ASSINE

Supermercados proibidos de vender eletros e roupas: leitores opinam

Decreto publicado no útimo sábado (20) ampliou as restrições aos estabelecimentos, que ficam vetados de comercializar produtos não essenciais

Publicado em 22/03/2021 às 11h23
Vestuário está entre itens com venda proibida no ES  durante a quarentena
Vestuário está entre itens com venda proibida no ES durante a quarentena. Crédito: Freepik

No último sábado (20), um novo decreto do governo do Espirito Santo ampliou as restrições aos estabelecimentos que têm seu funcionamento liberado durante a quarentena. Com a mudança, a venda de roupas, calçados, itens de decoração, ferramentas e eletroeletrônicos, entre outros produtos, está proibida nas lojas do comércio essencial.  

A lista dos itens, vedados por não serem essenciais, deverão ser isolados nas prateleiras de estabelecimentos ligados à atividade agropecuária, farmácias, comércio atacadista, hipermercados, supermercados, minimercados, hortifrútis, padarias e lojas de produtos alimentícios.

A mudança surpreendeu os lojistas. "É uma medida altamente punitiva aos empresários, que estão protegidos pela lei com relação ao estabelecimentos essenciais e que agora estão sendo proibidos de vender um produto que já está nas prateleiras", afirmou José Lino Sepulcri, presidente, da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES).

Entre os leitores de A Gazeta,  a ampliação das restrições não foi consenso. Confira alguns comentários postados em nossas redes sociais:

Está certo, sim! A ida ao supermercado é para compra de itens essenciais, não é para passear, ficar escolhendo produtos, demorando mais tempo dentro do estabelecimento. Vamos ter muito tempo pra isso. Agora a prioridade é somente alimentos e higiene. Deixem de politicagem! Se continuarmos assim, irresponsáveis, vai ter que proibir tudo! (Sonia Maria Almeida de Abreu)

O governador está correto. Além de reduzir o número de pessoas circulando, ele também não possibilita a concorrência desleal com lojas de eletrônicos que estão impedidas de abrir. Sem contar que tem muito empresário mau caráter que começou a vender arroz e feijão para que suas lojas fossem consideradas essenciais. (David A. Monteiro)

Sou totalmente contrário a essa medida, que retira o meu direito de escolher o que comprar e quando eu precisar. (Anderson Cleyton Fernandes)

É, meu amigo, mas esse direito nos foi tirado pela doença e não pelo governador. Prefiro ficar 15 dias sem esse direito do que 15 dia na UTI sem saber se vou voltar pra casa… (Cristian Janke)

É o cúmulo do absurdo. As lojas, o comércio, quando tem dois clientes tem muito, não pode entrar sem máscaras. Eles estão fazendo o possível para sobreviver. Aí o pessoal das saídas à noite, das baladas, se aglomeram sem máscara e o que fecha é o comércio? Falta raciocínio lógico. (Denilda Pandolfi Basso)

Na Itália foi feito isso, compras somente alimentação, medicamentos, produtos de higiene e limpeza. (Monica Mollik)

Na minha opinião, as pessoas não deveriam parar de trabalhar, pois quem tem recurso, mesmo sem trabalhar, tem como sobreviver. E quem não tem, quem paga aluguel? Acho que sim deveria proibir aglomeração em festa, praia… (Celia Borlini)

Entendo a maioria apoiando o comércio, mas para bens essenciais. Eletro e roupa, pode ficar sem comprar por um período. É justamente para evitar que as pessoas saiam para comprar. Aqui em Portugal estávamos com 10 mil casos diários, abaixou para 500 casos depois dessas mesmas medidas. A diferença que o povo respeita. (Elias Silva)

Isso é bobeira, já que está aberto, ser proibido vender algum item. (Marlete Correia)

Não sabia que esses itens dentro do supermercado seriam uma forma de contaminação da Covid-19. Então, impedir a venda não impede o trânsito das pessoas dentro do supermercado. Por que que não fecha o supermercado de vez também, porque daqui a pouco vão impedir a venda de outro item… (Lorena Pereira)

Só por 2 semanas. Qual o problema? Acho certo, já que as lojas de rua e shopping não podem abrir. Ficaria uma concorrência desleal. (Helena Louzada Martins)

Como não tem shopping e lojas abertas, o povo vai para supermercados aglomerar e passear. Supermercado nesse período é só o essencial. Como o povo não respeita o isolamento, o governo precisa tomar medidas mais drásticas, e com isso todos pagam a conta. (Irinete Vidal)

Quer dizer que se um liquidificador queimar de uma mãe que tem crianças e precisa fazer vitamina, por exemplo, não é essencial? (Larissa Pires)

Aqui em Portugal, se o liquidificador queimar a mãe vai fazer papinha à mão, se a máquina de lavar queimar, vai fazer como antigamente e lavar à mão. Agora já estão começando a liberar, mas ainda não tem muita coisa à venda. (Noeme Souza)

Essas pessoas que apoiam o “fiquem em casa” estão com a situação equilibrada ou são funcionários públicos, pois aqueles que dependem do comércio estão lascados. (Elton Storck)

Acho sem lógica. Se querem proteger a população, deveriam colocar mais ônibus. O povo que precisa sair pra trabalhar vai tumultuado, não temos a opção de pegar um vazio, porque demora tanto que, quando vem, está lotado de novo.Penso que a maior fonte de contágio é nos ônibus. (Neuza Engelhardt)

Acho justo, já que as lojas de eletrodomésticos não estão abrindo.Os supermercados já estão ganhando muito vendendo comida. (Joece Catia Oliveira Arantes)

Estamos perdendo até o direito de consumo, onde vamos parar? (Thaise Ribeiro)

O problema não está nos produtos e sim na aglomeração! Mas não mudou nada no atendimento, os supermercados estão lotados… (Fabricio Souza)

Eu entendi o decreto: não é justo as lojas de departamentos ficarem fechadas, e os supermercados venderem os mesmos produtos, que para elas estão proibidos. Posso estar errada, mas é o que penso. (Angela Cassilhas)

Espírito Santo Coronavírus Coronavírus no ES espírito santo opinião Comércio Fecomércio

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.