ASSINE

Possível filiação de Bolsonaro não deve interferir na relação do PP com Casagrande

Diretório do partido no ES afirma que tem autonomia para alianças e respaldo do presidente nacional para apoiar candidatura do governador Renato Casagrande (PSB) em 2022

Vitória
Publicado em 23/07/2021 às 19h49
Renato Casagrande e Jair Bolsonaro
PP faz parte da base do governador Renato Casagrande no Espírito Santo e também do presidente Jair Bolsonaro. Crédito: Reprodução

A possibilidade de filiação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao Progressistas (PP) não deve interferir na relação do partido com o governador Renato Casagrande (PSB). De acordo com integrantes do diretório no Espírito Santo, o PP, que integra o governo estadual, vai permanecer na base do socialista e está pronto para apoiar a reeleição de Casagrande, caso ele decida concorrer em 2022.

O acordo, segundo o presidente do partido no Estado, Marcus Vicente, foi firmado com a direção nacional da sigla e está mantido independentemente da relação cada vez mais estreita que a legenda mantém com o atual chefe da República. 

Nesta semana, Bolsonaro confirmou a ida do senador Ciro Nogueira (PP-PI) para a Casa Civil. O parlamentar preside o diretório nacional do PP e a presença no governo deve facilitar as tratativas para a filiação do presidente.

“Existe um compromisso já firmado com Ciro Nogueira que, se o Renato for candidato, o PP vai estar junto com ele. Não tenho nenhum receio que a situação mude. Nosso compromisso continua, com ou sem a filiação do presidente Jair Bolsonaro”, destacou Marcus Vicente.

Bolsonaro já foi filiado ao PP, mas deixou a legenda em 2015 por não ver espaço para uma candidatura presidencial. A reaproximação com o partido vem desde o ano passado, com apoio explícito à candidatura de Arthur Lira (PP-AL) para a presidência da Câmara dos Deputados.

No Congresso, o PP faz parte do Centrão, que apoiou os ex-presidentes Lula (PT), Dilma (PT) e Temer (MDB), e agora apoia Bolsonaro. Contudo, em alguns Estados, como é o caso do Espírito Santo, a situação é bem diferente.

O partido é aliado de primeira hora do governador Renato Casagrande, com cargos no governo, como o de secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, ocupado por Marcus Vicente. Casagrande é um dos críticos à gestão de Jair Bolsonaro e tem adotado posturas divergentes na condução da pandemia de Covid-19.

Esse caminho antagônico que o partido segue em alguns Estados foi pontuado por um dos filhos do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota), ao falar sobre a escolha de uma legenda pelo presidente. De acordo com o senador, assuntos regionais vão ter que ser discutidos caso as conversas com o PP se aprofundem. 

No Espírito Santo, no entanto, a situação é vista com naturalidade por integrantes do diretório estadual, que afirmam ter autonomia e respaldo da direção nacional para conduzir alianças.

“É de praxe do PP, desde 2010, respeitar as alianças regionais. Sempre foi assim e assim será em 2022”, afirma Marcus Vicente, reforçado por Marcos Delmaestro, vice-presidente estadual.

“O partido tem autonomia, é um partido pragmático que vive de resultados. Na Bahia, por exemplo, o PP está junto com o PT. O partido é maior do que uma pessoa”, pontua.

VICE-LÍDER DE BOLSONARO

Apesar do apoio já declarado do diretório estadual ao atual governador, a aliança não é unânime entre os filiados. O deputado federal Evair de Melo (PP), que já até fez parte do governo de Casagrande, hoje faz críticas ao socialista.

O parlamentar é um dos vice-líderes de Bolsonaro na Câmara dos Deputados e, logo, um dos maiores entusiastas do possível retorno do presidente ao PP. 

"Defendo e trabalho para o presidente vir para o Progressistas desde antes das eleições. Sempre será bem-vindo de onde nunca deveria ter saído. O Progressistas dará ao presidente toda a estrutura que precisa para continuar as reformas do Brasil", destacou.

Questionado se isso traria algum problema para o partido no Espírito Santo, devido à aliança com Casagrande, Evair disse que "tudo já estava alinhado" com Marcus Vicente, presidente estadual do PP. "Agora é esperar", destacou.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.