ASSINE

Grávida morta com um tiro na barriga é enterrada em Vila Velha

Carolina Ferraz Scalfoni foi atingida na barriga por um tiro disparado pela arma do marido, um guarda municipal de Vitória. Ele afirma que o disparo foi acidental e aconteceu enquanto limpava a arma

Tempo de leitura: 2min
Vitória
Publicado em 04/12/2021 às 13h54
Carolina Ferraz Scalfoni
Carolina Ferraz Scalfoni foi atingida por um disparo na barriga e morreu. Crédito: Reprodução

Foi enterrada na manhã deste sábado (4) Carolina Ferraz Scalfoni, que estava grávida de quatro meses e morreu após ser atingida por um tiro disparado pela arma do marido, um guarda municipal de Vitória

O caso aconteceu na última quinta-feira (30) dentro do apartamento do casal, na Praia de Itaparica, em Vila Velha. O marido de Carolina, Luiz Roberto Ramalheite, disse à polícia que estava limpando a arma quando ela disparou acidentalmente. Ele foi atingido na mão pelo disparo e a esposa, na barriga. 

Carolina chegou a ser encaminhada para o hospital Antônio Bezerra de Farias, mas não resistiu e morreu. Ramalheite foi preso por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Pagou fiança e foi liberado.

Luiz Roberto Ramalheite com a esposa Carolina Ferraz Scalfoni
Luiz Roberto Ramalheite com a esposa Carolina Ferraz Scalfoni. Crédito: Reprodução/TV Gazeta

O repórter da TV Gazeta Aurélio de Freitas esteve no cemitério Parque da Paz, em Ponta da Fruta, onde Carolina foi enterrada. Ela foi sepultada às 10h30. Familiares da vítima não quiseram gravar entrevista, mas disseram que todos estavam abalados e transtornados com o que aconteceu.

Luiz Roberto foi afastado do trabalho pela Guarda Municipal de Vitória por 8 dias. O órgão informou que quando o agente voltar ao serviço, será realocado na parte administrativa, já que a arma funcional foi recolhida. 

O caso é investigado pela Corregedoria da Guarda Civil Municipal de Vitória (GCMV). Segundo a Prefeitura da Capital, um processo administrativo disciplinar vai ser instaurado, "com ampla defesa e contraditório, preservando o respeito ao estado democrático de direito e os direitos e garantias individuais".

POLÍCIA CIVIL INVESTIGA AS CIRCUNSTÂNCIAS DA MORTE

A Polícia Civil informou na sexta-feira (3) que o autor do disparo foi conduzido para o plantão do Departamento Especializado de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde foi autuado em flagrante por homicídio culposo, que é quando não há a intenção de matar. "As diligências realizadas logo após o fato, assim como os depoimentos colhidos, indicaram que o disparo ocorreu de forma acidental, atingindo a vítima. Por tratar-se de crime culposo, não há responsabilização pelo óbito do feto. O autuado pagou fiança estipulada pela autoridade policial e foi liberado para responder em liberdade. O procedimento será encaminhado para a Divisão Especializada de Homicídio e Proteção à Mulher (DHPM), que dará prosseguimento à apuração das circunstâncias do fato", explicou o órgão em nota,

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.