ASSINE
Arte mostrando a disposição dos participantes do julgamento
Arte mostrando a disposição dos participantes do julgamento. Crédito: Marcelo Lisboa e Geraldo Neto

Vídeo: onde e como serão julgados os acusados de assassinar Milena

Conheça o Salão do Tribunal do Júri e entenda como será a distribuição no ambiente, onde ficarão o juiz, os promotores, jurados, os réus e os seus advogados. O julgamento acontece nesta segunda-feira (23)

Publicado em 23/08/2021 às 09h18

Seis pessoas vão ser julgadas pelo assassinato da médica Milena Gottardi, morta em 14 de setembro de 2017. O júri popular será realizado a partir desta segunda-feira (23), às 9 horas, no Fórum Criminal José Mathias de Almeida Netto, no Centro de Vitória. Em decorrência do elevado número de réus, mudanças foram feitas na estrutura do  salão do Tribunal do Júri, para acomodar um número maior de pessoas.

No vídeo abaixo você poderá conhecer o espaço e entender como será a distribuição no ambiente, onde ficarão o juiz, os promotores, jurados, os réus e os seus advogados. Confira:

Os trabalhos vão ser conduzidos  pelo juiz Marcos Pereira Sanches, que contará com o apoio da equipe do cartório da 1ª Vara Criminal de Vitória. O Ministério Público do Espírito Santo (MPES) será representado por três promotores: Rodrigo Monteiro, Bruno Noya e  Leonardo Augusto de Andrade Cezar dos Santos. O assistente de acusação, que representa a família da vítima, é o advogado Renan Sales.

Cada réu  estará acompanhado de seus advogados. Leonardo Gagno (Hilário Frasson),  Davi Pascoal Miranda (Esperidião Frasson),  David Marlon Oliveira Passos (Hermenegildo Palauro), Alexandre Lyra Trancoso (Valcir da Silva Dias) e Leonardo da Rocha de Souza (Dionathas Alves Vieira e Bruno Broeto).

TEMPO DE JULGAMENTO

A expectativa é de que o julgamento dure uma semana. O público não terá acesso ao local. Só foi permitida a entrada de duas pessoas da família da vítima e ainda de cada réu. Não serão permitidas fotos ou imagens.

Pela primeira vez, o Tribunal do Júri de Vitória ouvirá duas testemunha por videoconferência. Elas apresentaram problemas de saúde e foram autorizadas a prestar seu depoimento on-line. O recurso já vem sendo utilizado em audiências de instrução, principalmente após a pandemia de Covid-19, e agora será utilizado também no júri popular.

Caso Milena Gottardi
Milena Gottardi no dia de sua formatura. Crédito: Acervo da família

CRIME E JULGAMENTO

Seis pessoas foram apontadas como as responsáveis pelo assassinato da médica, dentre elas o ex-marido da vítima Hilário Frasson, hoje um ex-policial civil. 

A EXPECTATIVA DO ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO

O advogado Renan Sales, que atua como assistente de acusação, representando a família da vítima, assinala não haver dúvidas sobre a participação dos seis réus no crime. “Pelas provas produzidas durante toda a persecução penal, não há dúvidas de que os seis réus são, de fato, os responsáveis pelo feminicídio que vitimou a médica Milena Gottardi”.

Observa ainda que a condenação trará um pouco de alento para família de Milena. “Servirá como medida pedagógica para desestimular outros crimes contra mulher, além de fazer justiça no caso concreto”.

Em relação ao julgamento, diz estar confiante na atuação dos jurados. “O Tribunal Popular do Júri de Vitória, por seus sete jurados, condenará todos, mesmo com todas as tentativas dos réus em levar esse julgamento para outra Comarca”, diz, lembrando que a defesa dos réus tentou transferir o local de julgamento.

MPES: “PROVA ROBUSTA E COERENTE PARA CONDENAÇÃO”

A expectativa do Ministério Público do Espírito Santo (MPES) é de que será feita Justiça no júri popular dos seis acusados pelo assassinato da médica. “A sociedade de Vitória foi muito afetada com a morte de uma pessoa tão boa. Neste julgamento vai ser demonstrado a concretização do mal que foi praticado”, assinala o promotor Leonardo Augusto de Andrade Cezar dos Santos, um dos três que acompanham o caso.

Ele recorda que Milena era pediatra oncologista e que, com ela, morreu a esperança de várias famílias de crianças com câncer por ela tratadas. “É um impacto para além da família da vítima. A maldade que consta nos autos é de desacreditar qualquer pessoa, pelo menosprezo com a vida humana. A prova contra os réus está robusta e coerente para uma condenação e o MPES está confiante”, assinala.

Caso Milena Gottardi
Equipamentos médicos de Milena guardados por sua família. Crédito: Acervo da família

A DEFESA DOS RÉUS

O advogado Rodrigo Bandeira de Mello, que também faz a defesa de Hilário Frasson, disse que provas relevantes vão ser apresentadas ao Tribunal do Júri. “Compreendemos que esta certeza de condenação alegada pela acusação cabe somente a cada um dos jurados, após a averiguação de todos os fatos que serão mostrados durante o júri. Igualmente afirmou o Ministério Público, a defesa irá mostrar provas robustas e altamente relevantes para o caso."

Destacou ainda que Hilario sofre com a separação das filhas. “Hilário, enquanto pai, está sofrendo alienação parental e o maior objetivo da vida dele é restaurar o relacionamento com as filhas. Respeitamos muito a dor da família da Milena e nos solidarizamos muito com ela."

Acrescentou ainda: “Esse fato é uma grande tragédia na vida de todos. Hilário amava e ama a Milena até hoje. As maiores dores na vida dele são a perda da Milena e do relacionamento com as filhas. Vamos aclarar todo o ocorrido no momento oportuno, durante o julgamento e perante o júri popular”, disse Mello.

Leonardo da Rocha de Souza, que faz as defesas de Dionathas e Bruno, relatou que, em relação a Bruno, a expectativa será a sua absolvição. “Será o nosso grande desafio. Ele está muito angustiado e espero provar a sua inocência e que a Justiça seja feita em relação a ele."

Já Dionathas, réu confesso, quer prestar os esclarecimentos. “Espero que ele tenha tranquilidade para esclarecer todos os fatos”, pontuou Rocha.

Alexandre Lyra Trancoso, que realiza a defesa de Valcir, afirmou que ele não participou do crime. “Queremos reverter a situação. Entendemos que ele não atuou como intermediário do crime."

Os advogados Davi Pascoal Miranda e David Marlon Oliveira Passos, que fazem as defesas de Esperidião e Hermenegildo, respectivamente, não foram localizados. Assim que a reportagem conseguir o contato, esta matéria será atualizada com as informações deles.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.