ASSINE

"Boa noite, Cinderela": casos no ES reacendem alerta para golpe

Golpe vem sendo repaginado por criminosos, que estão buscando suas vítimas em aplicativos de relacionamento — usados por pessoas de todas as idades

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 13/09/2021 às 15h12
cerveja
Bebidas alcoólicas são usadas no golpe conhecido como "boa noite, Cinderela". Crédito: Pixabay

Velho conhecido da polícia, o golpe “boa noite, Cindelela” vem sendo repaginado por criminosos, que estão buscando suas vítimas em aplicativos de relacionamento — cada vez mais usados por pessoas de todas as idades. Dois casos em que os golpistas agiram dessa maneira foram registrados recentemente na Grande Vitória e reacendem o alerta para os cuidados necessários para evitar ser alvo desse tipo de crime.

Em agosto deste ano, um homem de 37 anos foi condenado por dopar e estuprar uma mulher em Vitória, além de roubar dela R$ 30 mil em joias em janeiro de 2020. Naquele mesmo ano, mas no mês de setembro, um empresário também foi vítima do golpe: ao acordar de uma noite de vinhos em casa com a convidada, deu falta de vários pertences, incluindo o próprio carro. Em ambos crimes as vítimas conheceram os golpistas em aplicativos.

O alerta do delegado da Polícia Civil Marcelo Nolasco, chefe da Delegacia Regional de Vila Velha, é que as pessoas relembrem dos cuidados que sempre ouviram dizer que são importantes quando estão bebendo algo em um evento ou na companhia de estranhos:

"Mesmo atualmente, é preciso ter atenção ao que as mães já falavam 30 anos atrás: não beba coisas de estranho, principalmente dos que conheceu em aplicativos ou durante festas e bares. É preciso estar atento à bebida, não deixá-la sem vigilância e tomar cuidado com quem anda. Uma dica é fazer um telefonema para pessoas próximas informando onde e com quem saiu ou em qual carro de aplicativo está", disse.

Segundo o delegado, as pessoas mais vulneráveis ainda são as mulheres. "A modernidade das pessoas se conhecerem por aplicativos facilita muito em um momento de relacionamentos mais fugazes. Os golpes, de uma forma geral, vêm aumentando muito, principalmente os virtuais. E no 'boa noite, Cinderela' tem sido comum o início virtual", acrescentou.

Nolasco também explica que o golpe, propriamente, não implica em um crime específico, mas depende das consequências para ele ser tipificado. Por exemplo, se o golpista utilizou esse método para roubar, o suspeito responde pelo roubo. Se o suspeito dopou a vítima para estuprá-la, responderá por estupro.

Marcelo Nolasco

Delegado da Polícia Civil

"O alerta é para que as pessoas denunciem e não se calem ou tenham medo achando que a polícia não vai investigar. Só não será investigado se a pessoa não procurar ajuda. Nesses dois casos, os suspeitos foram presos, então tem consequência. Também é preciso ter cuidado com o mundo virtual, que é bom para muita coisa, mas oferece riscos. As pessoas, tomadas por um desespero sentimental, acabam caindo nesses golpes"

DICAS PARA NÃO CAIR NO "BOA NOITE, CINDERELA":

Delegado Marcelo Nolasco
Delegado Marcelo Nolasco dá orientações para não cair no golpe "boa noite, Cinderela". Crédito: Bernardo Coutinho

O delegado Marcelo Nolasco pontuou orientações importantes para não cair no "boa noite, Cinderela". São elas:

  • Marque encontros em locais públicos;
  • Deixe pessoas próximas cientes sobre para onde e com quem você sairá; 
  • Registre uma foto da pessoa com quem saiu e mande para alguém de confiança;
  • Envie sua localização por aplicativo de mensagens a um amigo ou familiar;

"ELE ERA BONITO E SIMPÁTICO", DIZ VÍTIMA DE ESTUPRO E ROUBO

No caso ocorrido em janeiro de 2020, em que um homem de 37 anos foi preso preventivamente após dopar e abusar sexualmente de uma mulher em Vitória, tendo também roubado da vítima cerca de R$ 30 mil em joias, a condenação judicial veio no último dia 16 de agosto. Ele está preso na Penitenciária Estadual de Vila Velha.

A sentença do juiz Paulo Sérgio Bellucio, que condenou o réu em 12 anos de prisão e multa, considerou que houve estupro de vulnerável, considerando que, por exames, ficou comprovada a presença de espermatozoides do suspeito no corpo da vítima, bem como a presença de substâncias dissolvidas em um energético fornecido pelo golpista.

"Eu o conheci em um aplicativo famoso. Ele era bonito e simpático e eu, recém-separada. Primeiro, ele havia me chamado para tomar um café e não desconfiei do perfil. Sei que isso pode acontecer com outras mulheres. Ele me enganou e foi, aos poucos, me conduzindo a beber e eu fui, inocente", disse a vítima, que não será identificada por questões de segurança.

X.

Vítima estuprada e roubada por golpista

"Precisei de acompanhamento com psicólogo e isso foi muito importante. Hoje, temo por outras mulheres. Até hoje existe julgamento das pessoas, como se a culpada fosse eu por não ter percebido os indícios"

Diante do caso, uma testemunha narrou, em depoimento judicial, também ter sido vítima do mesmo abusador. A suspeita de ocorrência desse outro crime envolvendo o homem ainda é investigada em inquérito policial.

EMPRESÁRIO "DESMAIOU" APÓS TOMAR VINHO

Apesar de as mulheres serem o principal alvo desse tipo de crime, homens também são vítimas do golpe. Um empresário de 45 anos, morador do bairro Jardim Camburi, em Vitória, foi vítima do "boa Noite, Cinderela" em setembro de 2020. À polícia, ele relatou que conheceu uma mulher de 38 anos em um aplicativo de relacionamento. Após cinco dias de conversas, a vítima convidou a mulher para ir ao seu apartamento.

O empresário contou, em depoimento, que comprou um vinho e serviu a primeira taça. A segunda taça que ele tomou foi servida pela mulher e, assim que bebeu, se sentiu um pouco tonto, mas ainda estava bem. Após beber a terceira taça, também servida pela golpista, ele desmaiou e, quando acordou cinco horas depois, deu falta de diversos pertences, inclusive do carro.

"A vítima relatou que sofreu um golpe por parte dessa mulher. Marcaram um encontro por meio de um aplicativo amoroso. Ela, então, chegou à residência dele e, após tomar o vinho, ele sentiu uma tontura e desmaiou. Depois, acordou e percebeu que seu carro havia sido subtraído, bem como vários objetos e eletrodomésticos de sua residência", relatou o delegado Marcelo Nolasco na época do crime.

O carro do empresário tinha rastreador e foi por meio do aparelho que a empresa de segurança achou o veículo no bairro Barramares, em Vila Velha. A PM foi acionada e a mulher foi detida em casa e depois foi conduzida à Delegacia Regional de Vila Velha.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Justiça Polícia Civil Crimes Eletrônicos crime Estupro de vulnerável

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.