ASSINE
A coluna trará uma análise do mercado automotivo, com tendências do segmento, panorama, dicas e orientações. Tem como público-alvo o cliente que quer comprar ou trocar de veículo, quer tirar dúvidas sobre fazer a manutenção desses bens e também de leitores que são apaixonados pelo tema, gostam mesmo de ler sobre esse segmento e acompanham de perto cada novidade do mercado automotivo

Ainda vale a pena comprar um carro da Ford?

O fim da fabricação da montadora no Brasil tem gerado muitas dúvidas naqueles que já possuem um carro da marca ou estão pensando em aproveitar o momento para adquirir um

Vitória
Publicado em 24/09/2021 às 01h59
Ford Ka FreeStyle: a montadora encerrou a fabricação de carros no Brasil recentemente.
Ford Ka FreeStyle: a montadora encerrou a fabricação de carros no Brasil recentemente. Crédito: Ford/Divulgação

A decisão da Ford de encerrar a fabricação de carros no Brasil foi uma surpresa para muitos consumidores. Segundo a montadora, a pandemia derrubou as vendas e ampliou os prejuízos que já vinham sendo registrados pela marca com as operações no país. Com essa situação, a marca passará a vender aqui apenas modelos fabricados em outros países focando apenas nos utilitários/SUVs como a Ford Ranger, o Ford Territory e o Ford Bronco, além do Ford Mustang que é um clássico “Muscle Car” superesportivo da marca.

O fim da fabricação no Brasil tem gerado muitas dúvidas naqueles que já possuem um carro da marca ou estão pensando em aproveitar o momento para adquirir um. Dentre as dúvidas, uma das mais comuns é a respeito do risco de maior perda de valor de mercado desses modelos.

De fato, uma depreciação mais acentuada irá ocorrer – como já vem ocorrendo – em um primeiro momento. Afinal, é bom lembrar que, além da saída do país, os modelos disponibilizados hoje também estão saindo de linha, o que também gera desvalorização. Essa depreciação no preço médio é puxada pela própria desconfiança dos consumidores, que, temendo a perda de valor, tentam se desfazer dos modelos da marca ou deixam de comprá-los, o que faz os preços caírem. Nesse contexto, as concessionárias se veem obrigadas a oferecer descontos mais atrativos para desovar seus estoques, fazendo com que o valor caia ainda mais.

Contudo, é importante destacar que, passados dois ou três anos, o impacto causado pelo anúncio do fim da produção nacional tende a ser neutralizado e, consequentemente, os preços também tendem a seguir sua evolução normal. Logo, ter esse contexto de desvalorização e futura estabilização dos valores é algo a ser considerado hoje por aqueles que pensam em adquirir algum veículo da marca.

Vale lembrar também que a Ford não está saindo do Brasil, mas apenas deixando de fabricar carros no país. Ou seja, a marca irá manter sua operação comercial, agora com foco em modelos de maior valor agregado como citado no início dessa coluna.

Diante disso tudo, caberá à montadora norte-americana o esforço para cuidar de sua própria imagem no mercado neste momento para que uma maior rejeição futura não aconteça por parte dos consumidores nacionais.

Por fim, a orientação que posso dar para quem tem um veículo da marca é que não se afobe para sair de seu carro e que, mais do que em qualquer outro momento, cuide das manutenções preventivas de seu veículo, pois além de evitar dores de cabeça com a mecânica do carro, com certeza ajudará numa venda/troca futura visando uma menor depreciação.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
carros Ford Mercado Automotivo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.