criada em 2018, a MCI reúne esforços de empresas que integram a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), corpo acadêmico estadual e governo do Estado.

O professor doutor da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e coordenador da MCI, Luciano Raizer, explicou que a primeira ação do grupo foi a “Indústria do Bem”, que angariou recursos, materiais ou quantia em dinheiro e destinou para o público necessário, de acordo com as necessidades sociais e carências do sistema público de saúde.

“Ajudamos 10 hospitais com cerca de 50 mil equipamentos de proteção individual (EPIs) e ajudamos cinco mil famílias com alimentos, entre outras coisas. Identificamos que havia dificuldade de acessar EPIs, como máscaras e protetores faciais e, então, unimos esforços da Ufes, cerca de 10 indústrias, Findes, Senai, produzimos 150 mil protetores faciais e doamos ao governo do Estado”, disse.

Máscaras de proteção facial produzidas na Ufes
Máscaras de proteção facial produzidas na Ufes. Crédito: Marcia H. M. Paiva

Para Raizer, o enfrentamento à pandemia representa uma oportunidade de visibilidade e reconhecimento da importância da ciência e da tecnologia desenvolvidas por pesquisadores, professores e pela indústria do Espírito Santo.

Luciano Raizer

Professor da Ufes e coordenador da MCI

"Temos muita coisa boa, só que muitas vezes não são conhecidas. Temos profissionais, pesquisadores e professores de altíssimo nível e enorme reconhecimento, às vezes até internacional, como é o caso da inteligência artificial desenvolvida na Ufes. Mas como a gente não valoriza e não reconhece a importância disso, se esquece dessas coisas e acaba não vibrando com todas as conquistas"

Para a pós-doutora em Epidemiologia e professora da Ufes, Ethel Maciel, o novo normal pode influenciar o surgimento de novas empresas e a oferta de novos serviços no mercado capixaba. Ela cita como exemplo a consultoria no ramo da biossegurança, sendo que as empresas deverão adotar protocolos de distanciamento social de higiene pessoal.

“A produção científica capixaba cresceu muito nos últimos 10 anos. Ela é importante, além das novas descobertas, na aplicação de protocolos que podem movimentar a economia e dar oportunidades para novos talentos, como os jovens que estão se qualificando e que podem estar no mercado usando a ciência para benefício do Estado e da economia”, opinou.

LABORATÓRIO

A partir do registro dos primeiros casos da doença na Grande Vitória, a Ufes iniciou frentes de trabalho. Umas das ações foi a criação do laboratório de manutenção de equipamentos hospitalares. O grupo já fez reparos em dezenas de ventiladores pulmonares, monitores e medidores que são usados no atendimento a pacientes com a Covid-19 em hospitais do Estado.

Alunos e professores de laboratório da Ufes entregaram respiradores
Alunos e professores de laboratório da Ufes entregaram respiradores. Crédito: Ufes | Divulgação

Outra medida foi a ampliação de produção do álcool glicerinado, destinado aos hospitais públicos e comunidades carentes. Para o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Valdemar Lacerda, a pandemia lançou luz à importância da produção acadêmica.

Valdemar Lacerda

Pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da Ufes

"A ciência está mostrando que muitos dos que negavam agora estão entendendo que somente a ciência e a pesquisa vão salvar, vão nos dar possibilidade para que retornemos a um novo normal o quanto antes. Seja pelo desenvolvimento da vacina ou de algum remédio que seja efetivamente ativo contra a Covid-19"

INVENÇÕES

A rotina de chegar em casa e lavar toda a compra do supermercado, limpar as chaves, celular, bolsa e até os sapatos para evitar que o vírus entre no imóvel poderá ser substituída. Pesquisadores do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), do campus Cariacica, estão desenvolvendo uma câmara de esterilização do vírus.

Em vez de água e sabão ou álcool 70%, basta colocar o item no dispositivo de desinfecção por cerca de 10 a 15 minutos e então o produto estaria livre de contaminação por qualquer microrganismo, incluindo o vírus SARS-Cov,2, que provoca a Covid-19. A eliminação ocorreria por meio de radiação ultravioleta.

