ASSINE

Leitores apontam negligência em possível perda de vacinas em Rio Bananal

Segundo a Polícia, criança é suspeita de desligar a energia elétrica de Unidade de Saúde, o que pode ter afetado imunizantes. Internautas reclamam de ausência de gerador e de vigilante no local

Publicado em 19/02/2021 às 12h24
Situação aconteceu em unidade de saúde de Rio Bananal
Situação aconteceu em unidade de saúde de Rio Bananal . Crédito: Eduardo Dias

Polícia Civil concluiu que uma criança de 9 anos foi a responsável por desligar a energia elétrica da Unidade de Saúde onde eram guardadas as vacinas contra a Covid-19, em Rio Bananal, no Norte do Espírito Santo. Por conta do corte de energia, o município pode perder 133 doses da Coronavac e teve que atrasar a aplicação da segunda dose nos profissionais de saúde.

O local permaneceu fechado por seis dias, desde a sexta-feira (12), devido ao recesso de carnaval. Na manhã de quinta-feira (18), profissionais que chegaram à Unidade de Saúde para trabalhar perceberam que o local estava sem energia e que as câmaras frias, onde são armazenadas as vacinas, estavam em 23º C, temperatura bem acima do recomendável para a conservação adequada dos imunizantes.

A possível perda das vacinas contra a Covid-19 devido ao desligamento do disjuntor em Rio Bananal tem sido duramente criticada pelos leitores de A Gazeta, nos perfis do jornal nas redes sociais. Os questionamentos giram em torno da ausência de gerador ou nobreak na Unidade de Saúde, para evitar problemas elétricos, e a falta de um vigilante no local. A interrupção da imunização durante seis dias também foi alvo de reclamações. Confira alguns comentários:

Perderam todas as vacinas que estavam no local. Inadmissível imaginar que em um local crítico para o município o disjuntor esteja acessível a qualquer um. Outro ponto é a ausência de nobreaks inteligentes, monitorados, para que sinalizassem uma parada de energia tão longa. É o básico para quaisquer situações que exijam um mínimo de segurança. Incompetência ou desleixo? (Aurea Rosa)

Uma unidade de saúde com o disjuntor principal do quadro de energia exposto, de fácil acesso na rua. Agora o secretário de Saúde vai mandar colocar uma proteção? (Haroldo de Souza)

Ter um nobreak, nem pensar? Uma câmera de vigilância, um vigilante na unidade... Está ficando feio tirar a responsabilidade de quem devia ter cuidado dos imunizantes que salvam vidas. (Maurilio Bicalho)

Engraçado. Por que não aplicaram essas vacinas logo quando chegaram? Se tivessem feito isso, não tinham perdido. (Guilhermy Rissari)

Penso que uma caixa de força de um lugar tão importante deveria ter um cadeado. No mínimo é negligência. Vou além: se todas as vacinas do município ficam nessa unidade, deveria haver um gerador para falhas do sistema. (Vanderson Bras Pope)

Misericórdia! Com essa falta de vacina no país e essas vacinas em local sem segurança é um absurdo. Trabalhei com saúde pública no estado de São Paulo e, nos postos em que trabalhei, existia um cuidado especial com as vacinas, tínhamos um responsável que fazia plantão noturno e nos finais de semana. Caso acontecesse algo, tipo falta de energia, ele tinha o telefone do responsável para tomar as providências na retirada das vacinas. (Edivanice Silva)

Lugar onde guarda uma vacina tão importante para população não tem um vigilante. Cúmulo do absurdo. (Rodrigo Loss)

Queria saber, independentemente do vandalismo, onde está o gerador de energia dessa unidade? Como armazenar produtos tão importantes sem segurança? E se não fosse o vandalismo, mas simplesmente a energia da acabando? (Thiago Duarte Faitanin)

Incrível o posto de saúde estar fechado há 5 dias no carnaval, sendo que nem teve carnaval no Brasil. E não foram só vacinas contra a Covid perdidas, perderam vacinas para outras doenças, teve testes para Covid perdidos também. Descaso com a população. (Karla Alvarenga)

Como que não tem um nobreak de 24hrs para essas geladeiras para esses casos? O disjuntor foi desligado, mas poderia ter faltado luz também, ou o disjuntor ter desarmado devido a sobrecarga. Não tinha nenhuma prevenção para isso? Nenhum nobreak? Que irresponsabilidade dos secretários de Saúde. (Dayvison Marques)

Isso parece uma piada de mau gosto. Se a vacina é algo tão importante, por que não colocaram em segurança uma coisa tão valiosa? Isso é uma vergonha!!! Só no Brasil que isso acontece. (Eliane Simoes)

Em plena pandemia, por que os funcionários, em vez de ficarem em casa fazendo nada, não vacinaram as pessoas? Esse é o Brasil! Não faz mal, não… vai chegar mais vacina, está sobrando. (Iara Santos)

Absurdo, inacreditável! Como pode um disjuntor ficar exposto sem nenhuma proteção, grade, cadeado? Não acredito. Cadê a segurança? Isso é Brasil! ( Ângela Hoffmann)

Algo tão importante armazenado assim. Se faltasse luz na rua, iria perder tudo do mesmo jeito. Poderia ser uma sobrecarga... faltou mais cuidado. (Alexandre Zanetti)

Mas gente, essas vacinas estavam alocadas em que tipo de local? As repartições de saúde não têm que ser providas por um gerador de energia, justamente para evitar coisas como essas? Não estou entendendo… (Thiago Ribeiro Sibien)

Onde estão os responsáveis pela logística? Nada que um simples nobreak não resolveria. Foi uma ação de vandalismo, mas poderia ser uma queda de energia. Acorda povo, serve de alerta para outros. (Geraldo José Loss)

Engraçado como não ter nenhum vigia no local. Se quisessem roubar, ninguém iria impedir. Isso só mostra a irresponsabilidade dos responsáveis. (Márcia Silva)

A Gazeta integra o

Saiba mais
Polícia Civil Rio Bananal Coronavírus Coronavírus no ES Vacina Vacinas contra a Covid-19

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.