ASSINE

Empatia não pode se tornar mais uma vítima da Covid no ES

Estado vem batendo recorde atrás de recorde em casos, mortes e internações. Não há abertura de leito nem medida restritiva que impeça avanço da pandemia se não houver responsabilidade da população

Publicado em 31/03/2021 às 02h00
Praia cheia no primeiro dia de quarentena no Espírito Santo
Praia cheia no primeiro dia de quarentena no Espírito Santo. Crédito: Fernando Madeira

Todos os esforços empreendidos no Espírito Santo no combate ao novo coronavírus, durante mais de um ano, foram justamente para evitar o colapso do sistema de saúde, situação trágica em que os doentes pela Covid-19 morrem na fila, à espera por atendimento adequado. Apesar de todo empenho, infelizmente o caos bate à porta. Com recordes em cima de recordes, superlotação dos leitos e demanda crescente por internações, o Estado prepara-se para adotar a mais soturna das medidas até agora: um protocolo que vai definir a prioridade na concessão de vagas de UTI. Em outras palavras, equipes médicas terão que enfrentar a escolha de Sofia e privilegiar os casos em que há mais chances de sobrevivência.

O cenário é fruto de uma luta inglória, em que o afinco dos gestores públicos e de parte da população em seguir as regras sanitárias colide frontalmente com o negacionismo e a negligência de algumas pessoas que, a esta altura, ainda não compreenderam a gravidade dos fatos. Como resultado, o Espírito Santo enfrenta uma corrida ingrata contra a pandemia. Por mais que se abram leitos, que se estipule quarentena, o vírus está no encalço dos capixabas.

Nos primeiros dois dias desta semana, o Estado bateu quatro recordes. Desde o início da crise, registrou o maior número de mortes computadas em 24h, com 89 óbitos, a maior quantidade de pessoas internadas devido à Covid-19, com 1.531 pacientes, e o pico de indivíduos assistidos em enfermarias, com 713 leitos ocupados, de acordo com os dados de segunda-feira (29). No dia seguinte, bateu ainda a marca de 3.532 novos diagnósticos positivos em apenas um dia, superando a data de 28 de dezembro, quando 3.517 casos foram confirmados.

Esse ritmo galopante, pressentido desde a semana passada, levou o governador Renato Casagrande (PSB) não apenas a prorrogar a quarentena até o domingo de Páscoa, como também endurecer as determinações, suspendendo o transporte público, por exemplo. O plano de enfrentamento inclui ainda a criação de mais 126 leitos, sendo 69 de UTI e 57 de enfermaria, anunciada na terça-feira (30), o que amplia a capacidade do Espírito Santo para 905 leitos de UTIs exclusivos para o tratamento de Covid-19. No entanto, toda a persistência do governo em frear a pandemia será em vão se não houver também a dedicação dos moradores do Estado.

Será preciso mais afinco do que o entregue até aqui. Apesar da dura quarentena, as restrições de circulação não foram suficientes para interromper a transmissão do novo coronavírus, devido à baixa adesão. Os resultados já começaram a ser sentidos, vide os recordes registrados, e ainda se estenderão pelos próximos dias. O Espírito Santo deve viver o pico da terceira onda da Covid-19 durante esta semana e a seguinte, uma vez que a curva de contágios segue em aceleração. A projeção é que também seja registrada a maior média móvel de óbitos de toda a pandemia.

Máscara, distanciamento e álcool gel transformaram-se no mantra do autocuidado, repetido à exaustão desde março de 2020. Infelizmente, os flagras de aglomerações e de pessoas sem o equipamento de proteção mostram que o bordão tem caído em ouvidos moucos. “Cansamos de contar, todo dia, o número de óbitos por uma doença infectocontagiosa que pode ser evitada desde que cada pessoa compreenda o risco de contrair a doença e infectar uma pessoa querida”, lamentou o secretário de Saúde do Estado, Nésio Fernandes, em uma de suas lives diárias para atualizar a situação do Estado.

A vacinação, porta de saída desta pandemia, será intensificada nos meses de abril e maio, com a chegada de mais doses do Ministério da Saúde e adquiridas via negociações de compra direta com os próprios laboratórios. Mas com a circulação de novas cepas, mais velozes e infecciosas, que atingem em cheio os jovens, a palavra de ordem deve ser responsabilidade, condizente com a maior catástrofe sanitária a que o mundo já assistiu. Não há partido, não há ideologia. Não há nem mesmo espaço para opinião. Os que querem o comércio aberto para a economia girar, os que desejam voltar a viajar, os que sonham com mais um carnaval de rua devem seguir à risca as medidas sanitárias. Em primeiro lugar, por respeito à vida, deles e de outros. Em segundo lugar, porque o mundo depende disso para retomar a normalidade. A empatia não pode se tornar mais uma vítima da Covid.

Espírito Santo Renato Casagrande Sistema Único de Saúde (SUS) Governo do ES SESA Coronavírus Coronavírus no ES espírito santo nesio fernandes Pandemia Vacinas contra a Covid-19

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.