ASSINE

Criptomoedas e internet das coisas trazem oportunidades para o campo

Arthur Igreja, especialista em tecnologia e inovação, afirma que o desafio do agro é acelerar a inclusão de novas tecnologias. Ele foi palestrou na Tecnoagro 2022, evento promovido pela Rede Gazeta, em Linhares

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 10/06/2022 às 14h20
Segundo dia da TecnoAgro, palestra com Arthur Igreja
Segundo dia da TecnoAgro, palestra com Arthur Igreja. Crédito: Fernando Madeira

A pandemia do coronavírus pode ser encarada como um alerta do quanto os temas de inovação e tecnologia estão em alta e são importantes. A afirmação é de Arthur Igreja, especialista em tecnologia e inovação que ministrou a palestra "Os impactos da crise mundial para o agronegócio. Desafios e oportunidades", nesta sexta-feira (10) na Tecnoagro 2022, evento promovido pela Rede Gazeta em Linhares, no Norte do Estado.

Na avaliação dele, o desafio do agronegócio é acelerar a inclusão de novas tecnologias nas práticas diárias.

Ele também destaca o avanço da internet das coisas, que cresce 25% ao ano. "O campo não é mais lugar essencialmente de trabalho árduo e trabalho braçal, estamos vendo a oportunidade dos jovens ficarem no campo. Já temos o uso de criptomoedas para fazer transação de café. O mundo está descobrindo o cooperativismo, o associativismo", ressalta.

Arthur Igreja

Especialista em tecnologia e inovação

"Ficou claro que o maior desafio é estar com a cabeça aberta e adotar a tecnologia. Nosso desafio não é antever o futuro. O desafio é estar em 2022 e usar aquilo que já existe em 2022. Isso depende da nossa cabeça"

Antes de citar que a saída “chama-se tecnologia e inovação”, o palestrante citou eventos que impactaram — e ainda impactam — a economia no mundo e como os cenários negativos foram contornados, seja após intervenções do mercado ou dos governos onde as ocorrências foram registradas.

Entre os exemplos, a pandemia da Covid-19 mostrou como o uso das tecnologias podem ser incorporadas ao cotidiano, as crises da bolsa americana, em 1929, e a crise econômica nos Estados Unidos, em 2008. O último grande evento citado é a guerra entre a Rússia e Ucrânia.

“A guerra nos atingiu diretamente por fertilizante e matriz energética na Europa. A Europa precisando de gás no inverno, precisando de petróleo. O Brasil precisando de fertilizante. O que aconteceu? Commodities em alta e não param de subir. Isso teve impacto em combustível. Cai a produção de petróleo. Estados Unidos e Europa deixam de comprar da Rússia. E aí os custos sobem”, pontua.

Arthur Igreja avalia que um dos fatores positivos em relação à fuga da crise econômica é o fato do Brasil, nos últimos 20 anos, ter sido o país que mais evoluiu no agronegócio. “De 1975 até agora, crescemos em pesquisa, financiamento e tecnologia. Isso tem tudo a ver com o aumento de produtividade, novas técnicas, inovação. Tem a ver com adoção de inovação", elenca.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Agronegócio Espírito Santo Internet Tecnologia criptomoeda Inovação Tecnoagro

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.