ASSINE

Justiça mantém cabo da PM preso por morte da esposa em Vitória

Audiência de custódia de Márcio Borges Ferreira aconteceu nesta segunda-feira (12); o crime foi no domingo (11), na frente da filha de dez anos do casal

Publicado em 12/04/2021 às 13h53
O policial militar Márcio Borges Ferreira ao lado da esposa Kátia Matos, que foi assassinada com tiro de arma de fogo no domingo (11)
O policial militar Márcio Borges Ferreira ao lado da esposa Kátia Matos, que foi assassinada com tiros de arma de fogo no domingo (11). Crédito: Reprodução | Redes Sociais

Após passar por uma audiência de custódia na manhã desta segunda-feira (12), o cabo Márcio Borges Ferreira, da Polícia Militar do Espírito Santo,  teve a prisão em flagrante convertida em prisão preventiva pela Justiça. Ele foi autuado como o responsável pelo assassinato da esposa, a professora Kátia Matos da Silva Ferreira, na noite desse domingo (11), em Vitória.

Na decisão proferida pelo juiz Roberto Luiz Ferreira consta que, contra o policial, já tinham dois registros criminais: uma ação penal e uma medida protetiva. Além disso, no auto da prisão em flagrante, há relatos de testemunhas que indicam a brutalidade com a qual a vítima foi tratada, pouco antes de levar dois tiros.

Roberto Luiz Ferreira

Juiz, no texto da decisão proferida nesta segunda-feira (12)

"O autuado teria chegado ao prédio onde residia com a vítima, sua companheira, e a arrastado no corredor do prédio pelos cabelos e a jogado no interior da residência, trancando-a no local"

No documento, o juiz também destaca que o crime foi cometido na frente da filha do casal, que tem apenas dez anos de idade. De acordo com vizinhos, após os disparos, a criança saiu correndo pelo prédio, pedindo ajuda. A própria família de Kátia ficou sabendo o que tinha acontecido pelo telefonema da menina.

Durante a audiência de custódia, a defesa do cabo Márcio Borges Ferreira pediu a instauração de "incidente de insanidade". Entretanto, o juiz entendeu que o pedido "deverá ser direcionado ao Juízo Natural, por entender que este Juízo não é competente para apreciação do pedido".

HOMICÍDIO QUALIFICADO E MAJORADO

Por meio de nota, a Polícia Civil informou que o militar foi conduzido ao Plantão Especializado da Mulher na própria noite do crime e autuado em flagrante por homicídio qualificado (por motivo fútil, por impossibilitar a defesa da vítima e em contexto de violência doméstica) e majorado (por ter sido na frente da filha).

Antes de ser encaminhado ao presídio do Quartel da Polícia Militar, no bairro Maruípe, em Vitória, o policial Márcio Borges Ferreira se queixou de mal-estar e dor de cabeça. Por isso, ele chegou a ser levado ao Hospital da Polícia Militar (HPM), também na Capital, onde passou por atendimento médico.

CORREGEDORIA DA PM AINDA AGUARDA

No que diz respeito ao âmbito interno, a Corregedoria da Polícia Militar afirmou que ainda aguarda o envio da cópia do auto de prisão em flagrante, feito pela Polícia Civil, para verificar qual o procedimento administrativo que cabe ser instaurado. A corporação garantiu que a arma utilizada pelo militar já foi apreendida.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.