ASSINE

Mulher morta ao sair com cão em Vila Velha: polícia investiga feminicídio

O caso de Irlane Dias, de 35 anos que foi morta na Praia de Itaparica, no dia 2 de abril, passou a ser investigado pela Polícia Civil como feminicídio

Publicado em 29/04/2021 às 18h37
Baleada, mulher correu para dentro de motel em busca de socorro, mas não resistiu e morreu
Mulher correu para dentro de motel. Crédito: Reprodução/TV Gazeta

O caso de Irlane Dias, mulher de 35 anos que foi morta enquanto passeava com cachorro na Praia de Itaparica, em Vila Velha, no início do mês de abril (02), passou a ser investigado pela Polícia Civil como feminicídio. Para preservar a apuração do crime, a polícia não divulgou detalhes.

De acordo com informações da Polícia Civil, o caso segue sob investigação na Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM) e o suspeito do crime, que não teve a identidade revelada, já possui um mandado de prisão decretado. No entanto, ele fugiu e ainda não foi preso.

“A Polícia Civil informa que o caso segue sob investigação por meio da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM). O suspeito do crime já está com mandado de prisão decretado, mas fugiu, tomando destino ignorado, e até o momento não foi preso. Em observância à Lei Federal nº 13.869, de 5/09/2019, também conhecida como Lei de abuso de autoridade, a PCES só divulga nomes de suspeitos após o Ministério Público oferecer denúncia”, informou.

O CRIME

Uma mulher de 35 anos foi morta a tiros no bairro Praia de Itaparica, Vila Velha, na manhã do dia 2 de abril. Segundo testemunhas, a vítima chegou a correr e pedir ajuda na entrada de um motel da região, mas não resistiu e morreu no local. O crime aconteceu por volta das 6h.

A Polícia Civil foi acionada para fazer a perícia. De acordo com o delegado que acompanha o caso, um homem é suspeito de ser autor dos tiros. Segundo a família da vítima, Irlane Dias saiu para passear com o cachorro pela manhã, como costumava fazer todos os dias. Pessoas que passavam na rua encontraram o animal perdido e sozinho e, por conhecerem a dona, o deixaram na portaria do prédio onde a vítima morava.

Sem entender o que poderia ter acontecido, os parentes saíram à procura de Irlane e viram a movimentação de policiais em frente ao motel. Os próprios familiares identificaram que era a empregada doméstica que havia sido atingida.

Um motorista de aplicativo que estava entrando no motel para buscar um casal contou para a reportagem da TV Gazeta que ouviu dois tiros e, em seguida, viu a mulher correndo para pedir ajuda. Ferida, a vítima acabou morrendo encostada no carro.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.