Câmara de desinfecção desenvolvida pelo Ifes de Cariacica
Protótipo da câmara de desinfecção criada por pesquisadores e alunos do Ifes Cariacica. Crédito: Divulgação/Ifes

O projeto é coordenado pelo professor e doutor em Física, Filipe Leôncio Braga. Ele explicou que ideia inicial é produzir a câmara com três tamanhos diferentes. A proposta venceu um edital de fomento à pesquisa e aguarda a liberação do recurso para ser produzida e testada.

Filipe Leôncio Braga

Professor do Ifes

"Para você desinfectar uma superfície, consome muito produto químico. O uso de radiação ultravioleta entra como uma via alternativa, de modo que você consegue esterilizar uma superfície sólida sem a necessidade de uso de produtos químicos e ainda otimiza seu tempo com outras atividades"

Leôncio explicou que não se trata de um estudo meramente acadêmico. O protótipo deverá ser concluído nos próximos três meses. Segundo ele, se produzido em larga escala, o modelo médio da câmara teria tamanho semelhante a de um forno elétrico ou micro-ondas. O valor no mercado deve girar em torno de R$ 200.

“Uma das cláusulas deste edital que a gente participou determina que a tecnologia aplicada seja completamente reversível para poder ser produzida em larga escala em um pequeno intervalo de tempo e acessível tanto para a comunidade acadêmica quanto para o público em geral. Um dos requisitos é que todos os dispositivos têm que estar presentes no mercado brasileiro”, informou.

Já para garantir o distanciamento social, integrantes do Programa de Educação Tutorial (PET) do curso de Engenharia da Computação da Ufes desenvolveram uma pulseira que emite alertas sonoros e visuais quando a distância mínima entre os portadores do dispositivo não é respeitada.

Pulseira
Pulseira "Anti-Covid" foi desenvolvida por alunos da Ufes. Crédito: Reprodução TV Gazeta

A ferramenta foi proposta pelo professor do Departamento de Informática e tutor do PET, Rodrigo Laiola Guimarães. Em um mês e meio, os alunos André Cunha e Joana Loureiro desenvolveram a pulseira, que deve custar menos de R$ 50, caso seja produzida em escala, de acordo com o professor.

Rodrigo Laiola Guimarães

Professor da Ufes

"A novidade foi usar o sensor wireless como dispositivo, o mesmo que tem dentro do celular. Baseados na potência desse sinal, a gente consegue estimar a distância mínima entre as duas pulseiras. Quando a distância não é respeitada, ela emite um alerta sonoro e visual, evitando a aproximação"

Ainda dentro do campus da Ufes em Goiabeiras, em Vitória, o professor do Departamento de Morfologia da instituição e doutor em Biotecnologia, Jairo Oliveira, é o responsável pelo projeto que pode identificar, de forma mais rápida e precisa, se a pessoa já foi infectada. A proposta está baseada na produção de um teste sorológico que faz a detecção dos anticorpos, tanto o IgG como o IgM.

De acordo com Oliveira, diferente dos testes convencionais, o que muda são as moléculas de reconhecimento. O objetivo do grupo de pesquisadores é tornar o produto mais sensível. A estimativa é de que o resultado do teste fique pronto em até quatro minutos.

“Para que aquela linha vermelha que os usuários observam possa ser visível a olho nu, são necessários cerca de 100 anticorpos do paciente para apresentar uma coloração visível. Há uma necessidade grande de partículas marcadas. Nosso modelo vai demandar menos”, ressaltou.

Com o avanço nas pesquisas, o novo teste sorológico pode significar uma diminuição drástica nos valores dos testes em relação aos que já existem no mercado, encontrados a preços médios entre R$ 150 e R$ 250. O método capixaba está avaliado entre R$ 13 e R$ 17.

“O material coletado do paciente é depositado num substrato de vidro e seco para ser levado no espectrômetro para verificar o ‘espalhamento raman’ de superfície. Após a construção do substrato, com apenas 20 microlitros do soro do paciente, sob a lâmina de vidro, será possível realizar a leitura”, explicou.

A tendência de estabilização da doença no Estado tem permitido a retomada de atividades comerciais e a flexibilização de atividades comerciais. Os escritórios, academias e os serviços considerados essenciais já registram aumento de atividades e de interação social. Nessa perspectiva, uma empresa capixaba criou o reciclador e esterilizador que promete eliminar o coronavírus disperso no ar.

