ASSINE

Assassinos teriam matado casal no ES para crescer no tráfico, investiga polícia

Adilson José de Freitas, de 56 nos, e Leidiana dos Santos, de 38, foram mortos na última segunda-feira (4) em Cariacica. Outra linha investigada é de que ex-funcionário cobrava por horas extras não pagas

Vitória
Publicado em 08/10/2021 às 13h16
 Adilson Jose de Freitas, de 56 nos, e Leidiana dos Santos, 38 anos, foram retirados de carro e executados em Cariacica
Adilson Jose de Freitas, de 56 nos, e Leidiana dos Santos, 38 anos, foram retirados de carro e executados em Cariacica. Crédito: Archimedis Patrício

Os dois adolescentes apreendidos por assassinar o casal Adilson José de Freitas, de 56 nos, e Leidiana dos Santos, de 38, na última segunda-feira (4), no bairro Planeta, em Cariacica, cometeram o crime para crescer na hierarquia do tráfico de drogas da região. Essa é uma das linhas de investigação que a Polícia Civil segue, conforme divulgou o delegado Gianno Trindade em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (8).

Gianno Trindade, que é o titular da Delegacia de Segurança Patrimonial, explicou que três pessoas envolvidas no crime foram detidas durante as investigações: dois adolescentes de 16 anos e um jovem de 22. O delegado contou que um dos adolescentes foi o autor dos disparos e que o pai dele foi quem prestou depoimento à polícia confirmando que o suspeito procurava crescer no tráfico da região.

Trindade argumentou que são duas as possíveis linhas de investigação apuradas pela Polícia Civil. A primeira é de que um dos suspeitos seria ex-funcionário do casal no ferro-velho e procurava cobrar uma dívida de R$ 1.200, referente às horas extras trabalhadas no estabelecimento.

"Nós trabalhamos nesse momento com duas linhas motivacionais. A primeira, de que um dos autores apreendidos ontem era ex-funcionário das vítimas no estabelecimento do ferro-velho. Ele teria ido até a casa das vítimas cobrar o valor de R$ 1.200 que ele acreditava ter direito em razão de horas extras trabalhadas nesse estabelecimento", disse.

A outra linha, de acordo com o delegado, é de que Adilson e Leidiana não permitiam que integrantes do tráfico de drogas da região se aproveitassem do espaço do ferro-velho para esconder drogas. Eles também denunciavam a ação de criminosos à polícia, o que os teria dado a fama de "dedo-duro".

"A segunda linha motivacional que nós apuramos é no sentido de que o casal não permitia que o tráfico de drogas local utilizasse dos seus carrinhos de ferro-velho, dos locais próximos desse estabelecimento comercial para esconder drogas e denunciou à polícia. Isso levou principalmente a mulher a ter uma fama na região de ‘x-9’", acrescentou.

RELEMBRE O CASO

Três bandidos invadiram a casa de um casal, exigiram dinheiro e, após circular de carro com os reféns, mataram os donos do imóvel em um pasto no bairro Planeta, em Cariacica. As vítimas foram identificadas como Adilson José de Freitas, de 56 nos, e Leidiana dos Santos, de 38 anos. No banco de trás do veículo estavam duas crianças: um menino de 5 anos, filho do casal, e outro de 11 anos, filho de Adilson e enteado de Leidiana.

 Adilson Jose de Freitas, de 56 nos, e Leidiana dos Santos, 38 anos, foram retirados de carro e executados em Cariacica
Adilson Jose de Freitas, de 56 nos, e Leidiana dos Santos, 38 anos, foram retirados de carro e executados em Cariacica. Crédito: Reprodução/redes sociais

O casal era dono de um ferro-velho em Campo Verde, perto de onde foram mortos. Os dois eram casados há nove anos. Segundo a Polícia Militar, os criminosos chegaram à residência de Adilson e Leidiana, na noite de segunda-feira (4). Com a arma em punho, os assaltantes exigiram dinheiro. Diante da negativa, eles obrigaram a família a entrar no carro do homem e seguiram para uma estrada de chão, no bairro Planeta, no mesmo município.

les mandaram o casal descer e andar até uma área de vegetação e mataram Adilson e Leidiana a tiros. As crianças ficaram no carro. Após ouvirem os tiros e perceberem que os pais não voltavam, elas pediram socorro aos moradores, que acionaram a Polícia Militar. "Buscas foram feitas por toda a região, mas os suspeitos não foram localizados no momento do fato. A ocorrência foi encaminhada à Polícia Civil para investigação", destaca a nota da PM.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.