ASSINE

Procuradora-geral de Justiça do ES sobre caso Milena: "Quem ama não mata"

A chefe do MPES, Luciana Andrade, afirmou que o caso de Milena Gottardi deve ser usado como um exemplo do que uma relação tóxica e abusiva pode resultar

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 23/08/2021 às 18h30
Caso Milena Gottardi
Luciana Gomes Ferreira de Andrade, procuradora-geral de Justiça do Ministério Público do Espírito Santo (MPES). Crédito: Roberto Prati

A procuradora-geral de Justiça do Espírito Santo, Luciana Andrade, fez questão de acompanhar o início do julgamento do assassinato da médica Milena Gottardi, que começou na manhã desta segunda-feira (23), no Fórum Criminal de Vitória. Segundo ela, o caso de Milena lembra o de milhares de outras mulheres que sofrem violência doméstica dos companheiros.

Luciana, que é chefe do Ministério Público do Espírito Santo (MPES), alertou que é preciso estar atento para enxergar relações tóxicas e comentou sobre o caso Milena: "Quem ama não mata, quem ama protege".

Andrade acompanhou o primeiro depoimento do julgamento, feito por Aline Fraga, amiga de Milena Gottardi. No Tribunal, a depoente disse que Hilário Frasson, ex-policial civil e ex-marido de Milena, tinha um comportamento obsessivo e abusivo não só com a médica, mas também com as filhas. Ele é acusado pela Promotoria de ser o mandante do crime.

Em entrevista para A Gazeta, a procuradora-geral de Justiça destacou que este é um "caso simbólico", que pode ser um modelo para que as pessoas revejam suas atitudes com seus parceiros.

Luciana Andrade

Procuradora-geral de Justiça do ES

"Ninguém é dono de ninguém. A gente compartilha a vida com alguém, mas precisa respeitar. Quanto mais a gente é opressor, quanto mais a gente é tóxico, mais a gente afasta"

"A gente precisa enxergar essas relações tóxicas, que acabam sendo invisíveis, porque a gente não enxerga, até como uma forma de apoiar Milena. Ela tentou, procurou a Justiça e fez o que estava ao alcance dela para proteger a ela e as filhas. A gente precisa refletir muito, são anos de um modelo equivocado de sociedade e de família que precisamos mudar", apontou Andrade.

Caso Milena Gotttardi: amigos e familiares em frente ao fórum

Caso Milena Gottardi
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória. Vitor Jubini
Caso Milena Gottardi
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória. Vitor Jubini
Caso Milena Gottardi
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória. Vitor Jubini
Caso Milena Gottardi
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória. Vitor Jubini
Caso Milena Gottardi
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória. Vitor Jubini
Caso Milena Gottardi
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória. Vitor Jubini
Caso Milena Gottardi
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória. Vitor Jubini
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória.
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória.
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória.
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória.
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória.
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória.
Amigos e familiares de Milena Gottardi exibem faixas e cartazes em frente ao Fórum Criminal no Centro de Vitória.

A procuradora-geral de Justiça também elogiou o trabalho dos promotores e da acusação, com as provas colhidas para a condenação de Hilário e de outros cinco réus acusados de participarem do crime. Ela rechaçou o apelo feito pela defesa do ex-policial que apontou que o acusado não estava tendo acesso às filhas.

"Se ele não está tendo contato com as filhas, é unicamente pela responsabilidade dele. Se ele não tivesse matado a Milena, a mãe das crianças estaria com as filhas e ele poderia ter contato com as filhas de forma civilizada junto com a ex-mulher. Se hoje ele está no banco dos réus, foi porque ele escolheu matar e não amar. Porque quem ama não mata, quem ama protege. Quem ama é responsável, inclusive pelas próprias filhas", disse Luciana Andrade.

O julgamento do caso Milena Gottardi deve se estender ao longo da semana. Seis pessoas são acusadas de envolvimento no feminicídio, ocorrido no dia 14 de setembro de 2017.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.