Segundo o gerente de negócios da Intechno, Claudemir Malacarne, a tecnologia foi desenvolvida na Serra. Ele explicou que o equipamento capta o ar, que recebe uma radiação ultravioleta, e devolve ao ambiente. O produto tem capacidade de desinfecção de até 150m³ de ar por hora. O preço de mercado ainda está sendo estruturado pela empresa desenvolvedora.

“É um esterilizador que pode ser instalado em salas comerciais, salas de aula, hospital e ônibus. Ele consegue esterilizar 100% o vírus da Covid-19 e pode ter modelos que funcionam em áreas de 100 até 300m³. Nossos testes já comprovaram que ele não emite radiação nociva ao ser humano e que é eficaz contra o vírus”, garantiu.

Já na corrida em direção ao encontro de um medicamento eficiente contra o coronavírus, o Espírito Santo tem ao menos um grupo de representantes. Professores e alunos estudam potenciais fármacos que podem servir para o desenvolvimento de medicamentos que eliminam o vírus. O estudos já sugerem que a vitamina D, por exemplo, pode ser eficiente.

Coordenado pelo pós-doutor em Glicobiologia e professor do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) Arlan da Silva Gonçalves, o grupo desenvolve um planejamento por modelagem molecular de inibidores do SARS-Cov-2 e tem como alvo molecular a enzima que mantém vivo o vírus responsável pela Covid-19.

“Modelagem molecular são simulações químicas e biológicas no computador. É claro que por trás dessas simulações existem anos de contribuições. Por exemplo: existe uma base matemática muito robusta, muito elaborada, que seria a adição de informações moleculares necessárias para o funcionamento do computador para que os resultados das simulações batessem com os resultados experimentais.”

CONHEÇA AS INVENÇÕES E PROJETOS

  • Pulseira anti-covid: é um dispositivo que possibilita o distanciamento social entre duas ou mais pessoas. Por meio de rede wireless (sem fio), a pulseira emite alertas sonoros e visuais quando o usuário não respeita a distância mínima programada. Se produzida em larga escala, deve custar menos que R$ 50.

  • Câmara de desinfecção: do tamanho semelhante a de um micro-ondas, a câmara pretende eliminar vírus e bactérias presentes nas chaves de casa, celulares, bolsas,  compras do supermercado dentre outros itens. O processo deve durar até 15 minutos. A equipamento de tamanho médio deve custar em torno de R$ 200.

  • Esterilizador de ar UV-C: desenvolvido pela Intechno, o equipamento utiliza tecnologia de lâmpadas UV-C, que são capazes de eliminar vírus e bactérias, inclusive o coronavírus. Segundo o empresário Claudemir Malacarne, o esterilizador é ideal para ambientes fechados. O preço ainda está sendo definido.

  • Teste rápido: o teste sorológico detecta anticorpos do novo coronavírus no organismo de forma mais rápida, prática e barata que os modelos já disponíveis no mercado. A proposta é que o projeto desenvolvido pelo Departamento de Morfologia da Ufes custe em torno de R$ 17.

    Sequenciamento de genoma: coordenado pelo professor da Ufes, Teodiano Bastos, o sequenciamento busca entender a origem e a evolução do SARS-CoV-2. O estudo pode permitir o desenvolvimento de vacinas, remédios e ajudar na prevenção de possíveis novos surtos da Covid-19 e de outras doenças infecciosas.

  • Medicamentos contra Covid-19: O professor do Ifes (Vila Velha) e pós-doutor em Glicobiologia, Arlan da Silva Gonçalves, coordena um estudo que busca identificar potenciais fármacos que podem ser efetivos contra o coronavírus. O trabalho é desenvolvido por meio de modelagem molecular, que são simulações químicas e biológicas no computador.

  • Gerador de ionização negativa: produto desenvolvido pela Jippo, empresa japonesa de tecnologia e inovação, pode ser usado de forma individual em casa ou acoplado a ventiladores e respiradores hospitalares. Segundo o empresário capixaba Tiago Hasselmann, sócio-fundador da Jippo, os íons negativos são capazes de matar vírus, bactérias e germes no organismo humano. O preço pode variar entre R$ 38 a R$ 45 mil.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.