ASSINE

PSB vai processar deputado que chamou Rigoni de "cego moral"

Daniel Silveira (PSL-RJ), que ficou conhecido por quebrar uma placa de homenagem a Marielle Franco durante a campanha eleitoral, fez uma analogia com a deficiência visual do parlamentar

Publicado em 05/05/2020 às 21h00
Atualizado em 05/05/2020 às 21h00
Felipe Rigoni e Daniel Silveira: PSB quer levar o caso ao Conselho de Ética da Câmara
Felipe Rigoni e Daniel Silveira: PSB quer levar o caso ao Conselho de Ética da Câmara. Crédito: Reprodução

O PSB, partido do deputado federal Felipe Rigoni, vai acionar o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados contra o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ). Pelas redes sociais, Silveira, que é defensor do governo Bolsonaro, questionava o parlamentar capixaba sobre a petição protocolada por ele e outros deputados para que o Supremo Tribunal Federal (STF) determinasse que o ex-ministro Sergio Moro fosse ouvido pela Polícia Federal.

O deputado fez uma analogia com a deficiência visual de Rigoni e escreveu que o parlamentar "no modo filosófico e moral" também era cego. Daniel Silveira é policial militar e ficou conhecido nacionalmente durante a campanha eleitoral de 2018, quando, em um ato pró-Bolsonaro, quebrou uma placa em homenagem à vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, assassinada em março daquele ano. Ele esteve em Vitória no final de fevereiro, em um evento do Aliança pelo Brasil, partido que o presidente tenta criar.

A declaração feita por Silveira repercutiu mal na Câmara dos Deputados. A deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) e o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que também assinam a petição levada ao STF, repudiaram a publicação.

"Rigoni vem construindo uma baita trajetória pelas pessoas com deficiência e por um país justo, desenvolvido e ético. Do seu mandato, só sei que foi obtido com condutas preconceituosas como essa", escreveu Tabata, em resposta a Daniel Silveira.

"É um concurso difícil, mas você provavelmente ganhou o prêmio de comentário mais ofensivo e preconceituoso dos últimos tempos", disse Vieira.

Rigoni afirmou que estuda processar o deputado pelo tuíte. "Ele tentou usar da minha deficiência para me atingir. É a normalização da barbárie. Não é desse jeito que irá se construir um país próspero. Além de poder ser encarado como crime de injúria, viola a lei de inclusão", pontuou.

OUTRO LADO

Procurado pela reportagem, Daniel Silveira disse que não cometeu quebra de decoro e que questionou o parlamentar sobre a forma como ele buscou atacar o presidente Jair Bolsonaro.

"Processo por dizer que ele moralmente e filosoficamente ele era cego? Qual o problema nisso? O que eu quero dizer é que o modo moral de criticar Bolsonaro de maneira que ele tenha cometido crime quando ele não o fez, ele é moralmente cego. Isso não é quebra de decoro, é a minha opinião que ele é cego moralmente. Que crime que o presidente cometeu? É isso que eu quis dizer", afirmou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.