ASSINE

Pandemia faz eleitores do ES que moram fora desistirem de viajar para votar

Medo de contágio pelo novo coronavírus, isolamento e baixa oferta de voos são alguns dos fatores para a desistência. Mas há quem faça questão de comparecer às urnas em 2020

Rede Gazeta
Publicado em 13/11/2020 às 04h30
Atualizado em 13/11/2020 às 04h30
O bancário Paulo Ginger vota em Cachoeiro de Itapemirim, mas terá que justificar devido à pandemia
O bancário Paulo Ginger vota em Cachoeiro de Itapemirim, mas vai justificar devido à pandemia de Covid-19. Crédito: Arquivo Pessoal

Seja pelo vínculo com a cidade natal, seja em função da perda do prazo para transferir o título para o novo domicílio eleitoral, muitas pessoas precisam viajar para exercer seu direito de votar. Nas eleições de 2020, porém, a pandemia do novo coronavírus tem se mostrado um obstáculo e alguns desses eleitores  estão repensando ou já desistiram mesmo de comparecer às urnas no domingo (15).

Capixabas como o bancário Paulo Roberto Ringuer, que mora no Rio de Janeiro e vota em Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Espírito Santo, não vão votar devido aos riscos de contaminação e também aos problemas decorrentes da pandemia. No caso dele, pesaram a preocupação com o coronavírus, o possível trânsito nos 400 quilômetros de estrada e a escala apertada de voos em função da crise sanitária.  

Paulo, que se mudou de Cachoeiro de Itapemirim há mais de 10 anos, conta que chegou a visitar a cidade durante a campanha, ouviu as propostas de alguns candidatos, mas acabou desistindo de comparecer nestas eleições. Ele explica que continua votando no município por questões pessoais e diz se interessar por política.

"Os políticos fazem o lugar andar ou regredir. Por isso, é preciso se envolver e saber escolher porque as propostas geram impactos na sociedade e na economia", avalia. Mesmo com a intenção de retornar ao Espírito Santo, Paulo não deverá voltar a morar em Cachoeiro. O vínculo com a cidade, porém, será mantido como eleitor. 

A situação é similar à da cineasta Claudiana Braga, que saiu de Venda Nova do Imigrante, na região Serrana, para estudar em Vitória, em 2015. Ela revela que, devido à pandemia, é muito provável que não participe das eleições deste ano. “A minha avó tem 66 anos e, se eu for, tenho medo de deixá-la exposta”, argumenta.

O contato com a família era um dos motivos que incentivava Claudiana a fazer o trajeto de 111 quilômetros de ônibus até sua terra natal. Ela saía da Capital na sexta-feira à noite e ficava na sua antiga cidade até segunda pela manhã. No entanto, este ano a cineasta  está pensando em justificar a ausência para não colocar em risco a saúde de todos. “Estou desde janeiro sem visitar minha família; tenho receio de ir num período como este."

PRÁTICA É PERMITIDA

De acordo com o artigo 42 do Código Eleitoral (Lei 4.737/1965), o domicílio eleitoral é o lugar de residência ou moradia do requerente à inscrição para eleições.

No entanto, morar numa cidade e votar em outra é algo normal e, segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-ES), não se constitui um problema, uma vez que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já se manifestou em decisões que “uma pessoa pode votar no lugar em que tenha vínculos políticos, sociais, patrimoniais e de negócios."

O cientista político Paulo Edgar Resende, porém, avalia que o fato de votar significa escolher o destino daquele lugar e, por isso, é interessante que a pessoa seja impactada pelas políticas feitas na região. “É possível que a pessoa esteja bem informada, mas ela não será diretamente afetada pela decisão”, analisa.

Resende pondera ainda que o eleitor precisa avaliar a importância social do seu voto, se ele volta em um município diferente do que reside. “Se esse indivíduo pode melhorar as condições sociais daquela cidade, e analisa que são mais emergenciais que as do local onde vive, acho que o voto se faz de maneira assertiva”, ressalta.

