ASSINE

Pancs: as plantas comestíveis que ganham cada vez mais espaço no mercado

Algumas plantas existentes em canteiros de ruas, em praças e até quintais são saborosas e têm um enorme potencial nutritivo, mas precisam ser identificadas corretamente

Publicado em 27/08/2020 às 18h16
Atualizado em 27/08/2020 às 18h48
Pancs - plantas alimentícias não convencionais
Pancs são saborosas e têm enorme potencial nutritivo. Crédito: Fernando Madeira

Você já ouviu falar nas pancs? São as plantas alimentícias não convencionais, que podem ser folhas, verduras, frutos e raízes, muitas com enorme potencial nutritivo e saborosas. São inúmeras as espécies e a maioria é desconhecida por boa parte da população. Por outro lado, já chegam à mesa do brasileiro em iguarias como empanada de ortiga e pasta de buriti. 

"O termo panc foi criado pelo biólogo e professor Valdely Ferreira Kinupp e refere-se a todas as plantas não convencionais que possuem partes comestíveis, sendo elas espontâneas ou cultivadas, nativas ou exóticas. As pancs constituem um grupo de plantas pouco exploradas no mundo moderno. São encontradas facilmente, pois crescem sozinhas em quintais, terrenos baldios, beiras de calçada, sendo consideradas plantas ruderais", explica Marcio Fronza, pós-doutor em ciências farmacêuticas.

Apesar de as pancs estarem em canteiros das ruas, nas praças e até nos nossos quintais, é preciso cuidado. O pesquisador conta que a identificação correta de qualquer planta, alimentícia ou medicinal, é fundamental, pois existem muitas que são semelhantes visualmente porém não são iguais (espécies diferentes), e sua composição pode ser completamente diversa.

 ora-pro-nóbis
Ora-pro-nóbis. Crédito: wikimedia.org

Algumas, inclusive, podem ser tóxicas. "Existem livros com fotos ilustrativas e até mesmo aplicativos de celular que auxiliam na identificação. Entretanto, recomenda-se sempre, antes de consumir, consultar pessoas que já fazem o uso ou consomem determinada planta; ver fotos de diferentes fontes para comparar. Converse com outras pessoas. O conhecimento popular é muito valioso. Finalmente, se possível, solicite a ajuda a algum profissional capacitado para a correta identificação da planta", indica Marcio, que é coordenador de pesquisa da Universidade Vila Velha (UVV).

VALOR NUTRICIONAL

São diversas as variedades de pancs e cada região do país tem suas espécies mais populares. As mais conhecidas são ora-pro-nóbis, chicória-do-campo, taioba, azedinha, peixinho, dente-de-leão, hibisco e serralha.

A nutricionista Fernanda Pignaton diz que várias espécies podem servir de alimento e inclusive apresentar grande valor nutricional. "As folhas da azedinha, por exemplo, têm sabor ácido e podem ser usadas em saladas e sucos. Já a ora-pro-nóbis se destaca por ser rica em proteínas e fibras, tendo as folhas e os frutos comestíveis. É utilizada em recheios e como corante", explica.

Assim como todos os vegetais que conhecemos, cada panc apresenta uma forma diferente de preparo. "Muitas plantas podem ser consumidas in natura, utilizadas na forma de suco ou em saladas. Outras podem ser ingeridas cozidas ou refogadas, e existem ainda aquelas que obrigatoriamente devem passar por cozimento. Não consuma plantas que você não tenha conhecimento sobre a origem ou a identificação, pois muitas podem ser tóxicas", ressalta Fernanda.

Fernanda Pignaton

Nutricionista

"Muitas plantas podem ser consumidas in natura, utilizadas na forma de suco ou em saladas. Outras podem ser ingeridas cozidas ou refogadas, e existem aquelas que devem passar por cozimento"

A nutricionista Iessa Comério afirma que essas plantas são classificadas assim porque estão fora da cadeia produtiva. "Nutricionalmente falando, as mais comuns são taioba, pequi, ora-pro-nóbis, baru, fruta-pão, mangaba, entre outras. Elas têm alto potencial nutricional, mas também contêm antinutrientes, que devem ser inativados em sua preparação para que não atrapalhem a absorção de outros nutrientes. Precisamos de mais estudos científicos para falar dos cuidados necessários para fazer o uso diário".

Marcio Fronza explica que a mudança do nosso padrão de vida fez com que privilegiássemos o que pode ser comprado, em vez de valorizar as pancs. "De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, no decorrer de milênios, os seres humanos basearam sua alimentação em mais de dez mil diferentes espécies vegetais. Entretanto, existem menos de 150 espécies sendo cultivadas. Dessas, apenas 12 atendem 80% de todas as nossas necessidades alimentares. E mais: apenas quatro delas – arroz, trigo, milho e batata – suprem mais da metade das nossas necessidades energéticas". 

ALGUNS EXEMPLOS DE PANCS:

  1. 01

    Azedinha

    Suas folhas apresentam sabor ácido e podem ser usadas em saladas e sucos.

  2. 02

    Ora-pro-nóbis

    Destaca-se por ser rica em proteínas e fibras. Utilizada em recheios e como corante. Folhas e frutos são comestíveis.

  3. 03

    Taioba

    As folhas, os talos e a batata podem ser consumidos, entretanto, devem ser branqueados ou cozidos. Esse vegetal não deve ser comido cru.

  4. 04

    Capuchinha

    Podem ser consumidas as folhas, as flores e as sementes dessa planta. Ela tem sabor picante e costuma ser preparada em molhos, patês, pães e saladas, por exemplo.

  5. 05

    Beldroegão

    Suas folhas podem ser usadas in natura ou refogadas. As sementes também são comestíveis.

  6. 06

    Caruru

    Apresenta sabor semelhante ao espinafre e, para ser consumida, deve ser branqueada. É usada como acompanhamento de carnes ou preparada com feijão.

  7. 07

    Capiçoba

    Pode ser usada crua, em saladas, e refogada, ou ainda como tempero. Tem sabor picante.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.