ASSINE

Racha no PSL do ES: líder do partido renuncia à liderança na Assembleia

Deputado Danilo Bahiense se diz preterido na disputa pela Prefeitura de Vila Velha e, por isso, abandonou o posto. Mas teve até colega chamando o PSL de "partido de esquerda"

Publicado em 26/05/2020 às 13h47
Delegado Danilo Bahiense
Delegado Danilo Bahiense renunciou a posição de líder partidário na Assembleia Legislativa. Crédito: Marcelo Prest

A eleição municipal de 2020 e o novo tabuleiro do PSL estadual, hoje comandado por Alexandre Quintino e não mais por Amarildo Lovato, já provocam reações no plenário da Assembleia Legislativa do Espírito Santo. Até então líder do partido na Casa, o deputado estadual Danilo Bahiense renunciou à posição. Ele alegou, durante a sessão virtual desta segunda-feira (25), ter sido preterido na disputa pela Prefeitura de Vila Velha. 

O parlamentar afirmou que após ser confirmado, em janeiro deste ano, como pré-candidato a prefeito da cidade, foi informado, em março, pela imprensa, que a legenda lançaria Lovato em seu lugar.

Bahiense narrou fatos que ocorreram desde sua eleição, em 2018, e que o levaram a optar pela renúncia ao cargo. De acordo com ele, no dia 16 de março foi enviado um ofício ao partido, que passava por mudanças na diretoria, questionando se teria legenda para sua candidatura a prefeito. Sem resposta, o deputado resolveu preparar um novo documento e foi até a Assembleia, no dia 25, para tentar conversar com o novo presidente do partido no Estado e seu colega de bancada, Alexandre Quintino. Quintino, ainda segundo Bahiense, não o recebeu.

O parlamentar afirma que obteve, como resposta, um ofício assinado por Amarildo Lovato, que já não era mais presidente do PSL, com data do dia 16 que dizia: "Serão respeitadas a autonomia e soberania da Executiva e convenções municipais em todas as decisões referentes ao pleito de 2020". No mesmo dia, Bahiense disse ter sido informado, pela imprensa e sem qualquer comunicado oficial, de que Lovato seria a aposta para a candidatura à Prefeitura de Vila Velha. 

A sigla confirmou o nome de Lovato como pré-candidato para a reportagem de A Gazeta. A troca teria sido feita pelo fato de Bahiense ter "manifestado interesse de sair da sigla, por conta da nova direção".

"No dia 30 de março, enviamos um ofício para o presidente do partido pedindo que nos desligasse da sigla por justa causa, já que nenhum contato foi feito comigo, nenhum ofício ou ligação, entendemos que fui discriminado e seria uma persona non grata no partido", relatou. Quintino, de acordo com o parlamentar, teria esperado o dia 2 de abril, prazo limite para filiação de quem quisesse ser candidato nas eleições de 2020, para enviar um ofício dizendo que, após conversa com a liderança nacional da sigla, ficou decidido que devido à pandemia do novo coronavírus não seria possível enviar uma resposta. 

Bahiense afirma que ficou clara a intenção do PSL de que ele perdesse o prazo e não conseguisse se filiar a outro partido para concorrer à Prefeitura de Vila Velha. "Me mandaram um ofício pra dizer que não poderiam me mandar um ofício com uma reposta?", questionou. O delegado, então, terminou sua fala dizendo: "Consta na pauta que eu represento o PSL em virtude da idade, gostaria de deixar claro que eu não represento o PSL e, acredito, o PSL não me representa. Por isso quero registrar minha renúncia."

"PARTIDO DE ESQUERDA"

Os deputados Capitão Assumção (Patriotas) e Torino Marques (PSL) também criticaram a sigla e o presidente Alexandre Quintino, afirmando que houve uma mudança na ideologia do partido e que o PSL, no Estado, estaria se tornando "um partido de esquerda". Torino Marques chegou a dizer que só está na sigla devido à legislação, que não permite a desfiliação sem justa causa. Se trocar de legenda sem autorização da Justiça Eleitoral, o parlamentar pode perder o mandato. 

O partido era dirigido por Amarildo Lovato, que deixou o cargo por determinação do líder nacional da sigla, o deputado federal Luciano Bivar. A cadeira foi ocupada por Alexandre Quintino, no dia 17 de março deste ano. Em seu último ato como presidente, Lovato assinou a expulsão de Assumção da sigla, que se filiou ao Patriotas e pode ser candidato à Prefeitura de Vitória pela legenda.

A reportagem tentou contato com o presidente estadual do PSL, deputado Alexandre Quintino, para saber o posicionamento do partido e quem substituirá Bahiense na liderança na Casa, mas até a publicação deste texto não recebeu respostas.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.