ASSINE

Cidade do ES é a capital nacional de produção de ovos de galinha

O município produz mais de 361,3 milhões de dúzias por ano e, novamente, é reconhecido como o maior do país nesse segmento. Entenda como região alcançou esse posto

Publicado em 26/10/2020 às 16h29
Atualizado em 26/10/2020 às 19h45
Produção de ovos caipiras em Santa Maria do Jetibá
Érguene Foesch, 44 anos, tem uma granja em Santa Maria de Jetibá. Crédito: Coopeavi/Divulgação

O município de Santa Maria de Jetibá, na Região Serrana do Espírito Santo, é mais uma vez o maior produtor de ovos do país e não é à toa. Os números envolvendo a atividade são impressionantes. São criadas 16,4 milhões de galinhas e 3,7 milhões de codornas e produzidos, por ano, 361,3 milhões de dúzias de ovos de galinha e 77 milhões de dúzias de ovos de codorna. 

30 OVOS POR SEGUNDO

PRODUÇÃO DE SANTA MARIA DE JETIBÁ

Segundo o subsecretário de Agropecuária do município, Altemar Fardin, o aumento da produção se deve, principalmente, ao fato dos produtores terem expandido as suas criações nos últimos anos. Além disso, a adoção de novas tecnologias, como melhoria da alimentação e do sistema de produção, vem aumentando a produtividade das aves.

De acordo com dados da Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM 2019), do Instituto brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), último disponível, Santa Maria de Jetibá produz sozinha o equivalente a 24,43% da produção nacional de ovos de codorna do país e 7,82% da de ovos de galinha.

Produção de ovos em Santa Maria de Jetibá

Produção de ovos caipiras em Santa Maria do Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá. ovocaipiraladaroca/Instagram
Produção de ovos caipiras em Santa Maria do Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá. ovocaipiraladaroca/Instagram
Produção de ovos caipiras em Santa Maria do Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá. ovocaipiraladaroca/Instagram
Produção de ovos caipiras em Santa Maria do Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá. ovocaipiraladaroca/Instagram
Produção de ovos caipiras em Santa Maria do Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá. ovocaipiraladaroca/Instagram
Produção de ovos caipiras em Santa Maria do Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá. ovocaipiraladaroca/Instagram
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá
Produção de ovos caipiras em Santa Maria de Jetibá

Ainda segundo o IBGE, aproximadamente 2,5 mil propriedades rurais de Santa Maria criam galinhas. Um desses produtores é  Érguene Foesch, 44 anos. A criação de aves para postura é uma atividade que veio de família.

Na década de 1970, na comunidade de São Sebastião de Belém, a quatro quilômetros da sede do município, o pai de Érguene começou a produção com poucos animais. Ao longo do tempo, foi ampliando e, atualmente, a propriedade tem 11 mil aves divididas em quatro galpões. Por semana, recolhe uma média de 4,5 mil dúzias de ovos.

"Eu sozinho trabalho na propriedade. Às vezes, tenho a ajuda dos meus pais também. Eu assumi a produção em 1996 com a ajuda do meu pai. Fazemos parte da Coopeavi há mais de 50 anos e os ovos são comercializados com a marca da cooperativa", conta. 

Jediner Delpupo da Cunha, 37 anos, em meio a galinhas que produzem ovos no sistema caipira. Crédito: ovocaipiraladaroca/Instagram
Jediner Delpupo da Cunha, 37 anos, em meio a galinhas que produzem ovos no sistema caipira. Crédito: ovocaipiraladaroca/Instagram

Outro produtor do município é Jediner Delpupo da Cunha, 37 anos. O sítio dele está localizado em Rio das Pedras. Lá, as galinhas são criadas de uma maneira diferente da tradicional, que é em confinamento. As aves produzem no sistema caipira, ficam soltas em um amplo galpão, até por volta do meio-dia, quando param de botar. Depois desse horário, saem para um quintal onde podem ciscar e tomar sol à vontade.

