ASSINE

Cabo da PM é preso por morte da esposa na frente da filha em Vitória

Márcio Borges Ferreira foi preso em flagrante. Assassinato ocorreu na noite deste domingo (11), no apartamento da família, em Jardim da Penha

Publicado em 12/04/2021 às 08h45
Atualizado em 12/04/2021 às 08h45
O policial militar Márcio Borges Ferreira ao lado da esposa Kátia Matos, que foi assassinada com tiro de arma de fogo no domingo (11)
O policial militar Márcio Borges Ferreira ao lado da esposa Kátia Matos, que foi assassinada com tiro de arma de fogo no domingo (11). Crédito: Reprodução | Redes Sociais

A professora Kátia Matos, de 49 anos, foi assassinada com um tiro na noite deste domingo (11) dentro de um apartamento no bairro Jardim da Penha, em Vitória, na frente da filha de apenas dez anos de idade. O marido da vítima e pai da criança, identificado como Márcio Borges Ferreira, cabo da Polícia Militar, foi preso em flagrante, apontado como autor do crime.

O policial militar foi autuado por homicídio qualificado por motivo fútil, por ter impossibilitado a defesa da vítima e por ser contra mulher em contexto de violência doméstica, e majorado, por ter sido na frente da filha do casal. De acordo com a PM, o cabo ficará preso no presídio da instituição, em Maruípe, que também fica na Capital.

Quartel da Polícia Militar, em Maruípe, Vitória
Presídio fica no Quartel da Polícia Militar, em Maruípe, na cidade de Vitória. Crédito: Bernardo Coutinho

O crime ocorreu no segundo andar do prédio onde a família morava, por volta das 19h. De acordo com informações de testemunhas que acionaram o Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes), a criança de dez anos presenciou a morte da mãe e saiu pedindo ajuda no condomínio a vizinhos.

Segundo a aposentada Janete Alves Mesquita, amiga da vítima, o casal estava junto há cerca de 20 anos, mas a relação era abusiva. "Eles brigavam muito, ele batia nela. Ele era um camarada muito violento. Há dez anos eles se separaram e depois de mais de um ano foi que eles voltaram", contou.

Kátia Matos tinha 49 anos e era professora
Kátia Matos tinha 49 anos e era professora. Crédito: Reprodução | Redes Sociais

Um vizinho da família, que preferiu não se identificar, afirmou que já existiu um inquérito contra Márcio Borges Ferreira, que poderia ter resultado na expulsão da Polícia Militar. No entanto, como a então esposa Kátia retirou a queixa, o marido conseguiu ser promovido a cabo recentemente.

De acordo com o boletim da Polícia Militar, quando os policiais chegaram ao prédio onde ocorreu o fato, o suspeito estava no local e teria levado os colegas de profissão até a cena do crime. De lá, ele foi levado por uma viatura da PM e chegou a receber atendimento médico por se queixar de mal-estar e dores de cabeça.

Com informações da TV Gazeta e do G1 ES. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.