ASSINE

Espírito Santo precisa de união em favor de ferrovias

É necessário um movimento político-empresarial que envolva também pessoas de destaque na sociedade civil, para que o embarque nesse trem do desenvolvimento não demore ainda mais

Publicado em 07/10/2021 às 02h02
Ferrovia
Ferrovias são importantes para o desenvolvimento logístico do Estado. Crédito: JPLenio/Pixabay

É hora de o Espírito Santo entrar nos trilhos. A metáfora tem um aspecto óbvio, de que a ampliação do modal ferroviário é essencial para conectar o Estado aos centros produtores do país e, assim, fazer crescer sua economia. Mas a figura de linguagem também traz uma sutileza: a de uma cobrança às lideranças políticas capixabas no sentido de brigar com mais veemência pela modernização da infraestrutura local.

Eis o exemplo da Ferrovia Vitória-Rio (EF 118), cuja primeira etapa consiste no ramal que vai ligar Cariacica e Anchieta. A viabilização da construção surgiu com o investimento cruzado previsto na concessão da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), da Vale. O contrato de renovação da concessão, inclusive, foi assinado em dezembro do ano passado. O projeto desse primeiro trecho, contudo, ainda engatinha para ser incluído no rol dos investimentos obrigatórios, diferentemente do caso da construção da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), entre Goiás e Mato Grosso, cujas obras já foram até inauguradas em setembro pelo presidente Jair Bolsonaro. A previsão era de que a assinatura do contrato de construção do trecho capixaba saísse em setembro, o que não ocorreu.

Isso porque nem se trata da conexão férrea completa até o Rio de Janeiro, mas a primeira parte dela, com meros 72 quilômetros de extensão. A comunicação ferroviária entre os Estados vizinhos não é um capricho: faz parte de uma estratégia de logística que vai beneficiar o país, com a ampliação da malha em uma região com potencial de desenvolvimento portuário. Mais competitividade e produtividade, com diversificação econômica e geração de empregos.

Em outra linha de frente, está a construção do contorno da Serra do Tigre, em Minas Gerais, um projeto capaz de ampliar o escoamento de cargas pelos portos capixabas, sobretudo as do agronegócio, no Corredor Centro-Leste. É aumentar o desempenho da economia brasileira, com o Espírito Santo apto a concorrer com portos de Ilhéus (BA) e Santos (SP). Os investimentos na construção da extensão ferroviária também serão possíveis com a prorrogação do contrato de concessão da FCA, que está para ser firmada.

Este vídeo pode te interessar

Estudo da Fundação Dom Cabral, encomendado pela Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), aponta que o contorno da Serra do Tigre pode gerar um volume de 22 milhões de toneladas de carga por ano em 2035. Atualmente, esse número é de 5 milhões. O setor empresarial capixaba precisa contar com o engajamento do governo estadual e, sobretudo, da bancada em Brasília, para que essa oportunidade não seja perdida.

Nesse meio tempo, o Ministério da Infraestrutura acaba de fechar o Setembro Ferroviário, levado a cabo pela Medida Provisória nº 1.065/2021, o instrumento de outorga que possibilitou requerimentos de entes privados interessados em construir e operar novas ferrovias no país. No Espírito Santo, três planos de ferrovias privadas foram contemplados, com investimentos em torno de R$ 23 bilhões. A viabilização de investimentos privados no setor é mais que bem-vinda, mas os projetos apresentados ainda estão em um nível muito embrionário, sem previsão de sair do papel nos próximos dez anos.

A medida provisória editada pelo governo federal acabou mobilizando o Congresso a tirar da gaveta o marco legal do setor ferroviário, uma proposta apresentada em 2018. Nesta terça-feira (5), o texto foi aprovado pelo Senado e enviado à Câmara. O objetivo é reduzir a participação do poder público com o regime de autorização, no qual é permitido à iniciativa privada construir e comprar ferrovias, além de explorar o transporte em caráter privado. Um modelo diferente da concessão.

No plano das intenções, há projetos ferroviários importantes, bem como ações governamentais e legislativas para propiciar segurança jurídica e atrair investimentos privados, fundamentais no desenvolvimento da infraestrutura. Mas, para quem está interessado em ver o Espírito Santo destravar seus gargalos, o compasso ainda é de espera de resultados concretos, principalmente relacionados ao início das obras da EF 118. Sem uma atuação integrada, na forma de um movimento político-empresarial que envolva também pessoas de destaque na sociedade civil, o embarque nesse trem do desenvolvimento pode demorar ainda mais.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.