ASSINE

Mãe pede Justiça após perder filho de 2 anos morto com tiro na cabeça no ES

Téo foi atingido por um tiro bem perto da orelha. Ele chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Infantil de Vitória, mas não resistiu e morreu nesta sexta-feira (18)

Tempo de leitura: 2min
Publicado em 19/02/2022 às 15h59
Mãe de criança morta por tiro em Vila Velha pede Justiça
Mãe de criança morta por tiro em Vila Velha pede Justiça. Crédito: Fabrício Christ

Uma mãe e um pai vivem momentos de tristeza e pedem Justiça após perderem o filho de apenas dois anos de idade, que foi vítima de um disparo de arma de fogo na noite da última quinta-feira (17) no bairro Rio Marinho, em Vila Velha. O pequeno Téo foi atingido na cabeça, com um tiro bem próximo à orelha, e morreu no dia seguinte, no Hospital Infantil de Vitória. Na primeira entrevista após o crime, a mãe do menino, que preferiu não se identificar por questões de segurança, disse à TV Gazeta que o ocorrido foi "brutal" e que deseja ter uma "resposta do Estado" para que, segundo ela, os envolvidos sejam presos.

Mãe de Téo

Dona de casa, 21 anos

"Meu filho era uma criança incrível, só tinha dois anos. Ele queria ir para a creche, pedia para ir para a escola. Não permitiram nem conhecer a escola. Foi um assassinato brutal e eu quero uma resposta. Quero uma resposta do Estado, quero Justiça, quero todos eles presos, quero Justiça o mais rápido que puder"

Imagens da TV Gazeta mostram o pai da criança saindo do Departamento Médico Legal, aos prantos, com a certidão de óbito em mãos nesta sexta-feira (18). Ele precisou ser amparado por outra pessoa.

Pai de Téo precisou ser amparado ao sair do DML
Pai de Téo precisou ser amparado ao sair do DML. Crédito: Roberto Pratti | Archimedis Patrício

De acordo com apuração do repórter André Falcão, da TV Gazeta, o velório aconteceu pela manhã e o enterro estava previsto para a tarde deste sábado (19) em Vila Velha. A igreja escolhida para acolher a família durante o velório não foi divulgada a pedido da mãe.

Téo foi atingido por um tiro quando estava saindo de casa com a mãe para comprar um pão. A dona de casa de 21 anos descia as escadas com o filho quando percebeu que ele havia sido atingido.

Mãe de Téo

Dona de casa, 21 anos

"Meu filho estava dentro de casa e pediu pão. A gente esteva indo à padaria. Quando meu filho chegou no terceiro degrau de casa ele tomou um tiro. O primeiro tiro que eu ouvi, virei para pegar ele, mas já estava caído. A bala entrou no ouvido e foi direto parar no cérebro. E ele entrou em coma. Ali eu já perdi o meu filho"

A mãe do menino não foi atingida. A criança foi socorrida por um vizinho e levada à Unidade de Pronto Atendimento de Cobilândia, mas como perdeu muito sangue, precisou ser transferida para o Hospital Infantil, em Vitória. A notícia da morte veio no fim da manhã de sexta-feira (18). 

Polícia Civil informou à reportagem que o caso está sendo apurado e que uma equipe de investigadores foi até o bairro conversar com moradores para colher mais informações.

Cartuchos de balas foram encontrados depois do ataque em Rio Marinho
Cartuchos de balas foram encontrados depois do ataque em Rio Marinho. Crédito: Reprodução

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.