ASSINE

'Pais de plantas': a relação com o verde e os efeitos na rotina diária

Moradores que dividem o lar com uma imensidão de plantas contam como a natureza dentro de casa pode aumentar a sensação de bem-estar e aconchego

Junior Poubel e Alex Arruda tem várias plantas no apartamento em Vitória
Os fotógrafos Junior Poubel e Alex Arruda possuem mais de 80 vasos de plantas no apartamento de 98 metros quadrados. Crédito: Alex Arruda

Os fotógrafos Alex Arruda e Junior Poubel moram num apartamento de 98 metros quadrados em Vitória. E, na última vez que contaram, tinham 80 vasos de plantas. A conta já deve estar defasada já que são verdadeiros apaixonados por elas. Quem visita o local fica encantado com a parede verde - recém-pintada - e a verdadeira selva urbana.

A variedade é enorme. Orquídeas, cactos, filodendros, begônias, marantas, calatheas, zamioculcas, samambaias e aglaonemas são apenas algumas das espécies. "Também temos alguns tipos de árvores, como as ficus, dentro do apartamento", diz Alex. Ele conta que sempre tiveram plantinhas em casa, pois gostam da sensação de aconchego e paz que elas passam. "É uma forma de sempre termos um pedacinho da natureza por perto". 

O casal faz parte de um enorme grupo de pessoas que passou a cuidar de plantas dentro de casa nos últimos anos e são chamados de plant parents (ou pais de planta). "São como filhas, temos um carinho por elas. Temos uma planta que veio de muda que a avó do Alex fez para a mãe dele e ela fez para nós. Não tem como não ter um carinho por isso", conta Junior. O movimento, que envolve majoritariamente pessoas entre 25 e 35 anos, é um sucesso nas redes sociais - a hashtag #urbanjungle conta com mais de 4,8 milhões de posts no Instagram, e a #plantlife tem 3,5 milhões. 

Junior Poubel

Fotógrafo

"São como filhas, temos um carinho por elas. Temos uma planta que veio de uma muda que a avó do Alex fez para a mãe dele. E ela fez para nós. Não tem como não ter um carinho por isso"

O interesse pelo assunto aumentou com o passar dos anos. Eles leem e gostam de estudar sobre o meio ambiente e o solo. "Realmente nos interessamos muito, principalmente porque estamos com um projeto de consultoria para ajudar as pessoas que querem ter plantas em casa", conta Alex. O perfil no Instagram (@apdoaep) também é um sucesso quando o papo é a onda verde. Tanto que, durante a pandemia do coronavírus, eles passaram a mostrar mais a rotina sobre as espécies e como fazem para deixá-las saudáveis e harmonizando com a decoração. "Começamos a mostrar mais o quê e como fazemos, e muitas pessoas foram se interessando sobre o assunto. É um tema que se identificam", conta Alex.

Eles estão começando a ter plantas mais difíceis de achar no mercado. "Algumas com variegação - que são manchas nas folhas causadas por uma anormalidade genética, e isso faz com que algumas plantas sejam mais raras e valorizadas - com a costela-de-adão variegata. A lista de desejos é grande e só aumenta", conta rindo.

50 PLANTAS

Quem é rodeado de verde garante: elas são capazes de trazer paz, tranquilidade, saúde mental, aconchego e equilíbrio. "Além de deixar os ambientes mais bonitos e aconchegantes, as plantas mudam completamente o astral e a energia da casa, trazem para o espaço conexão com a natureza, além dos benefícios psicológicos. Lidar com as verdinhas, como gosto de chamar, é uma verdadeira 'terrapia'", brinca o jardinista Ramon Cossuol.

Ele explica que são os próprios moradores que  decidem sobre os cuidados. "E isso começa na escolha das espécies, é importante optar pelas que se encaixem na rotina da casa. No meu apartamento tenho mais de 200 plantas e gasto cerca de 30 minutos, duas vezes por semana, cuidando delas. E elas cuidam de mim", diz Ramon.

A arquiteta Silvia Lorenzoni tem várias plantas no apartamento
Silvia Lorenzoni começou com uma muda de espada-de-são-jorge, uma herança do avô. Hoje, ela tem mais de 50 plantas no apartamento. Crédito: Divulgação/ Silvia Lorenzoni

A arquiteta Silvia Lorenzoni, 39 anos, também se rendeu à onda verde. E a decisão já tem 8 anos. "O motivo inicial foi trazer cor para dentro de casa, como um adorno. Comecei cuidando de uma espadada-de-são-jorge, uma herança do apartamento do meu avô, onde morei e ela passou por gerações. Animei e pedi mudinhas de tempero para minha mãe, que comecei a cultivar na janela. Em pouco tempo minha casa estava tomada de plantas e fui pegando gosto por cultivar", conta. 