"Estou na avicultura há quatro anos. Sou formado em Comércio Exterior e minha esposa é nutricionista. Há cinco anos decidimos sair da cidade, morávamos em Vitória, compramos um sítio em Santa Maria e iniciamos a produção", lembra. 

De acordo com ele, a criação que começou com 800 galinhas hoje já tem 7 mil aves, que produzem, em média, 450 dúzias de ovos por dia. "Hoje, tenho três funcionários, mas eu participo de todas as etapas da criação", comenta.

Atualmente, a produção é comercializada em alguns supermercados no Rio de Janeiro e na Grande Vitoria. "No próximo ano, pretendo fazer mais um galpão, chegando a 10 mil aves. Vai depender de como estará a economia", explica.

MUNICÍPIO TEM DUAS ESTÁTUAS DE GALINHA

Santa Maria tem atualmente o maior valor de produção de produtos de origem animal dentre todos os municípios do país: R$ 1,1 bilhão. De acordo com dados do IBGE, desse total, 92,5% foram provenientes da venda de ovos de galinha. O município é ainda o principal produtor de ovos de galinha do Brasil.

A produção de ovos é tão representativa para a economia do município que a cidade tem dois monumentos de galinhas, uma delas de 3,30 metros de altura. A mais nova foi instalada neste ano pela prefeitura e a outra, instalada em 2018 por produtores locais.

Galinha de máscara
Galinha de máscara em Santa Maria de Jetibá, lembrando os cuidados com a Covid-19. Crédito: Prefeitura de Santa Maria de Jetibá

PREÇO DO MILHO E DA SOJA SÃO DESAFIO AO PRODUTOR

O maior desafio atual para os produtores é o preço do milho e da soja, principais alimentos das aves. O problema é ainda maior para os pequenos produtores, que acabam tendo menor margem de negociação com os fornecedores.

O gerente executivo de Aves e Bovinos da Coopeavi, Luis Carlos Brandt, explica que, no caso da soja, as exportações deste ano, no acumulado de 12 meses, foram 31,7% maiores do que no mesmo período do ano passado. Sendo que a maior exportação se concentrou entre os meses de março e agosto. "Automaticamente, se essa soja não fica no país para virar farelo, a situação acaba reduzindo a oferta interna do produto e elevando os preços", comenta.

Já no caso do milho, com a alta do dólar e o aumento da demanda interna pelo grão, também houve uma elevação nos preços. "Esse impacto começa a inviabilizar os criadores de animais. Neste ano, teve saca de milho que chegou a R$ 80. Esses aumentos têm tirado o sono dos produtores de ovos. A safra de verão só vai acontecer no início do ano que vem, o que contribui ainda mais para a manutenção dos altos preços", explica Brandt.

O gerente executivo da cooperativa ainda lembra que, em conjunto com a Associação de Avicultura do Espírito Santo (Aves), foram ofertados cursos on-line para os produtores. Entre os temas estavam a compra de insumos a curto e médio prazo. "Não conseguimos comprar insumos mais baratos ou vender o produto mais caro do que o mercado aceita. Porém, conseguimos informar e dar suporte ao produtor", diz.

SANTA MARIA DE JETIBÁ VAI GANHAR SILOS DE MILHO 

Até o final deste ano, o município de Santa Maria de Jetibá deve ganhar um silo para o armazenamento de quase 500 toneladas de milho. De acordo com o subsecretário de Agropecuária do município, Altemar Fardin, a obra no valor aproximado de R$ 374 mil já está sendo feita e  agora está na fase de drenagem do terreno e montagem.

Ainda de acordo com Fardin, nos próximos anos, a prefeitura ainda vai construir mais um silo e uma fábrica de ração animal para ajudar os produtores. Ao todo, os dois silos armazenarão 1.032 toneladas de milho.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.