ASSINE

Renda dos mais pobres no ES cresce só R$ 6 antes da pandemia

Dados do IBGE revelam que as parcelas mais ricas da população viram os rendimentos crescerem ano passado. Segundo a Pnad, os ganhos mensais de 1% da população é mais de 30 vezes maior do que 50% dos trabalhadores do Estado

Publicado em 06/05/2020 às 10h10
Atualizado em 06/05/2020 às 10h39
Data: 12/04/2015 - ES - Vitória - Região de São Pedro sem saneamento básico - Editoria: Cidades - Foto: Marcelo Prest - GZ
População capixaba das camadas mais pobres teve dificuldades para melhorar a renda em 2019. Crédito: Marcelo Prest

A renda média da metade mais pobre da população do Espírito Santo cresceu só R$ 6 em 2019. Segundo a Pesquisa Nacional de Domicílios Contínua (Pnad-C) divulgados nesta quarta-feira (6) pelo IBGE, esses trabalhadores viram os rendimentos praticamente se estagnarem no ano passado, indo de R$ 872 para R$ 878 em média. O valor é o mesmo registrado em 2013.

DESIGUALDADE ACELERADA

A Pnad demonstrou um agravamento na desigualdade em termos de distribuição de renda no Estado. No outro extremo da pirâmide, os 10% mais ricos tiveram aumento de R$ 703 (4%) nos ganhos médios, indo de R$ 8 506 para R$ 9 209 em 2019.

O maior aumento proporcional de rendimentos ocorreu na parcela do 1% mais ricos. Os ganhos médios dessa população, que desde 2012 já superam R$ 20 mil, avançou 7% em 2019, chegando a R$ 26.344. É o maior aumento desde 2012. Esse público tem uma renda mensal que é 30 vezes maior do que 50% dos trabalhadores do Estado.

Em 2019, a massa mensal de rendimento habitual foi de aproximadamente R$ 4,28 bilhões,  12% maior que a estimada para 2018 e 80% maior que a de 2012.

O número de pessoas com rendimento de todos os trabalhos subiu de 1.814 em 2018 para 1.887 em 2019, de acordo com o levantamento do IBGE. A quantidade de pessoas com pensão e aposentadoria também avançou de 544 mil para 583 mil de um ano para outro.

PRETOS E PARDOS

Em 2019, permanecem as grandes discrepâncias entre o rendimento médio mensal real de todos os trabalhos das pessoas brancas (R$ 2.929), pardas (R$ 1.811) e pretas (R$ 1.791). Também perduram as diferenças de gênero: o rendimento de todos os trabalhos dos homens (R$ 2.557) é 40% mais alto que o das mulheres (R$ 1.821).

O percentual de domicílios atendidos pelo Bolsa Família caiu de 8,7% em 2018 para 8,4% em 2019. Em 2012, 9,4% das casas no Estado recebiam o benefício. Já o BPC-LOAS se manteve estável com 2,8% dos lares contemplados com o auxílio.

O Índice de Gini do rendimento domiciliar per capita teve ligeira alta entre 2018 e 2019, variando de 0,509 para 0,519 Já o Gini para o rendimento de todos os trabalhos também avançou de 0,477 para 0,491. 

PROGNÓSTICO RUIM PARA 2020

Os dados deste estudo são anteriores à pandemia de coronavírus, o que significa que aqueles de 2020 devem revelar uma realidade ainda mais cruel. Segundo o boletim de abril do Instituto Brasileiro de Economia da FGV, a estimativa é de que haja queda de até 8,6% na renda dos trabalhadores este ano.

A diminuição deve ser consequência da alta do desemprego provocado pela crise econômica que se instalou no Brasil e no mundo desde o início da pandemia. A FGV estima que a taxa de desemprego deve saltar de 11% para 17% até o fim deste ano.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.