ASSINE

Mais de 80 servidores da Serra receberam auxílio emergencial de R$ 600

Entre os identificados constam profissionais do município que ganham até R$ 2,8 mil por mês. Eles podem sofrer penalidades e até perderem os cargos, se ficar comprovado que não tiveram conduta ética

Publicado em 09/07/2020 às 17h44
Atualizado em 09/07/2020 às 17h46
Prefeitura da Serra
Prefeitura da Serra: servidores receberam indevidamente o auxílio emergencial . Crédito: Guilherme Ferrari/Arquivo

A Controladoria-Geral do Município da Serra (CGM) identificou mais de 80 servidores públicos municipais que receberam indevidamente o auxílio emergencial de R$ 600 do governo federal durante a pandemia do novo coronavírus. Entre os identificados constam profissionais que ganham até R$ 2.,8 mil por mês. 

A controladora-geral da Serra, Magaly Nunes, explicou que um dos critérios para o recebimento do auxílio é a inexistência de emprego formal ativo. Por isso, eles podem sofrer penalidades e até perderem os cargos se ficar comprovado que não tiveram conduta ética.

“Os pagamentos possivelmente irregulares aos servidores públicos podem ter ultrapassado os R$ 100 mil de danos aos cofres públicos federais. Conseguimos identificar essas pessoas após o cruzamento de dados das bases do governo federal e da prefeitura”, disse.

Magaly ressaltou que solicitar e receber auxílio emergencial, mediante a inserção ou declaração de informações falsas, pode tipificar crimes de falsidade ideológica e estelionato, previstos no Código Penal, além de configurarem possíveis infrações disciplinares, quando praticadas por servidores públicos.

O subsecretário de Transparência e Combate à Corrupção, Adriano Constancio Barros, afirmou que todas as medidas cabíveis foram tomadas, assim que os servidores foram identificados. Os casos foram encaminhados à Secretaria Municipal de Administração, para a abertura de processo administrativo.

"Se for comprovado que os servidores públicos receberam e não vão devolver o auxílio do governo, eles podem ser responsabilizados e até dispensados de suas funções”, garantiu.

Magaly Nunes afirmou que todos serão chamados para esclarecimentos e vão ter garantia à ampla defesa e ao contraditório. Eles serão orientados sobre o canal disponibilizado pelo Ministério da Cidadania para a devolução de valores eventualmente recebidos de forma indevida, que é o devolucaoauxilioemergencial.cidadania.gov.br.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.