ASSINE
Este é um espaço para falar de Política: notícias, opiniões, bastidores, principalmente do que ocorre no Espírito Santo. A colunista ingressou na Rede Gazeta em 2006, atuou na Rádio CBN Vitória/Gazeta Online e migrou para a editoria de Política de A Gazeta em 2012, em que trabalhou como repórter e editora-adjunta

Senado: Casagrande quer apenas um aliado na disputa

Ao menos três pré-candidatos querem a bênção do socialista e mais um pode surgir

Vitória
Publicado em 08/06/2022 às 02h10
Governador Renato Casagrande
Governador Renato Casagrande. Crédito: Helio Filho/Secom

O governador Renato Casagrande (PSB) somente vai dizer se vai disputar ou não a reeleição – ele vai – no início de julho. Mas as movimentações eleitorais começaram muito antes. Continua, por exemplo, a disputa entre quem vai ser o candidato, ou candidata, ao Senado com as bênçãos do socialista.

Ao menos três nomes estão no páreo: a senadora Rose de Freitas (MDB), o deputado federal Da Vitória (PP) e o ex-secretário estadual de Segurança Pública coronel Alexandre Ramalho (Podemos).

E, se o PSDB formalizar o apoio a Casagrande, pode surgir mais um competidor.

Seria possível que mais de um aliado do governador apareça nas urnas em outubro? "Não sei nem se a legislação permite isso", respondeu o socialista à coluna.

Permite, mas depende. De acordo com o advogado eleitoralista Marcelo Nunes, os partidos coligados para eleger um governador têm duas saídas: repetir a coligação em torno de um candidato ao Senado ou lançar candidatos avulsos a esse cargo.

Se a segunda opção for a escolhida, poderiam ser lançados Rose, Da Vitória e Ramalho ao mesmo tempo. E os partidos deles poderiam estar coligados com Casagrande. Mas nas candidaturas ao Senado estariam sozinhos.

Isso impacta o tempo de TV. Se o Podemos lançasse Ramalho sozinho, por exemplo, não teria muito espaço para divulgar o nome dele no rádio e na televisão, além da menor capilaridade na hora de pedir votos nas ruas.

"Não acho isso adequado. O movimento nosso deve ter uma candidatura ao governo e uma candidatura ao Senado, é o mais correto", avaliou Casagrande.

Ou seja, não deve haver a candidatura de um e outro ao Senado, mas de um ou outro.

E quem está na frente nessa corrida?

Como o próprio governador lembrou, Rose de Freitas tem marcado presença nas agendas públicas do governo.

Rose, entre os três aqui citados, foi a que mais pontuou na pesquisa Ipec divulgada no início de maio, com 15% das intenções de voto, tecnicamente empatada, no limite da margem de erro, em primeiro lugar com o ex-senador Magno Malta (PL) e o ex-prefeito de Colatina Sérgio Meneguelli (Republicanos).

Da Vitória alcançou 8% e Ramalho, 6%.

"Não tem uma tendência (sobre quem o governador deve apoiar). A Rose tem me acompanhado nos meus eventos, é uma parceira nossa, importante no governo; Ramalho foi nosso secretário e Josias Da Vitória também colocou a possibilidade do debate", resumiu Casagrande, sem querer desagradar os aliados.

PSDB

Como já mencionado, o PSDB pode se juntar à ampla aliança que o governador pretende consolidar para disputar a reeleição. Os tucanos estão federados com o Cidadania, parceiro de longa data do governador.

O presidente estadual do PSDB, Vandinho Leite, já disse que vai apoiar ao governo quem der espaço para o partido na chapa majoritária, disputando a vaga de vice ou de senador.

Como possíveis postulantes às vagas, ele citou o ex-senador Ricardo Ferraço (PSDB) e o ex-prefeito de Cariacica Juninho (Cidadania). Este, por sua vez, já avisou que o Senado ele não disputa. Aconteça o que acontecer, vai apoiar Rose.

Casagrande avaliou que Ricardo e outro tucano, o ex-presidente da Findes Léo de Castro, são competitivos. "São bons nomes para compor chapa majoritária, até como candidatos ao governo e como candidatos a vice e ao Senado", afirmou o governador à coluna.

PT

Se conseguir atrair o PT para aliança, o governador também terá que lidar com as pretensões dos petistas, que têm postulantes ao Senado. Atualmente, a disputa interna está entre o ex-reitor da Ufes Reinaldo Centoducatte e a ex-secretária de Educação de Cariacica Célia Tavares.

E ainda há o palestrante e escritor Nelson Júnior, do Avante, outro partido que está na base de Casagrande e quer disputar o Senado.

Se do lado casagrandista há indefinição e, por enquanto, divisão quanto à corrida ao Senado, do lado de lá, na oposição, também não há união.

Magno Malta e Meneguelli seguem como nomes do campo conservador. Até chegou-se a especular que Magno poderia rifar Carlos Manato (PL) da disputa pelo governo do estado em troca de o Republicanos retirar o nome de Meneguelli, mas o ex-senador garantiu à coluna que esse plano não é cogitado.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Renato Casagrande Senado Federal Da Vitória Rose de Freitas Eleições 2022 Coronel Alexandre Ramalho Letícia Gonçalves

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.