EXERCÍCIO DA DEMOCRACIA

Mas, mesmo com a pandemia de Covid-19, há quem ainda faça questão de exercer o direito ao voto. Gutierri Andreza tem tudo organizado para visitar Itaoca Pedra, distrito de Cachoeiro de Itapemirim, no fim de semana da eleição. Ele mora em Vitória há 12 anos e já tem como hábito sair de onde estiver para depositar o voto na cidade onde cresceu. Para ele, votar em seu município é como manter um vínculo afetivo.

Gutierri, que também é bancário, conta que os planos para votar já foram feitos. Nesta sexta-feira (13), ele e uma amiga sairão de Vitória rumo a Itaoca. Até o dia das eleições, eles pretendem organizar um churrasco na casa da tia e visitar os antigos amigos da cidade. Já a volta está programada para depois que forem divulgados os vencedores.

Mesmo na pandemia, Gutierri Andreza sairá de Vitória até o distrito de Itaoca da Pedra para votar
Mesmo na pandemia, Gutierri Andreza sairá de Vitória até o distrito de Itaoca Pedra para votar. Crédito: Arquivo Pessoal

Ele destaca que faz pesquisas sobre os candidatos que estão na disputa e questiona seus projetos nas transmissões virtuais, especialmente nesta campanha. Ele foi chefe de zona eleitoral e diz ver o dia do pleito como uma festa.

Gutierre Andreza

Bancário

"Eleições em lugares pequenos sempre são um evento. A cidade fica movimentada, todo mundo na expectativa. E sempre vejo alguém que não encontrava há muito tempo"

Já Pedro Henrique, que reside em Vitória e tem título registrado em Nova Venécia, no Norte do Estado, vai votar nessas eleições por uma coincidência. Morador de Vitória, o cineasta já havia planejado uma visita aos pais para novembro. Ele conta que não vê a família desde janeiro e o feriado da Proclamação da República, que cai justamente no domingo do primeiro turno, foi a data encontrada para o retorno à cidade natal. 

Pedro Henrique mora em Vitória desde 2015, quando ingressou na universidade. Por morar em república e não ter emprego fixo, sempre teve dificuldades financeiras para se deslocar e participar das eleições. São 251 quilômetros até Nova Venécia.

Por coincidência, o cineasta Pedro Henrique estará em sua cidade no dia das eleições e irá votar
Por coincidência, o cineasta Pedro Henrique estará em sua cidade no dia das eleições e irá votar. Crédito: Arquivo Pessoal

A rotina corrida, de faculdade e estágio, acabou sendo um obstáculo para a troca do domicílio eleitoral. Pedro revela que votou nas eleições de 2018, no segundo turno, mas que em  outros pleitos, inclusive municipais, acabou justificando a ausência.

Mesmo estando distante, Pedro diz que as discussões com a família o ajudam a conhecer e escolher os candidatos de sua cidade de origem. Mas, como não tem pretensões de voltar a morar em Nova Venécia, o cineasta pretende mudar o título para Vitória por entender a importância de participar da decisão da cidade na escolha dos governantes.

JUSTIFICATIVA E TRANSFERÊNCIA

Para aqueles que não poderão comparecer aos locais de votação, o TRE-ES informa que neste ano, devido à pandemia, a justificativa de voto para esses eleitores pode ser realizada pelo aplicativo “e-Título”.

Para as próximas eleições, quem desejar alterar a cidade de votação deve comparecer aos cartórios eleitorais a partir de 30 de novembro, ou seja, primeiro dia após o segundo turno.

SERVIÇO

  • 1º turno das eleições 2020: 15/11, das 7h às 17h
  • 2º turno das eleições 2020 (para cidades com mais de 200 mil eleitores e que nenhum candidato tenha conseguido 50% +1 dos votos válidos): 29/11, das 7h às 17h
  • Transferência de título: pode ser solicitada a partir de 30 de novembro em qualquer cartório eleitoral.

* Israel Zuqui é aluno do 23º Curso de Residência em Jornalismo da Rede Gazeta, sob supervisão do editor Geraldo Campos Jr. e de Aline Nunes

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.