ASSINE

Covid-19: contaminação em Vitória, Vila Velha e Serra preocupa governo

A capital apresenta a maior taxa, de 21,2 a cada 100 mil habitantes. Governador disse que é preciso redobrar os cuidados na Grande Vitória

Publicado em 08/04/2020 às 21h47
Atualizado em 08/04/2020 às 21h47
Antes movimentada, a Reta da Penha tem trânsito muito pequeno em tempos de pandemia de coronavírus
Vitória tem a maior taxa de contaminação do Estado, seguida por Vila Velha e Serra. Crédito: Luciney Araújo/TV Gazeta

Os municípios de Vitória, Vila Velha e Serra têm apresentado um crescimento no número de casos do coronavírus que é considerado preocupante pelo governo do Espírito Santo. As três cidades são responsáveis por 39 dos 46 novos diagnósticos da Covid-19 no Estado nas últimas 24 horas, segundo boletim divulgado pela Secretaria de Saúde.

De acordo com o governador Renato Casagrande, as taxas do novo coronavírus nestes locais são altas e preocupam, principalmente porque já alcançam bairros populares. Ele destacou que é preciso uma atenção maior em toda a região metropolitana.

Renato Casagrande

Governador

"Em Vitória, Vila Velha e Serra os casos têm crescido em grande número, alcançando os bairros populares. A gente tem uma preocupação também com Cariacica, Viana e Guarapari, porque temos aqui uma mancha urbana que está toda interligada, interconectada, que exige um cuidado ainda maior"

Na última terça-feira (07), dados divulgados pelo Ministério da Saúde apontavam Vitória como a capital com o 6º maior índice de contaminação do novo coronavírus no Brasil. A taxa era de 17,1 para cada 100 mil habitantes, superando a o Rio de Janeiro (16,5), que vem se mostrando elevada nas últimas semanas.

O índice, contudo, aumentou nesta quarta-feira (08), com o registro de 12 novos casos na Capital. Vitória apresenta, atualmente, 21,2 casos de coronavírus por 100 mil habitantes. O cálculo é baseado na estimativa do IBGE de população na cidade em 2019.

A incidência do vírus também é significativa em Vila Velha. De acordo com o boletim divulgado pela Secretaria de Saúde, o município apresenta o maior número absoluto de casos no Espírito Santo (82). Porém, a incidência é menor que na capital, quando se considera a população. São 16,6 casos registrados a cada 100 mil habitantes.

Já na Serra, a incidência é de 11,01. Os três municípios possuem taxas de contaminação maiores que do Estado, que atualmente é de 6,79 a cada 100 mil habitantes.

"Os dados nos bairros destes municípios vão mostrando a necessidade de sermos cada vez mais restritos no nosso contato físico. As pessoas precisam ter muita cautela, elas podem ser contaminadas pelo vírus com muita facilidade. Nós já estamos preparando hospitais, mantendo decretos que restringem atividades, mas ainda temos alguns locais que são problemáticos na concentração, como transporte urbano, feiras livres, supermercados. Pedimos que as pessoas colaborem e se sensibilizem com a realidade que estamos vivendo", apelou Casagrande. 

O subsecretário estadual de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, reforça a necessidade de isolamento social na Grande Vitória. De acordo com ele, como a região concentra a maioria dos casos no Estado, é preciso que as restrições sejam cumpridas, mais do que em qualquer outro lugar. 

"Sob pena de termos aqui situação de dificuldade no atendimento muito em breve, se o volume de casos continuar crescendo nessa velocidade", disse. 

De acordo com a Sesa, até a noite desta quarta-feira (08), 273 casos de coronavírus haviam sido confirmados no Espírito Santo. Destes, 232 estão na Grande Vitória.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.