O apartamento de 100 metros quadrados, em Vila Velha, tem uma variedade de temperos (cebolinhas, sálvia, hortelã, erva-doce), frutíferas (amora, limão, acerola, pitanga), comestíveis (batata-doce, alface), e as ornamentais, como bambu da sorte, zamioculca, jiboia e bromélia. "E gosto muito das  plantas comestíveis não convencionais (Pancs), como a ora-pro-nóbis e a beldroega", diz.

Silvia Lorenzoni

Arquiteta

"São como filhas e cada uma tem um 'temperamento' e uma história. Muitas chegaram como presentes de amigas e cuidar me faz lembrar de bons momentos e pessoas muito queridas"

Silvia tem uma rotina para cuidar das 50 plantas de sua casa. "Tem a rega, a adubação e o cuidado com as pragas que aparecem. Gasto, em média, meia hora diariamente com os cuidados básicos. E nos finais de semana dou mais atenção uma a uma", conta. Ela também considera as diversas espécies como filhas. Diz que cada uma tem um 'temperamento' e uma história. "Muitas chegaram como presentes de amigas e cuidar me faz lembrar de bons momentos e pessoas muito queridas".

O exemplo ela traz da infância. Crescida no interior, Silvia tem na memória a lembrança da horta dos pais e de sempre comer verduras e frutas colhidas na hora. "Mas não era uma paixão, pois não gostava de cuidar delas, era uma obrigação molhar as plantas. Esse sentimento se transformou quando mudei para minha casa e consegui manter vivo meu primeiro hortelã-pimenta". Nunca mais parou. E o aprendizado foi aprofundado através de pesquisa, intuição e observação. Hoje gosta de acompanhar alguns perfis nas redes sociais para ver dicas e conhecer novas espécies. 

Para ela, as plantas trazem o sentimento de estar realmente em casa, no sentido de lar e afeto. "Elas me aproximam da natureza, ajudam a entender e respeitar o tempo das coisas, com seus ciclos, texturas e perfumes. E também me acalmam. Acho tão maravilhosa essa força que virei uma colecionadora de sementes. Onde vejo uma planta que gosto logo procuro a semente para poder plantar. Virou um hobby, tenho que andar com pacotinho na bolsa para catar", conta. 

HÁBITO ADQUIRIDO DURANTE A QUARENTENA

A estudante Fernanda Mendes Colombeki, 20 anos, mora num apartamento em Santa Teresa. E o que chama atenção na decoração são os 102 vasos de plantas espalhados pelo local. "Durante a quarentena o hábito de cultivar plantas se tornou mais intenso. Acredito que o tempo em casa estimulou essa vontade de estar mais próxima da natureza".

Fernanda Mendes Colombeki

Estudante

"Me considero uma mãe de plantas. Mesmo na correria diária tento tirar um tempinho para estar com elas e verificar se está tudo bem"

Ela adotou o cultivo de plantas como tarefa diária. "A rega acontece pela manhã. Verifico a umidade da terra e estou sempre atenta a sinais de muita ou pouca rega, quantidade de luz e quando necessário até troco o substrato. É importante também fertilizá-las a cada 15 dias".

O fenômeno chama-se urban jungle (floresta urbana), e consiste em encher a casa ou apartamento com plantas de todos os tipos, compensando a falta do verde nas cidades. No espaço de 100 metros quadrados tem marantas, pilea, begônia, samambaias, zamioculca, peperômias, cactos, suculentas, ráfis, filodendros, pacová, jiboia, entre outras. "Me considero uma mãe de plantas. Mesmo na correria diária tento tirar um tempinho para estar com elas e verificar se está tudo bem", conta a jovem que em breve terá uma costela-de-adão em casa.

5  DICAS PRÁTICAS PARA TER PLANTAS DENTRO DE CASA 

  1. 01

    Pesquisa.

    É preciso pesquisar sobre os cuidados com a planta que você tem interesse antes de comprar.

  2. 02

    Consciência.

    Decidiu ter uma planta em casa? É preciso ter consciência das condições de que ela necessita para viver saudável.

  3. 03

    Luz natural.

    As plantas necessitam de muita luz natural, lembre-se que elas não podem ficar em ambientes escuros.

  4. 04

    Local confiável.

    Adquira plantas de locais confiáveis e livre de pragas e doenças.

  5. 05

    Alimentos.

    As plantas produzem seu próprio alimento através da fotossíntese, mas precisam de nutrientes que elas retiram do solo e são essenciais para crescer e viver saudáveis. Adubar as verdinhas é muito importante.

Fonte: Ramon Cossuol

decoracao Comportamento

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.