ASSINE

Chuva deve ficar ainda mais intensa a partir da tarde desta quinta no ES

Meteorologista do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), Geovanni Dolif, alerta para a possibilidade de grande volume de precipitação na Grande Vitória e em outras regiões do Estado

Publicado em 23/01/2020 às 12h36
Atualizado em 23/01/2020 às 12h42
O tempo deve fechar na tarde desta quinta-feira (23) e provocar chuvas intensas em Vitória. Crédito: Claudia Gregório
O tempo deve fechar na tarde desta quinta-feira (23) e provocar chuvas intensas em Vitória. Crédito: Claudia Gregório

Diversos municípios do Espírito santo registraram chuvas significativas nos últimos dias. A região Sul do Estado, principalmente as cidades de Iconha, Vargem Alta e Alfredo Chaves, ainda tenta se recuperar dos inúmeros estragos provocados pelos temporais recentes e que deixaram cerca de três mil pessoas desalojadas ou desabrigadas.

No último final de semana, institutos meteorológicos alertaram para a probabilidade elevada de chuvas ao longo desta semana em praticamente todo o Estado, o que de fato ocorreu. A situação mais crítica estava prevista para o período entre quarta-feira (22) e sexta-feira (24). Em entrevista à Rádio CBN Vitória, o pesquisador e meteorologista do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), Geovanni Dolif, confirmou essa previsão.

"De hoje (quinta) para amanhã (sexta) tem previsão de chuvas mais significativas, com riscos delas se intensificarem, especialmente na capital Vitória e na Região Metropolitana. Ela deve ocorrer mais à noite e na madrugada, porém pode começar já no fim da tarde. A probabilidade é elevada para chuvas intensas. Também deve chover no Sul do Estado, já também bastante afetado", salientou.

FIM DE SEMANA

É bom também não esperar por sol no final de semana no Estado. De acordo com os mapas climáticos do Cemaden, as chuvas deverão permanecer no sábado (25) e domingo (26).

"Ela continua no final de semana. Essas instabilidades estão sendo causadas por uma grande onda atmosférica que afeta boa parte do Sudeste e se estende pelo oceano, onde já existe a formação de um ciclone subtropical. Este é menos comum por ser mais quente e despejar grande volume de água. Para nossa sorte, essa chuva deve ocorrer no oceano", salientou Dolif.

O meteorologista explicou que o grande volume de chuva que atinge o Espírito Santo se explica pelo fato de o Estado estar dentro da faixa de extensão da Zona de Convergência do Atlântico Sul. O ciclone, contudo, tem interferência no momento climático que o ES atravessa.

"Ele (ciclone) reflete no continente, pois ajuda na formação do que chamamos de zona de convergência do Atlântico Sul. Em uma analogia simples, é como se a região fosse uma toalha de banho bem encharcada estendida desde a Amazônia até o Oceano Atlântico. Isso seria a nossa atmosfera durante o verão, que é bastante úmida. Quando ocorre a zona de convergência, é como se essa toalha fosse torcida, despejando grande quantidade de água. É esse processo que está em curso na região e deve seguir no final de semana", disse.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.