ASSINE

Caso Alice: familiar diz que pai e jovem baleado conversavam no portão

Ainda de acordo com esse parente da menina Alice, jovem baleado mora na vizinhança onde crime ocorreu

Publicado em 12/02/2020 às 16h22
Atualizado em 12/02/2020 às 22h27
Alice da Silva Almeida. Crédito: Arquivo pessoal
Alice da Silva Almeida. Crédito: Arquivo pessoal

Um familiar da Alice da Silva Almeida, de 3 anos, que morreu após ser atingida por balas perdidas em Vila Velha, afirmou à reportagem de A Gazeta que o pai da menina conhecia o adolescente que foi baleado durante o tiroteio que tirou a vida da criança. De acordo com esse familiar, na hora do crime, o pai de Alice e o adolescente estariam conversando, mas não soube informar o teor da conversa. Ele finalizou dizendo que o adolescente baleado mora na vizinhança de onde tudo aconteceu — no bairro Dom João Batista, também em Vila Velha.

A Polícia Civil, que investiga o caso, foi acionada pela reportagem para confirmar as novas informações, mas disse que não vai comentar nenhum detalhe da investigação. 

A versão inicial passada à polícia por testemunhas era a de que o adolescente invadiu a residência da família de Alice para fugir de uma perseguição de criminosos. O rapaz, no dia do crime, foi atendido no Pronto Atendimento da Glória, em Vila Velha, e liberado. 

PAI, MÃE E AVÓ PRESTAM DEPOIMENTO

Foram ouvidos nesta quarta-feira (12) o pai, a mãe e a avó da pequena Alice. Eles prestaram depoimento pela primeira vez na Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM), em Vitória. 

adolescente de 17 anos que seria o alvo de criminosos na perseguição também já foi ouvido. Ele prestou depoimento na condição de vítima de tentativa de homicídio.

De acordo com informações iniciais dadas por testemunhas, o rapaz entrou na casa de Alice para fugir dos bandidos, que chegaram na rua atirando. Pelo menos dois disparos atingiram a criança, que acabou morrendo.

A delegacia especializada segue investigando o caso. Até o momento, nenhum suspeito foi detido. A equipe da DHPM, chefiada pela delegada Raffaella Aguiar, conta com a colaboração da população para a elucidação deste crime. O Disque-Denúncia 181 é a melhor forma da população auxiliar a polícia com informações que levem à prisão de criminosos.

O anonimato é garantido e todas as informações são investigadas. O Disque Denúncia 181 também possui um site onde é possível anexar imagens e vídeos de ações criminosas, o disquedenuncia181.es.gov.br.

A menina de 3 anos é neta de um sargento da Polícia Militar. A família dela recentemente vivenciou outra violência. Wesley da Ressurreição Almeida, tio paterno de Alice, foi assassinado a tiros em outubro do ano passado, nas proximidades do bairro Dom João Batista, onde a família mora. Ele tinha 18 anos quando foi morto na rua Vasco Alves.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.