ASSINE

Caso Milena: Hilário se encontrou com garota de programa dois dias após o crime

No sábado seguinte à morte de Milena Gottardi, o ex-marido e ex-policial civil marcou um encontro sexual com uma profissional, apontam as investigações

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 24/08/2021 às 19h42
ata: 21/09/2017 - ES - Vitória - Caso da médica Milena Gottardi Frasson, 38 anos, assassinada no estacionamento do Hospital das Clínicas (HUCAM) - Hilário Antônio Fiorot Frasson, ex marido da médica e policial civil,  foi preso enquanto trabalhava, ele é suspeito da morte da médica - Editoria: Polícia - Foto: Fernando Madeira - NA
Hilário Frasson no dia em que foi preso: interceptação telefônica indica que o ex-policial acessou conteúdo pornográfico pelo celular após o crime. Crédito: Fernando Madeira

As iterceptações telefônicas durante as investigações da morte da médica Milena Gottardi, além de estabelecerem vínculo entre os seis réus acusados do crime, demonstraram uma conduta fria do ex-marido Hilário Frasson, apontado como um dos mandantes do assassinato. Ele acessou pornografia e marcou encontro com uma garota de programa dois dias após a ex-mulher ser baleada. 

Em depoimento na tarde desta terça-feira (24) em julgamento dos acusados, o policial Igor de Oliveira Carneiro, que participou das investigações do caso, fez uma retrospectiva sobre aqueles dias. Acompanhe o júri em tempo real aqui.

O crime aconteceu em 14 de setembro de 2017, uma quinta-feira, e Milena teve a morte declarada no dia seguinte. Igor falou que, no sábado (16), Hilário fez vários acessos a sites pornográficos e se encontrou com uma garota de programa.

"Isso nos surpreendeu e nos passou a ideia de uma falta de sentimento em relação à morte da médica", avaliou.

ENTENDA O CASO

A médica Milena Gottardi, 38 anos, foi baleada no dia 14 de setembro de 2017, quando encerrava um plantão no Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes (Hucam), em Maruípe, Vitória. Ela havia parado no estacionamento para conversar com uma amiga, quando foi atingida na cabeça.

Socorrida em estado gravíssimo, a médica teve a morte cerebral confirmada às 16h50 de 15 de setembro.

Milena Gottardi: do crime ao julgamento dos réus

As investigações da Polícia Civil descartaram, já nos primeiros dias, o que aparentava ser um assalto seguido de morte da médica (latrocínio). Naquele momento as suspeitas já eram de um homicídio, com participação de familiares.

Ao liberar o corpo de Milena no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, Hilário teve a arma e o celular apreendidos pela polícia. Ele não foi ao velório e enterro, que aconteceram em Fundão, onde Milena nasceu.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.