ASSINE
A coluna trará uma análise do mercado automotivo, com tendências do segmento, panorama, dicas e orientações. Tem como público-alvo o cliente que quer comprar ou trocar de veículo, quer tirar dúvidas sobre fazer a manutenção desses bens e também de leitores que são apaixonados pelo tema, gostam mesmo de ler sobre esse segmento e acompanham de perto cada novidade do mercado automotivo

Como decidir entre um carro zero km ou seminovo?

A resposta para essa questão não é simples, muito menos um consenso entre os compradores de plantão, mas há vantagens e desvantagens que precisam ser levadas em conta na hora de tomar decisão

Vitória
Publicado em 03/09/2021 às 01h59
Há questões envolvidas na compra de um carro que estão para além do mero aspecto financeiro.
Há questões envolvidas na compra que estão para além do mero aspecto financeiro. Crédito: FaustFoto/Freepik

Muitas pessoas têm dúvidas a respeito da seguinte questão: afinal, comprar um carro novo ou seminovo? Qual vale mais a pena? Obviamente a resposta a essa questão não é simples, muito menos um consenso entre os compradores de plantão. Mas expor as vantagens e desvantagens de cada um deles pode te ajudar na hora de optar por seu próximo veículo.

Primeiramente, há questões envolvidas na compra que estão para além do mero aspecto financeiro. O “cheiro de carro novo”, o status social envolvido e a consciência de ser o primeiro dono são exemplos desses aspectos não-financeiros e, obviamente, muitas vezes não estarão presentes em carros usados ou seminovos. Mas não é só isso: há também aspectos financeiros e práticos – e são neles que vamos focar nesta coluna.

Uma das vantagens mais relevantes no que diz respeito à aquisição de um carro novo está relacionado ao sentimento de segurança. Afinal, se o carro teve qualquer tipo de problema, basta acionar a garantia e pronto. Sem contar, é claro, com a preocupação com o possível histórico de carros usados: não precisamos saber se o antigo dono era cuidadoso ou não, por exemplo, ou se rodava milhares de quilômetros ou não.

Mas nem tudo são flores na aquisição de um carro zero quilômetro, principalmente no que diz respeito ao aspecto financeiro. Veículos novos chegam a perder até 30% de seu valor apenas por saírem da concessionária, segundo o Guia Quatro Rodas. Isso nos revela que o “fetiche pelo novo” tem seu preço e ele costuma ser alto.

Outro ponto financeiro a ser levado em consideração diz respeito exatamente a questão da segurança que mencionamos anteriormente: ainda que os carros novos possuam garantia de fábrica, vale lembrar que existem revisões obrigatórias que devem ser feitas nas concessionárias para que a garantia continue valendo (e essas revisões muitas vezes não são baratas). Por isso, se você preza pela garantia, pesquise antes o valor dessas revisões para não ser surpreendido.

O mais importante na hora de adquirir um carro, seja zero quilômetro, seja usado, é sempre estar ciente de tudo que envolve essa aquisição e o que envolve manter esse bem de consumo. Por isso, estar bem informado é sempre a solução para não ter surpresas nesse quesito.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
automoveis carros Mercado Automotivo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.