ASSINE

Duas mulheres são presas acusadas de matar homem a pedradas na Serra

Crime aconteceu no dia 9 de junho no bairro Costa Dourada e a motivação seria o fato da vítima ter assediando duas crianças na localidade; o homem, porém, era inocente

Vitória
Publicado em 28/10/2021 às 07h57
Bruna e a mãe, Lucineia, são acusadas de matar Miguel Inácio dos Santos
Bruna e a mãe, Lucineia, são acusadas de matar Miguel Inácio dos Santos. Crédito: Divulgação/PCES

Duas mulheres foram presas pela Polícia Civil acusadas de matar um homem, identificado como Miguel Inácio Santos Filho, de 49 anos. A vítima foi morta a pedradas no bairro Costa Dourada, na SerraO crime aconteceu no dia 9 de junho deste ano e Bruna Hoffman, de 26 anos e a mãe dela, Lucineia Pereira da Silva, de 50 anos, foram presas em 22 de setembro, na região da Grande Jacaraípe, no mesmo município.

Conforme a Polícia Civil, Bruna e Lucineia foram indiciadas pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES) e já são rés no processo, que está tramitando na 3ª Vara Criminal da Serra. Segundo o delegado adjunto da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Serra, Daniel Fortes, Miguel foi morto porque foi acusado por Bruna de ter estuprado duas crianças do bairro. A vítima, porém, era inocente.

Miguel Inácio Furtado foi linchado e morto na Serra em junho deste ano
Miguel Inácio Furtado foi linchado e morto na Serra em junho deste ano. Crédito: Divulgação/PCES

Daniel Fortes explicou que Miguel e Bruna marcaram um programa no dia do crime. Após o encontro, a vítima teria pago a Bruna uma quantia maior do que o combinado entre eles. Miguel foi embora, mas, ao perceber que havia dado mais dinheiro que o acordado, voltou à casa de Bruna para, de acordo com o delegado, tirar satisfações.

"Ele retorna, já indignado pela situação de ter pago um valor a mais, provavelmente para tirar satisfações.Ele arremessa uma pedra na janela da casa da Bruna, só que quem estava na casa no momento era apenas a mãe. Ele inicia uma discussão com a mãe da Bruna e, nesse período, a Bruna retorna. Quando ela chega na residência, ele está a uma distância considerável dela, ela pega uma madeira de uma cerca e vai em direção à vítima", disse o delegado.

Miguel, então, começa a correr de Bruna e a mãe dela, para não ser agredido. O delegado Daniel Fortes contou que, vendo que não conseguiria alcançá-lo, Bruna começa a gritar para os moradores que estavam na rua que Miguel seria estuprador e que teria abusado sexualmente de duas crianças do bairro. Os moradores, então, seguram a vítima e começam a agredi-lo.

"A população, inflamada pela fala da Bruna e querendo fazer justiça com as próprias mãos, segura a vítima e, juntamente com Bruna e sua mãe, agridem a vítima até a morte. A mãe usa uma enxada para agredir a vítima, a Bruna usa uma madeira. É importante frisar, a vítima era inocente, não tinha acontecido nenhum caso de estupro na região. A Bruna deixa bem claro isso em depoimento, ela só fez isso para que a população segurasse a vítima", detalhou Daniel Fortes.

Depois do crime, corpo foi encontrado perto de matagal na Serra
Depois do crime, corpo de Miguel foi encontrado perto de um matagal na Serra. Crédito: Reprodução/TV Gazeta

De acordo com o delegado, outras pessoas teriam participado do crime, agredindo Miguel também com pedradas. Daniel Fortes garantiu que as investigações vão continuar, para identificar os outros agressores, que poderão responder criminalmente pelo assassinato. O delegado ainda acrescentou que Bruna e Lucineia tentaram minimizar a participação dela no crime durante os depoimentos.

"Durante as oitivas, a Bruna confirma que pegou a madeira, que incitou a população, mas nega a agressão. A mãe dela confirma toda a história, fala que estava com uma enxada, que bateu com a enxada na cabeça da vítima, mas que foi uma coisa leve. Então, elas tentam minimizar a participação delas no homicídio", finalizou.

O CRIME

O homem de 49 anos foi encontrado morto próximo no bairro Costa Dourada, na Serra. O corpo dele apresentava marcas de pedradas na cabeça e outros ferimentos pelo corpo. Após o assassinato, a vítima foi carregada por uma ladeira e deixada perto de um matagal.

Moradores informaram que o homem não morava no bairro e era desconhecido na vizinhança. Eles também disseram à polícia que o suspeito estaria assediando crianças, oferecendo balas e mostrando as partes íntimas para elas. Isso, conforme os depoimentos, teria motivado o assassinato. Eles informaram que dez pessoas teriam participado do crime.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.